Início » Internet » SpaceX, de Elon Musk, inicia pré-venda da internet Starlink

SpaceX, de Elon Musk, inicia pré-venda da internet Starlink

Encomendas não garantem a obtenção do serviço, mas valor pode ser completamente estornado, segundo o site da Starlink

Ana Marques Por

A SpaceX está expandindo os testes públicos do seu serviço de internet via satélite, Starlink, e agora aceita encomendas de possíveis clientes, iniciando pelos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. A pré-venda já está disponível, mas a empresa afirma que algumas regiões terão cobertura a partir de meados de 2021, enquanto outras indicam cobertura em 2022, segundo informações da CNBC.

Satélite Starlink, da SpaceX

Satélite Starlink, da SpaceX (Imagem: Divulgação/SpaceX)

Por curiosidade, eu fiz um teste com o meu endereço aqui do Rio de Janeiro e, de acordo com informações do site oficial da Starlink, a SpaceX planeja oferecer cobertura na minha região até o final deste ano, como é possível observar na imagem abaixo.

O preço cobrado pela assinatura é de US$ 99 – taxa que a empresa afirma ser “completamente reembolsável”, já que o depósito não garante a obtenção do serviço. Segundo a companhia de Elon Musk, os pedidos serão atendidos por ordem de chegada.

Página de captura da Starlink

Página de captura da Starlink (Imagem: Reprodução/Starlink)

O programa beta público da Starlink foi lançado em outubro de 2020, com promessa de conexão de até 150 Mb/s e latência entre 20 ms e 40 ms. Para usar, é necessário adquirir um kit com equipamento (antena e roteador) que custa US$ 499.

Mas os planos de Elon Musk vão bem mais além: o objetivo, a médio prazo, é que a internet da Starlink chegue a 1 Gb/s e, a longo prazo, a impressionantes 10 Gb/s. Atualmente, o serviço conta com 10 mil usuários, mas estima-se que sejam necessários ao menos 3 milhões de assinantes para tornar o negócio lucrativo.

Musk segue otimista, e já disse em diversas oportunidades que planeja fazer IPO da Starlink – mas antes precisa “prever o fluxo de caixa razoavelmente bem”, afirma o CEO da SpaceX.

Com informações: CNBC

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
12 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sérgio (@trovalds)

O Linus Tech Tips soltou vídeos sobre a tecnologia. O primeiro é de um canal do mesmo grupo, que é mais unboxing e testes preliminares.

E um do canal principal que o equipamento é testado na prática. Esse vídeo também explica mais sobre a tecnologia em si.

E tenho a dizer que: se alguém falava sobre “democratizar” a internet mas na prática não fazia muita coisa (Google e Facebook, oi) a Starlink está abrindo essa porta pra valer.

· (@Francisco)
· (@Francisco)

Eu acho que não. A Startlink já teve uma reunião com a Anatel no dia 2 de dezembro e recentemente a Anatel liberou algumas frequências para utilização com satélites. Sem contar que a Startlink abriu 2 CNPJs recentemente, um como Holding e outro para provedor de internet via satélite.

Sérgio (@trovalds)

De onde você tirou que eles vão ser “pequenos”? O @Felipe_Silva já fez um comentário a respeito do possível público-alvo do Starlink. 50 milhões de possíveis clientes SÓ nos EUA.

Jedielson (@Jedielson)

Pega todo o material de divulgação da Starlink, eles estão mirando em oferecer conexão em regiões remotas! Obviamente não é só fazenda, são cidades afastadas, órgãos públicos, navios em alto mar que precisam de comunicação e quem sabe futuramente não lancem uma versão adaptáveis para aeronaves e veículos? Esse é o foco, ela nunca disse que queria competir com empresas nos grandes centros urbanos, até porque recebeu uma bolada do governo dos EUA pra incentivar levar conexão à áreas remotas como parte de um programa de investimento.