Início » Finanças » Alguém comprou 20 mil máquinas para minerar bitcoin na Sibéria

Alguém comprou 20 mil máquinas para minerar bitcoin na Sibéria

Centro de processamento de dados de segurança máxima da Rússia comprou 20 mil máquinas de mineração de bitcoin (BTC)

Bruno IgnacioPor

A Rússia recebeu a maior importação de máquinas de mineração de bitcoin (BTC) da história em dezembro de 2020. Foram 20 mil unidades do equipamento comprados sob o valor estimado de US$ 40 a 60 milhões por uma empresa desconhecida na Sibéria. As informações foram reveladas nesta última quarta-feira (10) pelo portal russo Kommersant.

Máquinas mineradoras de criptomoedas (Imagem: Crypto360/Flickr)

Máquinas mineradoras de criptomoedas (Imagem: Crypto360/Flickr)

Conjunto de máquinas tem 70 megawatts de capacidade

Na reportagem, Igor Runets, CEO do data center ButRiver (tipo de empresa de processamento de dados que geralmente extrai criptoativos), explicou que 14 caminhões foram utilizados para entregar 20 mil máquinas de mineração de bitcoin para a região de Irkutsk, da Rússia. Os equipamentos juntos têm 70 MW (megawatts) de capacidade.

As máquinas mineradoras vieram todas da Ásia e se destinaram especificamente para a cidade russa chamada Bratsk. Porém, Runets se recusou a contar mais detalhes sobre o fabricante, os modelos dos equipamentos e sobre quem é o destinatário. O comprador não foi revelado por se tratar de um centro de processamento de dados de alta confidencialidade.

Equipamentos provavelmente são modelos ASICs

Contudo, outro entrevistado pelo Kommersant, Sergey Troshin do data center Six-Nines da Suécia, contou que o mais provável é que se trate de uma encomenda de ASICs modernas de mineração de bitcoin. Esse tipo de máquina é composta por potentes hardwares de processamento de dados e são dedicadas exclusivamente a uma atividade pré-estabelecida no sistema.

Já que o preço de cada uma dessas máquinas gira em torno de US$ 2 a 3 mil, o montante comprado equivale ao menos a US$ 40 milhões em mineradoras de bitcoin. A reportagem afirma que essa importação é a maior compra única de equipamentos do tipo na Rússia de toda a história.

Regulamentação russa não inclui mineração

A legislação russa ainda é muito pouco específica quanto à mineração de criptoativos. Basicamente, as atuais leis não mencionam a atividade, mas as transações em criptomoedas estão sujeitas a diversas regras.

Ouvido pelo Decrypt, Filipp Modnov, o CEO de outro data center industrial chamado LAZM, afirmou que a maioria das grandes empresas russas que operam minerando criptomoedas conseguem conciliar a atividade com as atuais leis do país sobre criptoativos.

“Estamos cientes da estrutura de negócios de nossos colegas, que é semelhante ao nosso. A mineração não implica no recebimento de criptomoedas no território da Federação Russa, portanto, nenhuma licença especial é necessária”, disse Modnov.

“Os clientes e investidores recebem dados processados no exterior enviados a partir de um data center na Rússia”, como uma espécie de exportação de poder de computação, explica. “Da mesma forma, a criptomoeda aparece no exterior também”, conclui. Desta maneira, nenhuma transação de criptomoeda acontece no país.

Com informações: Decrypt

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felipe Insfran (@felipous)

Imagina a conta de luz, menina

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Fiquei pensando nisso, que cidade que tem 70 MW disponível imediatamente pra ti montar uma operação dessas;

Rodrigo Dias (@rodrigodias)

Isso explica um pouco o fato da escassez de placas de vídeo. O pessoal tá comprando pra minerar Bitcoin, além dos eventos de 2020 que ainda pesam.

² (@centauro)

Pelo menos vai poder economizar no aquecimento do quarto. :- P

João M. (@RonDamon)

Não vejo a hora das moedas começarem a adotar o proof of stake, bem superior que o modelo atual que só os grandes conseguem dominar. Sem contar o impacto ambiental. O melhor vai ver as milhões de GPUs sendo vendidas pelos desesperados hehuehuehuehuheu

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Problema é que depois do hardware se pagar só não vai valer a pena se a energia elétrica fica muito cara.