Início » Jogos » Xbox Series X e S ganham “truque” para rodar jogos do Xbox One a 60 fps

Xbox Series X e S ganham “truque” para rodar jogos do Xbox One a 60 fps

Mesmo com o foco da Microsoft em travar 60 quadros por segundo, um dos jogos compatíveis roda em 120 fps no Xbox Series S

André FogaçaPor

A Microsoft anunciou na manhã desta quarta-feira (17) uma ferramenta chamada FPS Boost, capaz de fazer games retrocompatíveis e que rodam nos Xbox Series S e X exibirem seus conteúdos em 60 quadros por segundo de forma nativa, basicamente sem a necessidade de novos códigos ou atualizações.

FPS Boost faz jogos rodarem mais rápido nos Xbox Series S e X (Imagem: divulgação/Microsoft)

FPS Boost faz jogos rodarem mais rápido nos Xbox Series S e X (Imagem: divulgação/Microsoft)

Um grande problema para um novo console durante os meses que se passam após seu lançamento, é a pequena quantidade de jogos disponíveis para a plataforma. Tanto o PlayStation 5, como os Xbox Series S e X contam com retrocompatibilidade para trazer games da geração passada para a atual. Mesmo com um hardware novo e muito mais potente, isso não significa que estes games apresentam melhorias significativas – a grande maioria apenas roda.

Aos poucos os desenvolvedores passam a atualizar os jogos, fazendo com que os games entendam que estão em um hardware mais potente e agora podem funcionar ao menos com uma taxa de quadros por segundo mais elevada, mesmo quando a resolução na tela é maior. A Microsoft resolveu dar uma mãozinha para este trabalho e apresentou uma ferramenta que faz mais ou menos isso em jogos retrocompatíveis com os novos Xbox Series S e X – focando nos lançamentos da geração passada, dos Xbox One.

A ferramenta é chamada FPS Boost e a promessa da Microsoft está na facilidade de implementação, não exigindo uma grande atualização do código do game para fazer o título aproveitar melhor o hardware mais potente onde roda naquele momento.

Por mais simples que possa parecer, o ganho de desempenho não é automático para toda a lista de jogos do Xbox One que podem rodar nos novos consoles. Neste primeiro momento a Microsoft anunciou cinco games compatíveis com a nova tecnologia, já funcionando em 60 e até 120 quadros por segundo nos Xbox Series S e X:

  • Far Cry 4;
  • New Super Lucky’s Tale;
  • Sniper Elite 4;
  • UFC 4;
  • Watch Dogs 2.

“Escolhemos esta coleção inicial de títulos não apenas porque são populares entre os fãs, mas para destacar de várias formas como o FPS Boost pode melhorar sua experiência”, diz a Microsoft no comunicado de lançamento. “Por exemplo, New Super Lucky’s Tale pode rodar agora em 120 quadros por segundo e UFC 4 entrega melhorias no framerate específicas para o Xbox Series S, agora em 60 fps,” complementa.

Segundo o canal Digital Foundry, o FPS Boost faz os games antigos trabalharem a API Direct3D de forma mais veloz dentro do console, enquanto o jogo “pensa que está rodando, na verdade, em 30 fps”. Como os componentes são mais potentes, tanto o Xbox Series X como o S podem trafegar as informações com mais velocidade e assim o jogador recebe as informações com o dobro da taxa de frames – até quatro vezes mais rápido, se rodar em 120 fps.

Jogos compatíveis ganham selo nos Xbox Series S e X

Para facilitar a vida dos jogadores que buscam apenas os títulos já prontos para rodar em maior taxa de quadros por segundo, a Microsoft adicionou um novo selo para o jogo com FPS Boost, junto de outro para indicar a presença de HDR automático, nas informações do game.

A empresa também prometeu levar a nova ferramenta para jogos presentes dentro da assinatura do Xbox Game Pass, mas ainda não existe data prevista para a novidade chegar aos games.

Com informações: Microsoft e Ars Technica.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Pericles Cipriano (@Pericles_Cipriano)

Isso deixa a retro do Xbox BEM interessante, tomara que chegue a mais jogos logo.

Dark (@Darkalliance)

Essa nova geração é a mais fraca de todos os tempos.

Não tem jogos!

Meu Deus cara, como que uma nova geração precisa se apoiar na biblioteca da antiga para se manter viva e relevante? Até a Sony teve que se render a retrocompatibilidade, por que se ela não fizesse os donos do PS5 teria uns 3 ou 4 jogos para usar no seu console novo caríssimo, isso é muito pouco.

Ainda bem que não fui na onda do Hype e não gastei uma boa grana para pegar um console de nova geração, quem fez isso pode até negar, mais a verdade é que deve está se doendo por dentro agora, pois deveria ter esperado.

Mickey Sigrist (@Mickey)

Cara, no lançamento de outras gerações o mundo não estava passando por uma pandemia. Isso certamente atrasou muito a vida das desenvolvedoras e de toda a cadeia de distribuição. Quem compra um console no lançamento sabe que logo de cara não vai ter muitos títulos à disposição e esse cenário mundial só agravou isso.

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

Ótima notícia! Eu nunca fui muito apegado a FPS, provavelmente por jogar mais jogos single player, mas é ótimo ver jogos da geracao passada aproveitarem pelo menos um pouco mais do hardware da atual, e sem a necessidade de grandes alteracoes

Daniel Neves (@danielneves)

Mas daí vem a pergunta. Precisava lançar agora então? No contexto que estamos?
PS4 foi muito fraco também… a maioria era multigeração.

Dark (@Darkalliance)

Olha vc vai me desculpar mas isso é balela e uma falácia das grandes, a pandemia atrapalhou muita coisa, e isso é fato. entretanto, nesse caso em especifico não foi bem assim.

Primeiro por que jogos tem um ciclo de desenvolvimento relativamente longo (algo em torno de 4 a 8 anos para AAA bem feitos), olhando por esse aspecto, com a pandemia se intensificando pelo mundo entre os meses de fevereiro e março de 2020, cerca de 8 meses antes do lançamento dos consoles , nesse momento “se” existisse mais jogos para ser lançado no lançamento eles já deveriam está nos seus ciclos finais de desenvolvimento, devidamente anunciados e até algo apresentado ao publico.

Logicamente a pandemia atrasou muita coisa nos meses que precederam aos lançamento dos consoles, mas se tivesse mais jogos esperados para eles, seria perfeitamente normal a publisher anunciar um adiamento do jogo devido as circunstancias, mas não foi o que ocorreu. E as que fizeram, nenhuma era voltada para nova geração, vide que a CD adiou Cyberpunk 2077 varias vezes, mais este sempre foi anunciado como jogo para a geração passada.

Enfim não tem desculpa, a verdade é que esses lançamentos foram pifios, e mesmo que não houvesse pandemia ainda assim seria vergonhoso e duvido que seria muito diferente do que foi.

A Microsoft teve que recuar com seu único exclusivo de peso (Halo), não por conta da pandemia e sim por que estava tudo cagado e a comunidade caiu matando. A Sony para não ficar tão feio um lançamento de um console com um Remake e um DLC (já que ela é a casa dos exclusivos), decidiu dar um jogo demo de graça (Astro Playroom).

Não importa que ótica vc enxergue ou tente justificar, mais esses foram os lançamentos mais pífios da historia dos videogames, um investimento altíssimo para pouco retorno… Mais velocidade, controle diferenciado e outras frescuras que não vale de nada quando se aproveita jogos da geração passada, que poderia ser jogados da mesma forma nos consoles antigos que custam uma fração desses elefantes brancos ai que chama de videogames.