Início » Computador » Nvidia promete não deixar placas de vídeo mais lentas para minerar criptomoeda

Nvidia promete não deixar placas de vídeo mais lentas para minerar criptomoeda

A Nvidia promete que a solução para fazer a RTX 3060 menos eficiente em mineração só afeta este uso da placa gráfica no PC

André FogaçaPor

Depois de afirmar que a Nvidia diminuiria parte da capacidade de algumas placas gráficas para atrapalhar os planos dos mineradores de criptomoedas, a própria empresa voltou atrás e desistiu de fazer a RTX 3060 ser menos forte. Tudo isso acontece em meio ao próprio lançamento da GPU, que não aparece em muitas prateleiras e viu seu preço disparar.

Placa de vídeo NVIDIA GeForce RTX 3060 (Imagem: Divulgação/NVIDIA)

Placa de vídeo NVIDIA GeForce RTX 3060 (Imagem: Divulgação/NVIDIA)

Uma solução encontrada para desencorajar os mineradores foi criar um driver para que a RTX 3060 perdesse ao menos 50% da eficiência para minerar o ether (também conhecida como Ethereum), com ajuda de um software de detecção para identificar se o usuário está realmente em um game e precisa de todo poder de fogo do periférico, ou então está utilizando a placa extração da moeda.

O alvo está marcado no ether por conta desta criptomoeda ser a mais forte do mercado que ainda permite a mineração com ajuda de uma placa gráfica. O problema da solução, soando como uma maravilha para os jogadores, é que fica a dúvida se o driver será capaz de identificar a diferença entre a mineração de fato e o uso da GPU para outro fim, como renderizar um vídeo no editor ou qualquer outra tarefa pesada e que permanece ativa por bastante tempo.

Nvidia sabe diferenciar mineração de outros usos da GPU

A empresa jura de pés juntos que “não há impacto em outras aplicações”, ao menos é o que garante Bryan Del Rizzo, gerente de relações públicas para a divisão GeForce, dentro da Nvidia. O executivo vai além, dizendo que “existe uma cooperação entre o driver, o silício da RTX 3060 e o firmware na BIOS para prevenir a remoção do limitador,” o que pode ajudar ainda mais na queda do interesse destas pessoas pela placa gráfica, além de ajudar o público gamer.

Se você é uma dessas pessoas que precisa bastante de uma GPU para fazer a criptomoeda andar, ainda existe a alternativa para com a linha Nvidia CMP, ou Cryptocurrency Mining Processor. Elas são versões das placas com outro esquema no processador interno, sem saídas gráficas e que custam menos.

Estes modelos de placas já existiam e voltarão para a linha de produção. Ainda não está claro se estas placas utilizarão uma versão alterada dos núcleos RT, ou se virão equipadas com processadores de modelos mais antigos. Também fica a dúvida se ocupar a fábrica com mais uma placa não vai atrapalhar a produção das outras RTX 3060 que passam logo ao lado – principalmente em um momento de menor produção de semicondutores.

Ao The Verge, a Nvidia também promete que “os chips usados para as CMPs não atendem às especificações da GeForce e não afetam a capacidade ou disponibilidade geral das GeForce”.

Fiquem de olho para os próximos capítulos dessa novela.

Com informações: The Verge.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

João M. (@RonDamon)

Azedou pro povo de MG.

Victor Braga (@victorbraga)

Acho que o título está confuso, pois a matéria mostra que as placas vão ficar mais lentas para minerar sim (e apenas para isso). O subtítulo resume bem melhor a matéria, poderia tentar resumi-lo e colocar no lugar do título.

No mais, acho que podia adotar essa alteração para todas as placas, mesmo que só consiga afetar as placas fabricadas a partir de agora.

E ainda acho que o preço das placas de mineração podia ser mais alto que das tradicionais, já que os mineradores se preocupam mais em quanto tempo vão recuperar o investimento. Nvidia lucra mais por placa de mineração vendendo menos quantidade e deixa “mais fábrica” disponível pras GPUs tradicionais.

Thiago Xavier (@thiagolead)

O título está confuso realmente, já que a Nvidia vai d eixar as placas mais lentas para mineirar.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

A Nvidia está fazendo isso para quebrar a revenda de GPUs usadas para mineração, tinha muitas placas baratas e usadas disponíveis depois do primeira onda de mineração. Isso impactou as vendas das novas gerações já que valia a pena simplesmente pegar uma usada no Ebay.

Eles só aproveitaram para fazer um marketing, na prática essas CMPs são as mesmas placas GeForce. Vai continuar faltando, provavelmente piorar, já que as fábricas continuam a mesma e eles agora serão usadas para produzir CMP e GeForce: uma CMP produzida significa uma GeForce a menos.

Sérgio (@trovalds)

O Linus Tech Tips soltou um vídeo no domingo falando a respeito do assunto e levantou algumas coisas sobre esse caso da nVidia. Aliás o título é deveras um tapa na cara: " NVIDIA pretends to care about gamers". Em tradução livre: nVidia finge se importar com os gamers. Se você entende inglês vale assistir.

Victor Braga (@victorbraga)

É, realmente não tinha pensado nesse efeito no mercado de usados. Agora também vi o vídeo do Linus.

Mas ainda acho difícil a NVIDIA abandonar uma chance de lucrar mais com esse mercado (solução do Linus).

Placas profissionais como as Quadro ainda podem ser usadas pra jogar (mesmo não valendo a pena). Se ela fizesse as CMP com saída de vídeo e performance pra jogos, daí era tranquilo pra comprar usada quando acabar a onda da mineração.

Acho que isso demonstra a necessidade das empresas a se responsabilizarem pelo lixo eletrônico que geram. Imagino que a NVIDIA teria outra atitude se soubesse que vai receber toneladas de placas CMP obsoletas em alguns anos.

@ksio89

Excelente comentário do Linus, ele foi cirúrgico nas críticas. Não passa de marketing da Nvidia, uma jogada pra atrapalhar a revenda de placas de vídeo usadas. Não tinha me atentado pra dimensão do impacto ambiental quando a bolha da mineração estourar de novo e essas plataformas específicas virarem lixo porque não tem revenda.

Sérgio (@trovalds)

E isso leva à pergunta: a nVidia é capaz de suprir a demanda mas tá controlando pra não ter prejuízo futuro quando o mercado de usados começar a ser inundado OU vai tirar ainda mais oferta do mercado gamer em favor do mercado de mineração pra (usando as palavras do Linus) “fingir se importar com os gamers”?

O que sobra nisso tudo é que quem está se ferrando é o consumidor final. No topo da cadeia, a nVidia continua ganhando dinheiro. Poderia ganhar mais hoje e perder amanhã mas prefere controlar o mercado de forma artificial pra evitar isso e manter uma certa estabilidade de previsão de faturamento futuro.

E o pior disso tudo é saber que a mineração de Ethereum (criptomoeda) vai sofrer uma mudança pra melhorar o rendimento (produzir mais com o mesmo hardware). Apesar de dizerem que podem “controlar” a mineração e até mesmo segurá-la. Enfim, futuro do mercado pc gamer é uma incógnita. E a previsão é piorar ainda mais.

@ksio89

Eu acho que se a mineração não der trégua a longo prazo, vai ser o fim do PC gamer. Eu não vejo essa situação se sustentar pra sempre, o consumidor vai cansar dessa palhaçada ou migrar pros consoles. Aí se a bolha estourar de novo, quero ver pra quem Nvidia e AMD vão vender placa de vídeo.

Eu mesmo já paguei caro em uma GPU em dezembro, até o máximo do que considerei pagável, com os preços de hoje simplesmente desistiria e arrumaria outro hobby. Essa praga de mineração vai matar o PC como plataforma de jogos, alguma coisa tem que ser feita. No Brasil já não considero mais, mercado tá completamente morto, assim como a política e a economia.

Victor Braga (@victorbraga)

Não sei se as criptomoedas duram muito tempo só nessa onda de minerar, guardar e fazer trade. Tá faltando a parte mais importante: realmente usar e trocar por produtos e serviços (acho que é o objetivo de uma moeda né).
Mas tô longe de ser especialista pra prever isso.

@ksio89

Infelizmente o objetivo é só especular mesmo, já que não tem liquidez como moeda legal. No dia que toda loja, mesmo que somente online, aceitar criptomoeda, aí eu boto fé em Bitcoin e afins.