Início » Internet » Editor da Wired inglesa diz não ao Facebook

Editor da Wired inglesa diz não ao Facebook

Avatar Por

A Wired, considerada por muitos como a bíblia da tecnologia, é uma revista que de vez em quando se propõe a tentar acertar o futuro — nem sempre consegue, mas futurologia é assim mesmo. Recentemente, no entanto, o editor da edição britânica da publicação decidiu abordar o presente. David Rowan tomou coragem para escrever um artigo no qual diz "não" ao Facebook.

Por sinal, não somente ao Facebook, mas praticamente a todas as redes sociais e ferramentas nesse estilo.

Abaixo você confere os seis motivos enumerados por Rowan para fugir das redes sociais. O artigo completo, em inglês, pode ser lido aqui.

  1. "As empresas privadas não são motivadas pelos melhores interesses". De acordo com Rowan, empresas como Facebook e Google estão interessadas no lucro. Não é por acaso que tornou-se cada vez mais comum discutir a privacidade nas redes sociais, assunto que ainda carece de qualquer regulação governamental.
  2. "Elas tornam difícil reinventar a si mesmo". Uma vez que tudo fica registrado, será cada vez mais difícil tentar mudar de vida. E como todos cometem erros enquanto são jovens, é provável que esses erros estejam para sempre disponíveis a qualquer um.
  3. "Informações que você fornece para um determinado propósito serão invariavelmente usadas para outro...". Com informações cada vez mais disponíveis, o cruzamento de dados permitirá que empresas tomem decisões que antes não seriam possíveis. Isso pode ser usado tanto para o bem como para o mal, claro.
  4. "...e há uma grande chance que [essas informações] sejam usadas contra você". Segundo Rowan, um oponente político ou um concorrente no trabalho poderão expor informações suas fora de contexto, apenas para ganhar vantagem.
  5. "As pessoas bagunçam as coisas e dão mais do que percebem". Ao atualizar o Facebook, muitas pessoas não sabem que esses posts serão publicados na rede e acessíveis a qualquer um.
  6. "Por que nós deveríamos deixar empresas privatizarem nosso discurso social". Para o jornalista, a política de privacidade do Facebook dá à rede social o direito de fazer o que quiser com as informações que os usuários lá publicam.

David Rowan termina seu artigo dizendo "Pode me chamar de careta. Mas essa é uma característica que eu quero compartilhar com meus amigos. Pessoalmente".

Facebook tomou!

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@MarcosOrdonha
Concordo. O próprio usuário deve se policiar, ele que assuma as consequências, mas mesmo assim a política de privacidade do Facebook é discutível.
Hernani
Esse #mimimi é típico e enche o saco
kylefurtado
Redes sociais estão deixando de ser meras formas de entretenimento, as empresas deveriam ver isso. (Aliás, muitas já veem)
@skeletony
Rowan está muito velho, ou está com divida na praça ou os dois. A privacidade não será mesma, ele gostando ou não. Essa mudança de comportamento não tem volta. O máximo que a sociedade vai conseguir, será obrigar os sites das redes sociais colocarem um aviso: Compartilhe com Moderação!
@aleciano
É só não exagerar nas informações que disponibiliza... por exemplo: tem alguns tipos de fotos que eu não coloco no orkut, mesmo que ela não signifique nada, alguém pode ver e achar outra coisa. Precisamos enchergar o limite de privacidade.
@jeffjedi
Todos os argumentos são muito válidos e até sei que ele com certeza escreveu tudo isso depois de assistir ao terceiro episódio da sexta temporada de Futurama (Attack of the Killer App), ainda passa apenas lá fora na Comedy Central. Realmente as possibilidades são inumeras e nós ainda não aprendemos que nossas informações pessoais são extremamente valiosas, somente se as pessoas tiverem essa consciência de que qualquer informação sua pode ser apropriada de forma indevida e que portanto é de extremo valor e merece ser devidamente protegida é que será bem valorizado o quanto essa pessoa compartilha e com quem. Sobre a notícia, futurologia foi boa, e eu sei que é pelo layout padrão do Tecnoblog, mas o TV escreveu "Facebook tomou!" na última linha, e duas linhas abaixo está o botão de curtir do Facebook.
JoseRenan
concordo
Daniel
Os argumentos do Rowan são bastante sensatos.
Arimatheia
"Para o jornalista, a política de privacidade do Facebook dá à rede social o direito de fazer o que quiser com as informações que os usuários lá publicam." Ué? Eles querem censurar ou tem medo da informação orgânica sem a versão oficial das cadeias de notícias? Se o Google anunciasse pesado na Wired eles agridiriam algum dos seus produtos?
Bruno Gall
#ChupaFacebook (em termos), mas tem razão, o problema está nos clientes também.
Turdin
O que ele diz é verdade, e eu concordo completamente. Me lembro de já ter visto inclusive, vários casos de perca de emprego, sequestros, entre outros crimes cometidos por divulgação de mais do que deve em rede sociais.
Arimatheia
Embora a mídia em geral pareça não se importar, as redes sociais se tornaram uma pedra no sapato das grandes distribuidoras de informação. Aquele tcham que era possível dar a uma matéria favorecendo um anunciante ou grupo de interesse não rola na era digital - o povo saca rapidamente. A solução será a assinatura de conteúdos em tablets sem publicidade queiram eles ou não.
@kimvilah
Não há porque, a meu ver, discordar dele. Outro dia um amigo meu me disse a mesma coisa "Informações que você fornece para um determinado propósito serão invariavelmente usadas para outro(...)e há uma grande chance que sejam usadas contra você". Considerando isto, é claro que eu, se tivesse informações que me comprometessem no trabalho as retiraria de lá o quanto antes fosse possível. Ninguém quer se ferrar por bobagens fora de contexto.
Alexandre
Faz todo o sentido. Mas acho que as pessoas de adaptarao e levarao as redes sociais mais como meio de distracao, cientes que qualquer bobagem postada la, pode ser usada contra ou favor.