Início » Aplicativos e Software » Telegram e Signal disparam na App Store e Google Play em vários países

Telegram e Signal disparam na App Store e Google Play em vários países

Telegram e Signal chegam ao 1º lugar em downloads nas lojas do iPhone e Android; WhatsApp compartilha dados com Facebook

Felipe Ventura Por

As mudanças na política de privacidade do WhatsApp fizeram dois concorrentes ganharem destaque: o Telegram e o Signal chegaram ao primeiro lugar em downloads no Google Play e na Apple App Store em dezenas de países. No Brasil, os dois apps de mensagens figuram no top 10. Usuários se irritaram por terem que compartilhar dados com o Facebook.

Telegram no iPhone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Telegram no iPhone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Manchetes ao redor do mundo dizem que usuários do WhatsApp terão que apagar a conta se não quiserem trocar dados com o Facebook. Na verdade, essa exigência já existia desde 2016 e se aplica para a maioria dos 2 bilhões de pessoas no app – só que poucos sabiam disso.

O efeito: os principais concorrentes voltaram aos holofotes. Isso inclui o Signal, cujo protocolo de criptografia ponta-a-ponta é usado pelo WhatsApp; além do Telegram, rival de longa data.

De acordo com a consultoria App Annie, o Signal esteve em primeiro lugar na App Store em 44 países neste domingo (10). Há uma semana, antes de toda a polêmica se iniciar, ele não liderava os downloads em nenhum país – o app para iPhone sequer chegava aos 100 mais baixados.

Signal no ranking da App Store dos EUA, em vermelho; e do Brasil, em verde (Imagem: Reprodução/App Annie)

Signal no ranking da App Store dos EUA, em vermelho; e do Brasil, em verde (Imagem: Reprodução/App Annie)

No Google Play, a situação é parecida: o Signal para Android domina o ranking geral de apps em 14 países; há uma semana, ele nem aparecia nas listas de top 100.

Telegram cresce no iPhone e Android

Com o Telegram, o aumento no interesse também impressiona, mesmo que o app já conte com quase 500 milhões de usuários. A versão para Android liderava a Play Store em 20 países neste domingo; no caso da App Store, são 29 mercados diferentes, segundo a App Annie.

No Brasil, o Telegram já estava entre os 50 apps mais baixados há algum tempo, mas ele disparou para o topo do ranking nos últimos dias; o mesmo ocorreu em diversos outros países, como nos EUA. O gráfico abaixo ilustra a mudança repentina na App Store:

Telegram no ranking da App Store dos EUA, em vermelho; e do Brasil, em verde (Imagem: Reprodução/App Annie)

Telegram no ranking da App Store dos EUA, em vermelho; e do Brasil, em verde (Imagem: Reprodução/App Annie)

Como usar o Telegram e o Signal

Se você está começando agora a usar o Signal, confira abaixo nosso guia:

E se você quer aproveitar melhor o Telegram, confira abaixo o material que o Tecnoblog preparou sobre o mensageiro:

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
15 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Giovani (@Giovani)

Na minha opinião as operadoras tem grande influencia nisso, qualquer plano móvel hoje em dia ta la o icone do whatsapp escrito que é grátis, na maioria deles o cliente pode até fazer ligações de vídeo já incluído no plano, na Claro até no pré pago é liberado ligações de vídeo, para abrir mão e usar outro a pessoa tem que ser muito consciente do que está acontecendo no mundo, mas como você disse a maioria não ta nem ai, a maioria mesmo, absoluta.

Mickey (@Mickey)

O grande problema é que a maioria esmagadora (mesmo!) da base de usuários do WhatsApp sequer sabe ou liga pra essa integração com o Facebook. Isso dificulta a criação de uma base sólida de usuários nos concorrentes. Sabemos que o trabalho de formiguinha de quem gosta do Telegram e Signal existe, é nadar contra a maré mas é louvável. Tiro o chapéu pra quem conseguiu trazer “sua rede” de contatos pra algum lugar fora do WhatsApp.

@JackBauerAL (@JackBauerAL)

Complicado as pessoas não se importarem com o que as empresas fazem com seus dados… depois reclamam dos spams, da propaganda direcionada, das ligações de telemarketing, dos assaltos a residências, etc.