Início » Negócios » Xiaomi processa governo dos EUA e nega ser empresa militar da China

Xiaomi processa governo dos EUA e nega ser empresa militar da China

Xiaomi abre processo contra o governo dos Estados Unidos após ser incluída na lista de "empresas militares comunistas chinesas"

Bruno Gall De BlasiPor

A Xiaomi anunciou, neste domingo (31), a abertura de um processo contra o governo dos Estados Unidos. A ação judicial é uma reação da fabricante de celulares das linhas Mi, Poco e Redmi após ser incluída na lista de “empresas militares comunistas chinesas”.

Loja Xiaomi (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Loja Xiaomi (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

O processo foi aberto nesta sexta-feira (29) na corte do Distrito de Colúmbia, onde fica a capital Washington, contra os Departamentos de Defesa e de Tesouro do governo americano. Em comunicado, a companhia explica que a decisão de incluir a fabricante na lista “foi factualmente incorreta e privou a empresa de devido processo legal”.

Xiaomi nega ser “empresa militar comunista chinesa”

A abertura do processo acontece após o Departamento de Defesa anunciar a inclusão de nove companhias à lista de “empresas militares comunistas chinesas” no último dia 14. Além da Xiaomi, a relação ainda teve o acréscimo da companhia de aviação Comac.

“O Departamento de Defesa divulgou os nomes de ‘empresas militares comunistas chinesas’ adicionais que operam direta ou indiretamente nos Estados Unidos, de acordo com a exigência estatutária da Seção 1237 da Lei de Autorização de Defesa Nacional para o ano fiscal de 1999, conforme alterada”, anunciaram em comunicado à imprensa.

Em resposta, na época, a Xiaomi negou as acusações ao afirmar que não é de “propriedade, controlada ou afiliada ao exército chinês”. A fabricante também disse que não é uma “empresa militar comunista chinesa” e que tomaria “as medidas adequadas para proteger os interesses da empresa e de suas partes interessadas”.

Vale lembrar que a fabricante de celulares, pulseiras fitness como a Mi Band e demais tipos de produtos não está na mesma lista da qual a Huawei faz parte devido ao atrito entre a companhia e o governo dos Estados Unidos. Caso não haja alterações, os investidores terão de alienar suas ações até novembro de 2021.

Com informações: Android Authority e Xiaomi (Blog)

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Lucas Pinheiro (@LucasMiller)

Primeiramente, não adianta a Xiaomi argumentar, pq essas decisões contra ela, assim como foi contra a Huawei, é político-econômicas, e passam longe da segurança, mas estão no âmbito da guerra comercial!!

Como disse em outro post aqui sobre o assunto:

Segundo: quem pode sair perdendo é os EUA, pois com a força de mercado da Xiaomi, se eles imporem restrições assim como fez com a Huawei, serão duas das maiores fabricantes chinesas a apoiar um SO chinês, como o HarmonyOS!!!

Jhonny (@jokalokao)

Pois é, e claramente da pra ver que é uma questão econômica visto que o Biden não fez nada em relação ao assunto.

João M. (@RonDamon)

A vdd é que todos querem diminuir o poder da indústria chinesa no mundo. Nos fóruns e redes sociais os americanos apoiam essas medidas, até a taxação de importações chinesas eles gostaram.