Início » Aplicativos e Software » Mac Mini com M1 agora roda Ubuntu Linux, mas com ressalvas

Mac Mini com M1 agora roda Ubuntu Linux, mas com ressalvas

Uma empresa de nome Corellium conseguiu fazer o Mac Mini com M1 (Apple Silicon) rodar o Ubuntu Linux, mas há limitações

Emerson AlecrimPor

Os novos Macs com Apple Silicon atraíram a atenção de muita gente, inclusive de usuários de Linux. O problema é que esse ecossistema não é compatível com as novas máquinas da Apple. Até agora: uma empresa chamada Corellium conseguiu fazer o Ubuntu rodar em um Mac Mini com chip M1.

Novo Mac Mini com chip M1 (imagem: divulgação/Apple)

Novo Mac Mini com chip M1 (imagem: divulgação/Apple)

A Corellium é uma companhia especializada em virtualização baseada em plataformas ARM. Com essa bagagem, a empresa teve sucesso na missão de fazer a versão do Ubuntu Linux desenvolvida originalmente para Raspberry Pi (também baseada em ARM) rodar em um Mac Mini com chip M1 a partir de um pendrive.

De acordo com Chris Wade, diretor de tecnologia da Corellium, a versão adaptada é “completamente usável” no Mac Mini, ainda que algumas funcionalidades exijam certos truques. A conectividade de rede, por exemplo, só funciona por meio de um adaptador para USB-C.

Versões anteriores do sistema operacional não estavam habilitadas para USB, I2C e DART, por exemplo, mas agora esses recursos são suportados. Por outro lado, o suporte para aceleração por GPU não funciona. Recursos gráficos são executados, mas toda a renderização é baseada em software.

Essa é uma limitação importante. Embora a adaptação do Ubuntu consiga tirar proveito de todos os recursos da CPU em si, a ausência de aceleração gráfica por hardware pode limitar a execução de várias aplicações.

Mac Mini com M1 rodando Ubuntu (imagem: Twitter/Chris Wade)

Mac Mini com M1 rodando Ubuntu (imagem: Twitter/Chris Wade)

De todo modo, essa é apenas uma prévia do projeto. Sem o apoio da Apple, implementar o suporte completo à GPU do chip M1 é um desafio gigantesco, mas há expectativa de que versões futuras ou outros projetos tragam algum avanço nesse sentido.

Desenvolvedores que quiserem contribuir (ou apenas experimentar) o projeto atual podem baixar o código-fonte do sistema operacional no GitHub da Corellium.

Uma curiosidade é que, em novembro de 2020, ninguém menos que Linus Torvalds manifestou interesse em ter um Macbook com M1 rodando Linux, desde que houvesse suporte nativo.

Torvalds sabe que a Apple não tem interesse por isso e que, portanto, uma solução só viria por ação de algum desenvolvedor, mas não ele próprio: “não tenho tempo para mexer nisso, nem estou disposto a lutar contra empresas que não querem colaborar”, declarou na ocasião.

Com informações: Tom’s Hardware.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Orlando Silva (@Orlando_Silva)

Essas limitações estão parecendo hackintosh em notebook, que sempre tem essas duas limitações.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Desperdício é só poder rodar MacOS no M1, falando isso como alguém que tem MacOS como SO preferido há mais de 10 anos.

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Não acho que vai ser o único, já que o Windows 10 ARM roda muito bem nele.

Provavelmente já tinha conversa por de baixo dos panos, mas não vão anunciar nada ainda.

Desperdício é o outro mesmo.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Dos três, o Windows ARM é o mais inútil (de longe) no momento. Para os usos comuns de Linux, já está bem adaptado a ARM, seria bem legal pensando nas futuras workstations da Apple e na adoção já correntes de ARM em servidores.

Windows sem o legado não faz sentido, não vejo motivo nenhum para instalar Windows ARM.

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Ainda bem que o Windows 10 ARM já consegue rodar programa x86-64 agora.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Sim, está ótimo mesmo, com toda essa performance e estabilidade: https://youtu.be/OhESSZIXvCA?t=316

Muito inteligente comprar um MacBook para rodar Windows assim, ao invés de pegar um AMD/Intel.

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

E voltamos para o primeiro post: que desperdício.

E novamente: não acho que o Apple MX vai ficar restrito à Apple e muito provavelmente vai ser, de novo, a dupla macOS e Windows.

Pra quê? Não sei, já não era relevante nem na era Intel, mas aí divago.

Se eu fosse comprar um Mac ARM, seria pra rodar macOS.

No dia que eu quiser rodar Windows ARM, vou comprar um Surface ARM da vida.

No ambiente doméstico, Linux é inútil. Seja pra arm ou x86-64. Por isso: desperdício.

Simples. =)

Gabriel Arruda (@gdarruda)

E novamente: não acho que o Apple MX vai ficar restrito à Apple e muito provavelmente vai ser, de novo, a dupla macOS e Windows.

Pra quê? Não sei, já não era relevante nem na era Intel, mas aí divago.

Uns 10 anos atrás, os concorrentes não tinham concorrente para o MacBook Pro ou Air, o Windows no bootcamp era melhor que no mais caro Dell ou Lenovo. Hoje, não mais, há ótimas opções. Para usar Windows regularmente, acho que é melhor investir em um outro hardware mesmo.

Quem usa Windows no Mac, normalmente é porque é obrigado: rodar aquele Excel cheio de macro, sistema legado da empresa, etc. Nesse cenário, esse Windows ARM tem risco de te deixar na mão, vide a “qualidade” dessa emulação.

Se eu fosse comprar um Mac ARM, seria pra rodar macOS.

No dia que eu quiser rodar Windows ARM, vou comprar um Surface ARM da vida.

No ambiente doméstico, Linux é inútil. Seja pra arm ou x86-64. Por isso: desperdício.

Se tem algo que eu não compraria em contexto nenhum atualmente, é um Surface ARM mas outro assunto haha

Pela minha definição, desperdício é usar o processador com melhor performance/watt do mundo apenas para uso doméstico, que qualquer notebook de 5 anos atende bem. Inclusive, essa era a crítica (válida) ao iPad e iPhone: para que tanta performance, sem poder aproveitar?

É inútil pensando em quem só quer usar o notebook para abrir o navegador, mas obviamente a ideia não é essa do projeto. Verdade que, muito provavelmente, com Docker/VM dá para aproveitar o M1 sem precisar portar o Linux…mas “desperdício” certamente não é como eu definiria.