Início » Finanças » Mercados na dark web faturam quase US$ 2 bi em criptomoedas

Mercados na dark web faturam quase US$ 2 bi em criptomoedas

Mercados ilegais na dark web arrecadaram US$ 1,7 bi em 2020; plataforma russa Hydra é responsável por 75% do valor

Bruno Ignacio Por

Através da dark web, mercados ilegais arrecadaram US$ 1,7 bilhão em criptomoedas ao longo do ano de 2020. Uma única plataforma russa chamada Hydra foi responsável por 75% do montante. As informações são da Chainalysis, empresa de pesquisa e segurança cibernética, que publicou um novo relatório nesta última terça-feira (03).

Dark Web (Imagem: Soumil Kumar/Pexels)

Dark Web (Imagem: Soumil Kumar/Pexels)

As diferenças estatísticas entre os anos de 2019 e 2020 foram mínimas em questão de receita. Contudo, o número de compras individuais nesses mercados ilegais chegou a diminuir no ano passado. O destaque do relatório, na realidade, é a descoberta de um mercado russo da dark web, Hydra, como o principal responsável pelas transações.

O que é Hydra?

Trata-se de uma plataforma online ilegal de comercialização originada na Rússia, mas que opera em parte da Europa. Qualquer pessoa pode vender ou comprar através de lojas virtuais facilmente criadas sem regulamentação alguma. Lançada em 2015, a Hydra opera na dark web e muitas de suas transações envolvem criptomoedas pela natureza pseudoanônima que a tecnologia blockchain proporciona.

A Hydra é o esquema mais antigo de comércio na dark web e conta com múltiplas ferramentas para reforçar o anonimato de seus usuários. Mesmo sendo publicamente conhecida, a plataforma opera principalmente facilitando o comércio de produtos ilícitos, como drogas, documentos falsos e outros.

Hydra gera 75% da receita de criptomoedas da dark web

Gráfico de arrecadação em dólares em criptomoedas através de mercados na dark web (Imagem: reprodução/Chainalysis)

Gráfico de arrecadação em bilhões de dólares através de mercados na dark web (Imagem: reprodução/Chainalysis)

Do total de US$ 1,7 bilhão em criptomoedas arrecadados pelo comércio da dark web, o site russo é responsável por 75% do montante. “A Hydra é uma grande impulsionadora do cenário de crimes envolvendo criptoativos na Europa Oriental… que tem uma das maiores taxas de volume de transações de moedas digitais associadas a atividades criminosas”, afirma o relatório dos pesquisadores da Chainalysis.

O documento ainda destaca que a plataforma ilegal é considerada uma das dez principais entidades que enviam valores em criptomoedas prevenientes de comércio ilícitos para a região. “Vemos que quase todo o crescimento da atividade do mercado na dark web que observamos em 2020 pode ser atribuído a uma plataforma específica: Hydra”, conclui.

As atividades são viabilizadas da seguinte maneira: “(Os entregadores) deixam seus pacotes em locais públicos escondidos e afastados… que são então compartilhados com os compradores. Dessa forma, nenhuma troca física é feita e, ao contrário dos mercados tradicionais da dark web, os fornecedores não precisam se arriscar usando o sistema de correios”, explicaram os pesquisadores.

Arrecadação mensal em criptomoedas na dark web com e sem a participação da Hydra (Imagem: reprodução/Chainalysis)

Arrecadação mensal em criptomoedas na dark web com e sem a participação da Hydra (Imagem: reprodução/Chainalysis)

Uso de criptomoedas em crimes cai em 2020

Contudo, de maneira geral, o uso de criptomoedas por criminosos caiu em 2020. Anteriormente, a Chainalysis apontou que foram movimentados cerca de US$ 10 bilhões em criptomoedas provenientes de atividades ilícitas no ano passado, enquanto em 2019 esse volume foi de US$ 21,4 bilhões.

O relatório também aponta que, no cenário global, apenas 0,34% de todo o volume de transações em criptomoedas veio de atividades criminosas em 2020. O novo percentual representa uma grande redução em comparação a 2,1% em 2019. “Crimes relacionados a criptoativos estão caindo e ainda são uma pequena parte da economia geral do mercado de moedas digitais”, concluiu o documento.

Com informações: Decrypt

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
1 usuário participando