Início » Internet » Facebook promete recomendar menos conteúdo sobre política

Facebook promete recomendar menos conteúdo sobre política

Facebook pretende reduzir a recomendação de conteúdos sobre política na rede social, de acordo com Mark Zuckerberg

Bruno Gall De Blasi Por

O Facebook quer recomendar menos conteúdos sobre política na plataforma. O anúncio parte de Mark Zuckerberg, CEO da rede social, durante o anúncio dos resultados financeiros da empresa no quarto trimestre de 2020 nesta quarta-feira (27).

Site do Facebook no celular (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Site do Facebook no celular (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

A declaração chega com a promessa de reduzir a indicação de posts relacionados à política. Durante o anúncio, Zuckerberg explicou que pretende expandir a experiência iniciada antes das eleições dos Estados Unidos, que parou de recomendar grupos cívicos e políticos no país, ao mundo todo.

“Continuamos a ajustar como isso funciona, mas agora planejamos manter os grupos cívicos e políticos fora das recomendações a longo prazo e expandir isso globalmente”, disse o executivo. “Para ser claro, esta é uma continuação do trabalho que estamos fazendo há algum tempo para diminuir a temperatura e desencorajar conversas e comunidades divisionistas”.

Facebook quer recomendar menos conteúdo sobre política

Nesse sentido, o Facebook está avaliando como reduzir a quantidade de conteúdo político no feed de notícias. Não está claro, porém, como esta alteração no algoritmo seria implementada na rede social: “ainda estamos tentando descobrir exatamente a melhor maneira de fazer isso”, afirmou Zuckerberg durante o anúncio dos resultados.

Ainda de acordo com o CEO da companhia, isto não significa o fim das participações em grupos e discussões políticas. Para o executivo, estas interações podem ser importantes para a organização de movimentos, falar sobre injustiças e até mesmo “aprender com pessoas com diferentes perspectivas”.

“Mas um dos principais comentários que estamos ouvindo de nossa comunidade agora é que as pessoas não querem que a política e a luta se apoderem de sua experiência em nossos serviços”, explicou aos investidores da rede social.

Com informações: Engadget e Mashable

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando