Início » Celular » Peças do Apple iPhone 12 custam 26% a mais que iPhone 11

Peças do Apple iPhone 12 custam 26% a mais que iPhone 11

Preço de peças para produzir Apple iPhone 12 de 128 GB e com mmWave é 26% maior em relação ao antecessor iPhone 11

Bruno Gall De Blasi Por

As peças para produzir o Apple iPhone 12 custam 26% a mais que as do iPhone 11, levando em consideração o modelo com suporte às ondas milimétricas (mmWave) e 128 GB. A cifra parte de um levantamento realizado pela Counterpoint Research, que aponta o gasto com componentes para produzir o novo celular da Apple com 5G.

iPhone 12 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

iPhone 12 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Os dados, que levam em consideração apenas o custo dos materiais, foram revelados nesta segunda-feira (5). Segundo a consultoria, as peças do iPhone 12 de 128 GB vendido nos Estados Unidos (mmWave) chegam à marca de US$ 431, cerca de R$ 2.330 em conversão direta. O valor é 26% superior ao gasto para produzir o iPhone 11.

Ainda assim, o acréscimo não é igual em todas as unidades vendidas pelo mundo. Os modelos comercializados em outros países, que trazem somente o padrão sub-6 GHz, incluindo aqueles com suporte às frequências do futuro 5G do Brasil, tiveram uma escalada no preço de 18% em relação à geração anterior, que vai até o 4G.

Um dos principais motivos para o aumento geral no valor dos gastos com componentes está ligado às peças que tornam o 5G possível nos smartphones apresentados em outubro de 2020. Conforme apontado pelos números apresentados anteriormente, o modelo que também suporta ondas milimétricas (mmWave) é o que custa mais.

“O iPhone 12 foi equipado com mais componentes de RF [radiofrequência] para suportar o espectro relacionado ao 5G”, dizem. “Nossa análise mostra que o aumento de custo combinado do subsistema de RF é de cerca de US$ 19 [R$ 100]. Além da Qualcomm, outros grandes ganhadores de conteúdo são Skyworks, MURATA e Avago”.

Outros fatores também condicionam à escalada do preço. A consultoria estima que o custo com o processador, o Apple A14 Bionic de 5 nanômetros, subiu em US$ 17 (R$ 90), comparado ao Apple A13 Bionic. A tela do celulares, que passou de LCD para OLED nos modelos sem o selo Pro, gerou um aumento de US$ 23 (R$ 125) na fabricação.

iPhone 12 Mini ao lado de um iPhone XR (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

iPhone 12 Mini ao lado de um iPhone XR (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

iPhone 12 foi anunciado com preços a partir de US$ 699

Diferentemente de 2019, a Apple anunciou quatro celulares em 2020: o iPhone 12, iPhone 12 Mini, iPhone 12 Pro e o iPhone 12 Pro Max. O quarteto chegou ao país norte-americano com preços a partir de US$ 699 (R$ 3.780), US$ 799 (R$ 4.320), US$ 999 (R$ 5.405) e US$ 1.099 (R$ 5.495), mas os valores não valem para toda a gama de clientes.

Entre as novidades, está o 5G e a tela OLED em todas as edições. O armazenamento varia entre 64 GB e 256 GB nas duas primeiras variantes e entre 128 GB e 512 GB nos modelos Pro. Assim como o iPhone 11, XR e SE (2020), a nova geração não vem com carregador e fones de ouvido na caixa, mas traz um cabo USB-C para Lightning.

O iPhone 12 chegou ao Brasil no fim de novembro de 2020. No mercado nacional, o preço sugerido do quarteto começa em R$ 6.999, para a opção Mini de 64 GB de memória interna, e chega a R$ 13.999, para a variante Pro com 512 GB de espaço.

Com informações: 9to5Mac e Counterpoint Research

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Juliano Machado Olivetti (@Juliano_Machado_Oliv)

Desses dados já dá para extrair que não existe mais ambiente para a escalada do preço médio no topo dos aparelhos. Vimos a Apple iniciar o movimento de retirada de carregadores, a Samsung parece fazer o mesmo…Notícias de que a linha S da Samsung será lançada como corpo de policarbonato…São movimentos que demonstram que se deseja manter as margens, mas não existe ambiente para escalada dos preços de etiqueta. Pelo menos na minha leitura, esse será um desafio ainda maior no lançamento das próximas gerações, afinal o pós pandemia vem se vislumbrando seguido de uma instabilidade macroeconomica de escala global.