Início » Antivírus e Segurança » OAB cobra investigação da ANPD sobre vazamento de 220 milhões de CPFs

OAB cobra investigação da ANPD sobre vazamento de 220 milhões de CPFs

OAB Nacional quer investigação sobre vazamento que expôs 223 milhões de CPFs; ANPD promete medidas previstas na LGPD

Felipe Ventura Por

A ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) deve começar as atividades com um grande trabalho pela frente: descobrir quem é o responsável pelo vazamento que expôs 223 milhões de CPFs e 40 milhões de CNPJs. A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) Nacional está cobrando que a entidade faça uma investigação sobre o caso.

OAB Nacional (Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

OAB Nacional (Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Por enquanto, a ANPD diz que está “apurando tecnicamente informações sobre o caso” para descobrir a origem do vazamento, como ele ocorreu e os possíveis danos que venha a causar. Feito isto, ela vai sugerir as medidas cabíveis previstas na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais).

Esse posicionamento só foi divulgado na última quarta-feira (27), enquanto informações sobre o vazamento já circulavam desde a semana passada. O Tecnoblog revelou com exclusividade que o arquivo inclui foto de rosto, endereço, telefone, e-mail, score de crédito, salário, entre outros.

OAB cobra investigação da ANPD

Parece que a OAB quer uma resposta mais ágil. O documento é endereçado ao presidente da ANPD, Waldemar Gonçalves Ortunho Júnior, e manifesta preocupação com “supostos vazamentos de dados pessoais de mais de 220 milhões de brasileiros, número que chega a superar a população do Brasil”.

A LGPD exige que empresas e órgãos públicos tratem os dados pessoais seguindo padrões elevados e rigorosos de proteção e segurança da informação. Ela também estabelece que essas entidades são responsáveis pelo tratamento irregular dos dados, e do dano causado a seus titulares.

A ANPD só poderá aplicar multas a partir de agosto de 2021. No entanto, a OAB lembra que “existem condições legais, administrativas e morais para que esse respeitável órgão adote providências cabíveis quanto ao episódio”. No ano passado, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que a privacidade é um direito fundamental garantido pela Constituição.

Os trabalhos da ANPD ainda estão começando: só no início de janeiro que a autoridade definiu os cargos para analisar casos referentes à LGPD. No documento, a OAB diz que “se solidariza e reconhece as dificuldades estruturais” do órgão.

Porém, a entidade que representa advogados de todo o país lembra que “a lei está vigente e o fato é de gravidade ímpar na história brasileira”. Para ela, “é em momentos de grave crise que as instituições devem ser testadas e corresponder ao que delas se espera”.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando