Início » Aplicativos e Software » WhatsApp reage à confusão sobre Facebook e privacidade, mas agora é tarde

WhatsApp reage à confusão sobre Facebook e privacidade, mas agora é tarde

Novos termos de privacidade geram polêmica para WhatsApp; Facebook tenta se explicar, mas abre caminho para Telegram e Signal

Felipe VenturaPor

O que parecia ser uma mudança rotineira nos termos de privacidade acabou virando uma dor de cabeça para o WhatsApp. Muitos veículos da imprensa entenderam que o app passaria a obrigar o compartilhamento de dados com o Facebook, algo que na verdade ocorre desde 2016. A empresa demorou demais para “evitar a disseminação de notícias incorretas e rumores”, minando a confiança no mensageiro e abrindo caminho para Signal e Telegram.

WhatsApp (Imagem: Reprodução/Pxhere)

WhatsApp (Imagem: Reprodução/Pxhere)

WhatsApp exige troca de dados com Facebook desde 2016

Basicamente, o que causou toda a comoção não foi algo que a atual política de privacidade adicionou. Na verdade, foi algo que o WhatsApp tirou: não há mais um trecho que mencionava a possibilidade de não compartilhar dados com o Facebook. De fato, essa opção existiu… até 24 de setembro de 2016; para a grande maioria dos usuários, que não desligaram essa integração dentro do prazo, a troca de informações já era obrigatória.

Este é o trecho relevante:

Se você já usa o WhatsApp poderá escolher não compartilhar os dados da sua conta do WhatsApp com o Facebook para melhorar suas experiências com anúncios e produtos no Facebook. Os usuários atuais que aceitarem os nossos Termos e Política de Privacidade atualizados terão 30 dias adicionais para definirem sua escolha em Configurações/Ajustes > Conta.

Esse prazo de 30 dias acabou em 2016, quando o WhatsApp tinha 1 bilhão de usuários; agora são mais de 2 bilhões. E já na época, os termos deixavam explícita essa integração: “passamos a fazer parte da família de empresas do Facebook em 2014; como parte desta família, o WhatsApp recebe e compartilha dados com os demais membros”.

Entre os exemplos, a empresa dizia: “o Facebook e outras empresas do mesmo grupo podem usar dados do WhatsApp para fazer sugestões (por exemplo, de amigos, de contatos ou de conteúdo interessante) e mostrar ofertas e anúncios relevantes”. Nada disso mudou nos últimos cinco anos.

Reação negativa ao WhatsApp

O WhatsApp compartilha com o Facebook dados como seu número de telefone (não a agenda de contatos), informações do celular (como o sistema operacional) e seu endereço IP. A empresa continua dizendo que “suas mensagens são criptografadas para que nós ou terceiros não possamos lê-las”; a criptografia de ponta a ponta, que usa o protocolo Signal, não mudou. No entanto, muitos usuários ficaram com a impressão de que o mensageiro iria revelar suas conversas particulares.

Para mim, a reação negativa ao WhatsApp surgiu de uma combinação de fatores:

  • inúmeras notícias trouxeram o título enganoso de que o WhatsApp iria suspender usuários que não aceitassem a troca de dados com o Facebook, algo que já era obrigatório desde 2016 – isso foi repetido tantas vezes que acabou sendo aceito como verdade;
  • o WhatsApp foi associado à imagem negativa que várias pessoas têm do Facebook, depois de inúmeras polêmicas sobre privacidade como o escândalo Cambridge Analytica;
  • veio à tona uma possível “fadiga de WhatsApp”, usado no Brasil e outros países como a principal (e às vezes única) forma de contato entre amigos, parentes, clientes e empresas.  O app é inescapável mesmo para quem não gosta dele, e essa polêmica deu um motivo para externar essa frustração.

WhatsApp tenta conter danos

WhatsApp tenta explicar mudança na política de privacidade (Imagem: Reprodução)

WhatsApp tenta explicar mudança na política de privacidade (Imagem: Reprodução)

Quando o WhatsApp resolveu responder à polêmica, milhões de pessoas já levantavam dúvidas sobre a confiabilidade do app. A empresa publicou um FAQ garantindo que “o WhatsApp e o Facebook não podem ler suas mensagens nem ouvir suas chamadas com colegas de trabalho, amigos e familiares”.

O WhatsApp também afirma que não mantém registro das pessoas para quem você ligou ou enviou mensagens; não pode ver sua localização compartilhada; nem compartilha seus contatos com o Facebook (apenas seu número de celular, tal como é feito há anos).

O objetivo era dar maior transparência sobre as conversas que você pode ter com empresas no app. Elas poderão armazenar as mensagens em serviços de hospedagem do Facebook para poderem acessá-las a partir de mais de um dispositivo, removendo uma limitação atual do WhatsApp Web.

Além disso, se você acessar o catálogo de uma empresa no WhatsApp através do recurso Lojas, “suas atividades de compra poderão ser usadas para personalizar sua experiência nas Lojas e os anúncios que você vê no Facebook e no Instagram”.

Telegram e Signal crescem com polêmica do WhatsApp

Facebook, Messenger, WhatsApp e Telegram (Imagem: Microsiervos Geek Crew/Flickr)

Facebook, Messenger, WhatsApp e Telegram (Imagem: Microsiervos Geek Crew/Flickr)

A resposta do WhatsApp, que em último caso deveria ser responsável por sua própria reputação, demorou demais. Eis o que aconteceu nos últimos dias:

Tudo isso será o bastante para “derrubar” o app de mensagens? Ainda é cedo para saber: o Facebook já passou por polêmicas semelhantes mas a empresa segue firme, lucrando bilhões a cada trimestre. No entanto, isso certamente teve algum impacto no WhatsApp, dado que eles se viram obrigados a esclarecer a situação.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
20 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Helliton Soares Mesquita (@Helliton_Soares_Mesq)

O Whatsapp vem de uma herança da época que celulares eram muito simples e as pessoas precisam de um programa leve para se comunicar. Hoje começa a ser cada vez menos necessário, já estamos a passos largos de um comunicador universal via SMS mesmo porém sem o alto preço, usando a internet mesmo. Também temos outros programas que são bons e simples e permitem fazer o mesmo. Não precisamos de ter um Facebook agregado em nossas vidas em tudo. Porém não vejo problema em si do Facebook querer integrar algo que é deles. Mas deve todo o usuário manter uma alternativa ao mesmo.

Antônio Vinícius (@avinicius)

Facebook tá desesperado

image1024×633 193 KB

André Cardoso (@andre)

Ainda acho que infelizmente isso não vai ser o suficiente para largarem o WhatsApp, pelo simples fato de que a maioria das pessoas não se importa com isso; quase todo mundo simplesmente apertou “aceito” pra poder tirar a mensagem chata da tela e poder compartilhar algum meme no zap.

Isso me incomoda porque eu me importo, queria poder usar outro app mas é impossível, ou me torno incomunicável ou aceito isso.

² (@centauro)

Não vai porque é difícil você encontrar um gatilho forte o suficiente pra desencadear um efeito manada da magnitude necessária pro pessoas sair do Whatsapp.
Como falaram em outro tópico, no Brasil pelo menos está cada vez mais comum empresas e serviços passando a atender pelo Whatsapp, até repartições públicas estão usando o Whatsapp pra entendimento ao público. Praticamente todos os seus contatos estão lá.
Você precisa de um argumento muito forte pra conseguir convencer a maioria desse pessoal a se dar o trabalho de mudar de aplicativo.

André (@andre00)

Ninguém vai largar o WhatsApp. Não adianta. Toda vez que aparece alguma notícia ruim do WhatsApp aparecem os relatos informando que Telegram ganhou X novos usuários, mas o pessoal instala e não usa, pois a maioria não está nem aí para essas questões de privacidade.

Usuários mais leigos hoje em dia não sabem nem enviar um email, mas sabem fazer tudo no WhatsApp.

⠀ (@mdcosta)

A matéria parece estar mais repetindo o PR do Facebook do que realmente checando as informações passada por eles. A própria afirmação de que eles não têm acesso à localização compartilhada é falsa, por exemplo. A política de privacidade descreve abertamente que eles coletam esse tipo de dado e se reservam o direito de compartilhar com terceiros e com a empresa-mãe.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Do lado Android sim. Mas o mensageiro mais popular é o iMessage.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Tem a função SMS, mas ele funciona com internet quando a função iMessage esta ativada, não sendo possível adicionar um contato sem iMessage a um grupo, porque são coisas diferentes.

Ao conversar com alguém que não tem iMessage, os balões aparecem em cor diferente e não è possível visualizar os efeitos animados do mensageiro.

João Almeida (@Joao_Almeida)

Difícil derrubar o WhatsApp aqui. Principalmente pq empresas usam o business e os planos móveis cobrem ele ilimitado. O zap vai morrer nunca aqui

A (@ksssskkkks)

eu acho que vai ser difícil mesmo sair do whatsapp. desde que whatsapp fez sua plataforma direcionada a negócios, fica cada vez mais difícil se livrar dele. neste caso eu sinto que é uma questão de trade-off. whatsapp é usado por bilhões de pessoas (e negócios) no mundo, e no brasil basicamente toda pessoa que tem um smartphone tem uma conta de whatsapp. claro, tem plataformas alternativas, mas quem usa elas hoje?

você pode tentar mover pessoas para outra plataforma, mas não vai conseguir que todo mundo faça isso, até porque não é nada conveniente mudar para uma plataforma com menos gente, além de que para a pessoa comum não há uma razão boa para não usar whatsapp porque nenhuma razão que você der vai afetar sua vida diária.

a aternativa mais viável (i.e., a mais fácil para mudar uma pessoa de plataforma) seria uma plataforma que já tem nos dispositivos de todo mundo, como mensagem de texto e email, mas (pelo menos no papel) isso é um downgrade em funções e segurança. whatsapp é a maior plataforma de mensagem e ele tem encriptação ponta-a-ponta, o que é algo enorme e revolucionário, mas isso não existe para mensagens de texto e email por padrão (já tentaram encriptar plaintext manualmente? é um saco e difícil para a pessoa média, mas o whatsapp faz isso automaticamente)

por outro lado, ficar no whatsapp não só vai fazer com que seus dados sejam compartilhados com facebook em algumas situações, mas apenas vai manter o poder que facebook tem sobre como você se comunica com outras pessoas. claro, agora não tá ruim – facebook não pode ver suas messagens (na maioria das situações), não mostra publicidade, e é prático e conveniente se comunicar com pessoas e negócios – mas também não tava ruim em 2014 quando facebook comprou whatsapp, mas dois anos depois foi logo anunciando que whatsapp ia compartilhar informação pessoal dois anos depois. o que é que garante que as coisas vão continuar igual daqui a 2+ anos? e mesmo que nada mude, o facebook devia ter o controle que ele tem sobre como você conversa com os outros? o mesmo facebook que tem acabado com democracias no mundo todo? será que não existe um conflito de interesses?

por isso, na minha opinião a melhor solução seria convencer seus mudar para uma plataforma alternativa, como signal ou element, que têm encriptação ponta-a-ponta e mais ou menos os mesmos recursos que o whatsapp tem. pode ser chato, difícil e inconveniente, e provavelmente você não vai conseguir trazer todo mundo pra plataforma, mas eu acho que vale a pena.