Início » Internet » Vamos elevar o nível do jogo?

Vamos elevar o nível do jogo?

Thiago Mobilon Por

nadaver-probogger-jb

Tenho que dizer que às vezes tenho medo de usar a expressão "blogueiro profissional". Essa label tem sido tão vulgarizada aqui no Brasil nos últimos dois ou três anos, que já nem transmite mais o significado que deveria. E a culpa é de nós mesmos.

Estamos fazendo história aqui, e não no bom sentido. Ainda não entenderam que quando algum gringo metido falar de "blogosfera brasileira" lá fora, ele estará se referindo a nós. Tupiniquins que acham que cheques de programas de afiliados fazem dele um profissional de alguma coisa.

Ser profissional é um estado de espírito. É uma postura ética, crítica, auto-evolução.

Seu adsense rende isso?

Você blogueiro maroto pode cair na modinha e soltar críticas ferozes em cima de líderes políticos. Mas aqui o responsável é você.

Em uma comunidade, cada membro acrescenta (ou subtrai) algo ao grupo. Cada agência espertalhona, cada blogueiro malandrinho, cada brasileiro e o seu já famoso JEITINHO de ser.

Quer ser respeitado como um profissional? Earn it.

Esse termo, aliás, só vai ganhar um significado não-pejorativo na blogosfera brasileira, quando agirmos com postura compatível. E não é rebaixando a velha mídia (que acumula uma quantidade enorme de conhecimentos valiosos) que vamos ganhar alguma coisa. Muito pelo contrário.

Blogs são como sites de conteúdo independentes, mas contam com ferramentas mais robustas. E sites independentes já dão certo no Brasil há vários anos, por que vejo tão poucos blogs se transformando em empresas por aí?

Falta foco? Cultura? Apoio financeiro?

Que tal encarar seu blog como se ele fosse uma loja? Não no sentido de transformá-lo em um brechó virtual, mas de levá-lo a sério da mesma forma que levaria um negócio físico. Se esforce para deixar seu negócio impecável em todos os aspectos. Não é assim que profissionais fazem?

E quem disse que blogueiro bom tem que ser guru de alguma coisa, ou um sujeito intelectual? Eu mesmo nem sou fã de leitura (poisé!).

A expressão "formadores de opinião" faz com que pessoas normais se esforcem demais para parecerem mais inteligentes e visionárias do que realmente são. E o resultado? Excesso de auto-achismo, ego inflado e textos quase sempre vazios e agressivos.

Este post parece genérico e é justamente para apontar um pouco esse amadorismo que domina a comunidade bloguística nacional. Outros blogs já estão fazendo a parte deles por aí, procurando formas de melhorar a cada dia.

A pergunta que fica é: Você. Está fazendo a sua parte?

[Tirinha via Nadaver]

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Miriam de Sales Oliveira
Mobilon,seu texto é ótimo.Sou novata em blogs,mas,procuro manter os meus atualizados e com temas diversificados e de interesse real. Pouco aficionada à tecnologia,pago uma pessoa p/me ajudar na formatação. Meus textos necessitam pesquisas,mas,me valho dos quase 1500 livros da minha biblioteca. Tenho o adsense,mas,nunca ganhei nada com ele,acho q/n/entendo bem como funciona. Se quiser me visitar e dar sua opinião será bemvindo. Outros blogs:www.mirokcaconversafiada.blogspot.com wwwfiatluxblogspotcom.blogspot.com Abraços
Lucia Freitas
Detesto quando perco uma boa discussão como esta, Mobilon. (Raios de feeds acumulados). Profissionalismo há. Eu, você, Bia Kunze e Fugita, por exemplo, somos capazes de indicar bate-pronto, cada um, uma boa dúzia de blogs para lá de profissionais. Eu acredito/pressinto que o que realmente falta é maturidade e pé no chão. Transformar qualquer boa idéia em negócio é um trabalho gigantesco para o qual boa parte das pessoas não está educada, muito menos pronta. Se a gente considerar, na equação, o tal censo da blogosfera, então, aí a história fica mais que explicada. A maioria dos respondentes da pesquisa lá na faixa dos 20 anos. E a história está aí para provar que um brasileiro com esta idade que consegue montar o seu negócio e ser bem sucedido é a exceção. A regra é #FAIL. Ainda bem que errar pode ensinar - quem é inteligente. E um bom case é o próprio Tecnoblog. Lindo artigo. bj
Ceila Santos
Ana, acho que não é louca em acreditar nesse equilibrio não, mas para que ele aconteça é preciso que haja um modelo de negócio que respeite essa ética que vc considera dentro de uma plataforma que originalmente é feita por associações. A questão da propriedade intelectual numa rede "livre" ser o valor do negócio soa estranho, né. Acho que talvez, por isso, há uma crítica em relação ao modelo do post pago. Vincular conteúdo pessoal á uma marca, mesmo que seja explicito, é complicado. E pior não é viável. hoje os modelos de financiamento para pagar o custo do blog são apenas o uso da estratégia de mídia de CULTURA DE MASSA de uma instituição (IMPRENSA) aplicados numa ferramenta cujo volume está na sua disseminação. Por isso, a importância de coletivos, comunidades, nichos que consigam ter consenso para adotar um modelo com principios claros em busca de patrocinios. Ou... usar a ferramenta para sua própria divulgação, comunicação que reverta em outros negócios. enquanto os blogueiros não criam seus próprios modelos, o mercado explora isso....
Alberto Vicente
"Que tal encarar seu blog como se ele fosse uma loja? Não no sentido de transformá-lo em um brechó virtual, mas de levá-lo a sério da mesma forma que levaria um negócio físico. Se esforce para deixar seu negócio impecável em todos os aspectos. Não é assim que profissionais fazem? E quem disse que blogueiro bom tem que ser guru de alguma coisa, ou um sujeito intelectual? Eu mesmo nem sou fã de leitura (poisé!)" Gostei do seu post, Tiago, tanto por não setorializar o problema (ainda que postado no Tecnoblog, não se dirigiu apenas aos "blogueiros tecnológicos"), quanto pelo fato de enfatizar que a prioridade tem que ser mesmo levar a sério o conteúdo, o pensamento, a visão crítica, sem reduzir suas potencialidades em busca do lucropublicitário. Tento fazer um pouco disso no meu incipiente blog: usar o post como forma de articulação individual, porém sem intenção de ser "guru de coisa alguma", muito menos ostentando um discurso intelectualizado e frio. Comecei desfocado, misturando por demais as temáticas, aos poucos tenho tentado encontrar meu caminho, mas não vou ser precipitado para dizer que alguma coisa ali já está consolidada. Não sei se ao dizer que não é "fã de leitura", você quis provocar alguma reação, mas acredito que leitura é fundamental pra qualquer pessoa, blogueira ou não (porque, afinal de contas estamos, quer queiramos ou não, falando mesmo de gente que se articula e articula os outros através da palavra escrita e não há palavra escrita trabalhada se não há leitura, ainda que saibamos que leitura por si mesma não forme escritores!). Ademais, leitura, como se sabe, é para a vida!. Uma coisa é certa: por mais que o blogueiro tenha o interesse voltado para o mercado (publicidade, afiliados, venda de post, etc) ele precisa trabalhar com plena isenção. Blogueiro tem que ser tão responsável com o que publica quanto o jornalista, sem necessáriamente estar preocupado com a notícia em si mesma, a informação, porque se fosse assim, eu ficaria com certeza do lado dos jornalistas profissionais - afinal, também não se fala hoje tanto que os blogueiros profissionais vêm tentando tirar os empregos dos jornalistas profissionais, incluindo-se aí os plenos editorialistas da informação? No fim das contas, a coisa se resume a isso: o que o blogueiro precisa vender não é notícia, é opinião.
Bia Kunze
Ótimo texto, Mobilon! Eu detesto rótulos, mas muita gente parece que nos obriga a ter um. Em nem sei o que eu sou, mas não me considero problogger. Problogger não é quem ganha dinheiro com blog, mas quem vive apenas disso. Ou não? A empresa que abri há pouco tempo não é em função do blog, mas gira em torno dele, que é meu carro-chefe. Tanto que é definida como uma empresa de consultoria e coaching. Além do meu próprio blog, escrevo em outros blogs, sites, revistas, rádio e agora TV e livros. Dou palestras, consultoria e treinamentos. Mas isso tudo é 50%, os outros 50% são a odonto. Estou feliz hoje porque me dedico apenas às minhas grandes paixões, tecnologia móvel e odonto-homecare. O problema é que, no Brasil, acredita-se que ganhar dinheiro é pecado (maldita herança latino-católica), mas quando colocamos o dinheiro num pedestal, nosso trabalho, por melhor que seja, acaba comprometido em termos de qualidade. É aí que precisamos agir com sabedoria, sem deixar que a vaidade derrube nossas virtudes.
Quintino
Thiago, concordo completamente com vc. Fazer um bom blog dá trabalho, consome tempo e não pode ser apenas uma "colação de clipping". Quase não faço publicidade fora do adsense e por que? Porque uma agência tem de pagar o que vale meu trabalho e não só pq vc ganha menos com adsense. Qdo faço uma campanha estou botando a credibilidade e a cara do blog construído com muito suor. E até por isso já recusei algumas campanhas. E, tenho de falar, está para nascer uma boa agência para mídia digital no Brasil e que trate os blogueiros com respeito.
Thiago Mobilon
Seja bem vindo. :-)
Pedro De Conti
vamo que vamo!
EDmundo Fontela Emediato Grieco
Caro Mobilon, Bastante interessante essa bola que você levanta, e quero deixar aqui alguma contribuição para essa reflexão... Mas antes quero dizer que quem fala aqui, pelo menos por enquanto, é um blogueiro amador por convicção, mas nem por isso me considero menos responsável. Sobre a experiência que de fato a mídia tradicional tem muito além dos blogueiros, não diferencia tanto assim, afinal a maior parte do que é produzido em mídia de papel é marrom, como também será na mídia eletronica, e também na virtual. A penetração de cada veículo é que pode ser um sintoma do profissionalismo que cada um tem. Assim será com blogs também. Quem se diferenciar pela qualidade do que produz e pela seriedade que encara o que publica é que fará blogueiros serem respeitados como profissionais, e outros serem encaramos como aventureiros e emitentes de opiniões vazias. É isso que você tem 3538 seguidores, o Luis Nassif tem 6000, o Cris Dias e o Ricardo Noblat tem também milhares, enquanto meu blog tem apenas 5. Eu acho que isso até tem pouco a ver com a possibilidade de o blogueiro se posicionar (como um jornalista da mídia antiga também pode fazer), e as críticas até ácidas que podem ser feitas, podem não retirar do blogueiro a condição do profissionalismo se elas forem emitidas com responsabilidade e bem fundamentadas. Enfim só pra enriquecer a discussão. Passo a seguí-lo doravante, que me parece ser esse blog uma boa fonte.
Alexandre Fugita
Mobilon, é uma crítica boa para o mercado. Gostei! Abraços!
Thássius Veloso
O maior problema que eu enxergo nessa história de blogosfera é a falsa ilusão de que é muito fácil abrir um blog e ganhar dinheiro. Não é! Alguns probloggers podem até dizer que é. Nesse caso, esteja certo: eles estão mentindo. Toda vez que se fala de código de ética para esse meio, os mais radicais começam logo a gritar que é censura, e por aí vai. Mas, pelo contrário, acredito que estamos chegando a um nível de (suposta) maturidade em que um código de ética seria muito bem-vindo.
Gustavo Periard
Evoluir é preciso! Mas enquanto houverem blogueiros que pensam ter o rei na barriga isso será bem difícil. Ultimamente tenho visto cada coisa bizarra na internet que é difícil dar algum crédito para os blogueiros "famosos". É preciso pensar melhor o porquê de blogar e como unir isso aos anúncios, publis etc. Uma coisa depende da outra e não há como negar (só os hipócritas negam!). Gostei do post e penso da mesma forma. Mas com certeza alguma pseudo-celebridade blogosférica vai ler e não vai pensar nada, pois "eles é que mandam no pedaço". Infelizmente a ignorância ainda reina por aqui.=/
Iara Alencar
Voce poderia ter escrito mil caracteres ou em apenas 140. Mas optou por não dizer. Porque não foi direto ao ponto e deu nomes aos bois??? Vai dizer que não tem os bois?? ohhhh!!!!!!! Tá certo...entendo...você teve medo. Então, voce pergunta, quer ser respeitado como um profissional? otimo, mas perguntar nao ajuda, dizer que fazer a diferença também nao faz nada. A arte da escrita é o poder de vender uma ideia, o seu ponto de vista. Precisa mais que um textinho assim, precisa me convencer... (eu não) o "eu" leitor...que pode ser eu ou outra pessoa. (Ahh...você vai se perguntar, quem diachos e essa moiçola que pensa que sabe tudo?? uma trollll?? ohh my god!!vou bani-la!! perguntar faz bem).
Thiago Mobilon
O texto não foi sobre ganhar dinheiro com blogs, e sim sobre ter um produto profissional. O dinheiro deve ser sempre a conseqüência de um bom trabalho, e não o estímulo para trabalhar.
Thiago Mobilon
Oi Ana, Uma das coisas que o pessoal precisa entender é que nós somos responsáveis pelo mercado. Publieditorial não é um modelo sustentável. Para bancar toda a equipe do Tecnoblog com este modelo, precisaríamos de pelo menos uns 15 ou 20 posts por mês. Que blog mantém sua credibilidade com tanto conteúdo patrocinado? Os próprios blogueiros (aqueles que aceitam esses formatos de baixo custo) que são os culpados pela situação atual do mercado. Eles fazem com que agências e anunciantes se acostumem a gastar muito menos em uma campanha em mídias sociais, do que gastam para a mesma campanha em um site convencional.
Exibir mais comentários