Início » Brasil » Usando WhatsApp, polícia recupera celulares roubados no RJ

Usando WhatsApp, polícia recupera celulares roubados no RJ

Projeto criado na delegacia de Nova Iguaçu envolve mensagem pelo WhatsApp para quem comprou celular roubado

Victor Hugo SilvaPor

A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou dados sobre a iniciativa que usa o WhatsApp para recuperar celulares roubados. Desde novembro, quando o projeto foi criado, 22 celulares foram devolvidos para seus verdadeiros donos. O número se refere apenas à 52ª DP, em Nova Iguaçu, delegacia onde o programa foi criado e é realizado em fase de testes.

WhatsApp (Imagem: Mika Baumeister/Unsplash)

WhatsApp (Imagem: Mika Baumeister/Unsplash)

Para a Polícia Civil, o número indica que o projeto tem ajudado a conscientizar a população sobre a importância de comprar produtos de forma lícita. A iniciativa envolve a identificação de um celular roubado com a ajuda das operadoras e o contato pelo WhatsApp do novo dono do aparelho solicitando o comparecimento à delegacia.

WhatsApp para recuperar celulares roubados

Pelo WhatsApp, os policiais pedem a visita à delegacia em até 24 horas depois da leitura da mensagem. O comunicado pede ainda a apresentação de nota fiscal ou um documento que confirme a aquisição lícita do celular e lembra que, caso a solicitação não seja atendida, o novo comprador do celular poderá ser condenado pelo crime de receptação.

“Queremos conscientizar a população de que a compra de produto irregular ajuda a financiar o crime”, diz o delegado e criador do projeto, Celso Gustavo Castello Ribeiro. “Aqueles que devolvem o celular roubado ficam inicialmente chateados, mas aliviados por se livrarem de um grande problema. Já as pessoas que recuperam seus aparelhos comemoram bastante, é claro”.

Além de apresentar números sobre a iniciativa, a Polícia Civil alertou que a devolução dos celulares roubados não acontece em locais como praças e shoppings. Para garantir que o aviso é legítimo, a mensagem enviada pelo WhatsApp pede apenas o comparecimento à delegacia.

Em fase de testes em Nova Iguaçu, o programa poderá ser levado para outras regiões do estado caso se mostre eficiente. Segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP), a região atendida pela 52ª DP registrou 401 roubos de celulares entre janeiro e novembro de 2020. No mesmo período, o estado do Rio de Janeiro teve 15.171 registros de roubos de celulares.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Jorge Luis (@Jorge_Luis)

Ótima iniciativa. E pelo que as pessoas falam, já está funcionando em várias delegacias. Comprar celular sem nota de pessoa desconhecida já virou um risco. No site da Anatel pode ser consultado o IMEI para se resguardar.

Diego Batista (@dgobatista)

Não entendi como funciona, como eles entram em contato com as pessoas? as operadoras associam o chip ao MEI?

Daniel Plácido (@Daniel_Placido)

Excelente iniciativa, muitas vezes o produto é de procedência mas o dono não guarda a nota fiscal, quem sabe isso “virando moda” brasileiro passa a ser menos desleixado e guarde a nota dos produtos, se não tiver nota é categorizado como roubado e pronto.

Caio Henrique Galli dos Santos (@chgsantos)

Existe uma lista oficial de IMEIs de celulares roubados.

A operadora tem acesso ao IMEI dos aparelhos que conectam em sua rede, ou seja, acesso ao IMEI dos celulares que estão com chip.

Assim, a Polícia requisita a operadora que repasse o número de telefone que estiver ativo no celular de IMEI roubado e entra em contato com esse número.

Na verdade todo aparelho que use rede tem um número identificador. Em wifi/ethernet existe o MAC Address. Nos celulares existe o IMEI. Existem formas de alterar estes identificadores, mas o bom dessas iniciativas é que dificulta o trabalho do assaltante e do receptador.

Jorge Luis (@Jorge_Luis)

Calma, nem todos tem dinheiro para comprar celular novo ou usado com nota, que não é fácil achar. Primeiro estão educando a população e criando uma cultura virtuosa. Depois pode até se pensar em punição. Com essas notícias muita gente já está pensando duas vezes antes de comprar. Outra, celular da China não vem com nota, não sei se eles aceitam aquele documento deles aqui.

@Comentador

Alterar imei é tão fácil quanto fazer root.

@Comentador

E se a mesma que supostamente compra um telefone roubado não usar essa porcaria de Whatsapp, como é que fica?

Caio Henrique Galli dos Santos (@chgsantos)

Bom, “pesquisas” dizem que o Whatsapp está instalado em 99% dos smartphones no Brasil. Então é improvável.

Monin (@Monin)

Acredito que não seja tão simples assim. A pessoa tem que fazer um boletim de ocorrência, passar o IMEI pra polícia pra depois ser feita a abordagem. Como mesmo disse, nem todo mundo guarda a nota fiscal, e ainda assim, basta voltar na loja onde foi comprado e pedir uma segunda via caso precise provar.