Início » Finanças » CEO do Twitter critica proposta dos EUA sobre criptomoedas

CEO do Twitter critica proposta dos EUA sobre criptomoedas

Jack Dorsey, CEO do Twitter, critica proposta de regulamentação da FinCEN sobre transações em Bitcoin e outras criptomoedas

Bruno Ignacio Por

Jack Dorsey, CEO do Twitter e da empresa de serviços financeiros Square, criticou a proposta de regulamentação das moedas digitais criada pelo órgão regulador americano FinCEN (Financial Crimes Enforcement Network). O executivo publicou uma carta argumentando que isso “criaria incentivos perversos para que clientes de criptomoedas evitem entidades regulamentadas”.

Jack Dorsey, CEO do Twitter (Imagem: Reprodução/Flickr)

Jack Dorsey, CEO do Twitter (Imagem: The DEMO Conference/Flickr)

Segundo Dorsey, a nova proposta de regulamentação poderia fazer com que usuários de criptomoedas – como Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e Ripple (XRP) – busquem serviços não regulamentados fora dos Estados Unidos ao invés de carteiras digitais americanas. O ponto central da crítica seria a privacidade dos clientes.

O que diz a proposta?

A nova regulamentação da FinCEN faria com que empresas como a Square coletassem obrigatoriamente informações pessoais de ambas as partes envolvidas em transações cripto, quem incluem transferências, compras e vendas entre duas pessoas. Dentre as exigências, estão a coleta de nome e endereço físico dos usuários.

Órgãos reguladores do mundo todo se esforçam para conseguir evitar ao máximo crimes financeiros envolvendo criptoativos, como lavagem de dinheiro e financiamento de terrorismo, através do controle e monitoramento estatal das transações virtuais. Contudo, como sugere a própria idealização de Satoshi Nakamoto (pseudônimo do “pai do Bitcoin”), criptomoedas surgiram para serem uma forma de dinheiro descentralizado e privado.

Jack Dorsey demonstra em sua argumentação estar alinhado com tais princípios, mas também possui seus motivos pessoais para realizar tal crítica aberta. A Square é diretamente afetada pela medida, uma vez que possíveis investidores de ativos digitais americanos passariam a buscar alternativas estrangeiras, consequentemente diminuindo sua clientela. Além disso, a empresa realizou uma grande compra de US$ 50 milhões em bitcoin em outubro de 2020, mais um pesado investimento em seu sistema financeiro para trabalhar com criptomoedas de maneira geral.

As possíveis consequências

A carta ainda cita um exemplo de uma situação que possivelmente aconteceria com a implementação das regras propostas. Dorsey demonstra que se um pai fosse enviar para sua filha US$ 4.000 em bitcoin através da Square, sua empresa seria obrigada a coletar seus nomes e endereços pessoais, consideradas informações extremamente particulares no universo com a natureza já nativamente aberta da tecnologia Blockchain. Portanto, Dorsey considerou que tais medidas são “exageradas”.

O CEO do Twitter e da Square comunica então na carta que vê a nova regulamentação como um “incentivo perverso”. Para ele, se usuários de moedas digitais tiverem que ceder sua privacidade ao realizar transações através de um banco, “eles evitarão usar tal banco”.

Por fim, Dorsey afirma que a FinCEN e seus planos são um empecilho à inovação. “A onerosa coleta de informações e requisitos de relatórios privam empresas dos EUA, como a Square, da chance de competir”, critica o executivo em sua carta.

Com informações: Square Inc, The Verge.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando