Início » Legislação » Jay Y. Lee, herdeiro da Samsung, é preso por corrupção

Jay Y. Lee, herdeiro da Samsung, é preso por corrupção

Jay Y. Lee, vice-presidente e herdeiro da Samsung, foi condenado a dois anos e meio de prisão pela Suprema Corte da Coreia do Sul

Emerson Alecrim Por

Jay Y. Lee (também conhecido como Lee Jae-yong), vice-presidente e herdeiro da Samsung, foi sentenciado a dois anos e meio de prisão nesta segunda-feira (18). Esse é o desfecho de uma guerra judicial na Coreia do Sul que teve início há quatro anos. O empresário foi considerado culpado pela prática de suborno.

Jay Y. Lee ao centro (imagem: SeongJoon Cho/Bloomberg)

Jay Y. Lee ao centro (imagem: SeongJoon Cho/Bloomberg)

O anúncio da sentença vem um momento em que a Samsung tenta se livrar de uma vez por todas dos escândalos de corrupção que há anos permeiam a família que controla o conglomerado. O próprio Lee chegou a ser preso em 2017 como consequência do processo, mas foi libertado em fevereiro de 2018.

Na ocasião, Jay Y. Lee havia sido condenado a cinco anos de detenção, mas a Suprema Corte da Coreia do Sul anulou a decisão e determinou um novo julgamento.

A trama é bastante complexa. A prisão do herdeiro da Samsung tem relação com o escândalo de corrupção que, em 2017, levou ao impeachment a então presidente da Coreia do Sul Park Geun-hye.

Em 2018, a ex-presidente foi condenada a 30 de anos de prisão por corrupção e abuso de poder. A defesa conseguiu reduzir a pena para 20 anos e, após essa decisão, continuou com as idas e vindas aos tribunais para diminuir ainda mais a pena.

Não teve jeito: na semana passada, a Suprema Corte da Coreia do Sul confirmou a pena de 20 de anos de prisão para Park Geun-hye.

No caso de Jay Y. Lee, a sentença do novo julgamento foi divulgada hoje. Basicamente, a Suprema Corte da Coreia do Sul considerou o empresário culpado das acusações de usar a sua fortuna para influenciar Park Geun-hye a tomar decisões que atendiam aos interesses da Samsung.

Uma delas teria ajudado o governo coreano a aprovar, em 2015, a conturbada fusão de duas unidades da Samsung (Samsung C&T e Cheil Industries), operação que teria aumentado o controle da família de Jay Y. Lee à frente do conglomerado.

Promotores pediam pena de 12 anos

No final de 2020, durante a audiência, Lee leu um extenso pedido de desculpas, prometeu não repetir os mesmos erros e disse estar decidido a fazer uma “nova Samsung”.

Aparentemente, os esforços da defesa surtiram algum efeito. Os promotores haviam pedido uma sentença de 12 anos de detenção para mostrar que mesmo o homem que controla a empresa mais poderosa da Coreia do Sul não está acima da lei. No fim das contas, o tribunal definiu uma pena de 30 meses.

Mas os problemas de Jay Y. Lee com os tribunais coreanos ainda não terminaram. O empresário também está sendo processado por acusações de fraude e manipulação de ações, por exemplo.

Jay Y. Lee é filho de Lee Kun-hee, que presidiu a Samsung por três décadas e faleceu em outubro de 2020. Diante da prisão, Lee só deverá assumir o controle pleno da empresa após o término de sua pena.

Com informações: Bloomberg.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando