Início » Computador » Intel reage ao Apple Silicon com processadores Alder Lake

Intel reage ao Apple Silicon com processadores Alder Lake

Além de destacar híbrido Alder Lake, Intel anunciou novos Core de 11ª geração Tiger Lake série H e confirmou chips Rocket Lake-S

Emerson Alecrim Por

A Intel aproveitou a CES 2021 para anunciar nada menos que cinco famílias de processadores. Entre eles estão os chips Core de 11ª geração da série H, voltados a notebooks para jogos. Mas, certamente, o anúncio que mais chama atenção é o dos processadores Alder Lake: de certa forma, eles serão a resposta da Intel para a plataforma Apple Silicon.

Processador Rocket Lake-S (imagem: divulgação/Intel)

Processador Rocket Lake-S (imagem: divulgação/Intel)

Intel Core Tiger Lake-H

A Intel pretende lançar mais de 50 processadores no decorrer de 2021. No meio dessa turma estarão os chips Core de 11ª geração (Tiger Lake) da série H, que virão para complementar os modelos de baixo consumo anunciados em setembro de 2020.

Todos são baseados na microarquitetura Willow Cove e, como tal, contam com processo de fabricação de 10++ nanômetros SuperFin e gráficos Intel Xe, além de trazerem suporte a Wi-Fi 6, Thunderbolt 4 e PCI Express 4.0.

Os novos processadores foram divididos em duas categorias: H35 e H45. Aqui, os números indicam o TDP máximo (35 W e 45 W, respectivamente). Os chips H35 contam com os seguintes modelos:

H35 Núcleos / Threads Frequência Freq. 4-Core Turbo Cache L3 TDP máximo Gráficos (EUs)
Core i7-11375H SE 4 / 8 3 GHz 4,3 GHz 12 MB 35 W Iris Xe (96)
Core i7-11370H 4 / 8 3 GHz 4,3 GHz 12 MB 35 W Iris Xe (96)
Core i5-11300H 4 / 8 2,6 GHz 4 GHz 8 MB 35 W Iris Xe (96)

Já a série H45 deverá ter seus modelos confirmados nos próximos meses. Por ora, o que se sabe é que essa categoria será composta por unidades com até oito núcleos e 16 threads.

Core de 11ª geração série H35 (imagem: divulgação/Intel)

Core de 11ª geração série H35 (imagem: divulgação/Intel)

Intel Alder Lake: híbridos “tipo ARM”

Não é exagero classificar a família Alder Lake como a principal novidade da Intel nos tempos atuais. Já falamos sobre ela aqui no Tecnoblog, mas eis uma breve explicação: os chips Alder Lake contarão com uma abordagem híbrida que lembra a tecnologia big.LITTLE de processadores baseados em arquitetura ARM.

Em outras palavras, a Intel confirmou que os modelos dessa família combinarão núcleos de alto desempenho com núcleos mais econômicos, por assim dizer, mas que podem lidar com tarefas simples com desenvoltura.

Como principal vantagem, essa abordagem deverá otimizar consideravelmente o consumo de energia. É por isso que os chips Alder Lake vêm sendo vistos como uma reação da Intel à plataforma Apple Silicon, cujo chip M1 permite ao novo MacBook Pro ser excelente no desempenho e na duração de bateria.

Resta sabermos se os processadores Alder Lake corresponderão a esses dois quesitos, mas as expectativas até que são altas. Por ora, as informações que vieram à tona apontam que esses chips terão tecnologia de 10 nanômetros SuperFin e até 16 núcleos (8 + 8).

Além disso, eles serão divididos em duas linhas: Alder Lake-S para desktops e Alder Lake-P para notebooks. Mais detalhes só deverão ser revelados no segundo semestre, porém.

Intel confirma Rocket Lake-S

Teremos que esperar menos tempo para encontrar a linha Rocket Lake-S no mercado. A Intel confirmou que esses chips, que consistem na 11ª geração de chips Core para desktops, vão ser lançados ainda neste trimestre junto a placas-mãe baseadas nos chipsets Intel série 500.

Os modelos Rocket Lake-S não serão novos em todos os sentidos. Já sabemos que eles serão baseados na arquitetura Cypress Cove, uma espécie de adaptação da arquitetura Sunny Cove (de 10 nanômetros) para o processo de 14 nanômetros.

De todo modo, a Intel afirma que esses chips terão até 19% mais desempenho nas instruções por ciclo (IPC) na comparação com a geração anterior (Comet Lake-S).

O líder da turma vai ser o Intel Core i9-11900K. Esse modelo trará oito núcleos, 16 threads, frequência de 3,5 GHz (até 5,3 GHz em boost) e cache de 16 MB.

Processador Rocket Lake-S (imagem: divulgação/Intel)

Processador Rocket Lake-S (imagem: divulgação/Intel)

Pentium, Celeron e Core vPro

A Intel não deixou de lado os chips para computadores de baixo custo. A companhia anunciou uma pequena leva de processadores Pentium (dois modelos) e Celeron (quatro modelos). Trata-se da família Jasper Lake série N, focada em laptops para fins educacionais.

O mais requintado deles é o Pentium N6005, modelo que conta com quatro núcleos, quatro threads, frequência de 2 GHz (máximo de 3,3 GHz) e gráficos Intel UHD. Todos contarão com tecnologia de 10 nanômetros e TDP de 6 W ou 10 W.

Para o segmento corporativo, a Intel apresentou a 11ª geração dos chips Core vPro. Eles também são baseados na tecnologia SuperFin de 10 nanômetros e contam com recursos como Hardware Shield para detecção de ameaças por meio de inteligência artificial.

Suporte a Wi-Fi 6/6E (Gig+) e desempenho até 23% mais rápido que a concorrência na execução do Microsoft 365, por exemplo, estão entre os demais atributos da nova plataforma vPro, segundo a Intel.

Ainda de acordo com a companhia, cerca de 60 laptops baseados nesses chips serão lançados neste ano. Alguns deles ostentarão o selo Intel Evo vPro, que certifica que o equipamento corresponde a um modelo ultrafino “premium”.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sérgio (@trovalds)

Reage com o que? Com meia dúzia de instrução RISC no processador que não vão fazer diferença nenhuma na prática? Requentando mais uma vez o Skylake? Intel devia parar de ficar querendo vencer a briga do desempenho com marketing que não funciona e começar a torrar uns bons bilhões na prancheta pra fazer algo realmente novo.

Aliás a Intel deveria é parar de empurrar a responsabilidade de seus fiascos pros seus clientes. Notebook com solução de resfriamento absurdamente grande pra poder manter o processador não tão quente. E muitos reviews falam justamente do thermal throttling em ação mesmo em notebooks grandes com refrigeração absurda.

ISSO sem contar com a AMD que está comendo a Intel com farinha também. Notebook AMD Ryzen de 4a. geração com placa dedicada em um corpo de notebook bate solução Intel que parece um transformer de tanta ventoinha e coisa pra poder manter o processador trabalhando frio. E nem estão prestando atenção que a AMD já está com a 5a. geração pra chegar também.

MAS se na última vez o assunto foi “AMD”, dessa vez o assunto foi “Apple M1”. Porque falar que eles tem um produto inovador eles vão estar falando uma grande mentira. Intel, por favor, debruça mais na prancheta e economiza no marketing pra bocó ver. Queremos produto NOVO.

Felipe Insfran (@felipous)

Que confusão essa linha de processadores.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Nos desktops o TDP da Intel é uma zona (especialmente nas gerações mais recentes), mas nos laptops eles não tem essa liberdade, até porque todo o design da máquina, desde o sistema de refrigeração até ao fornecimento de energia, segue um TDP alvo.

As vezes você até encontra um ou outro notebook mais parrudo (geralmente modelos gamers), que permitem elevar temporariamente o TDP máximo por algum tempo em condições específicas (ligado na tomada, temperatura abaixo de X graus e utilização da GPU dedicada abaixo de 80%, por exemplo), mas no geral eles operam dentro do TDP especificado na ficha técnica…