Início » Jogos » DualSense do PS5 sofre com drift devido a estes 4 motivos

DualSense do PS5 sofre com drift devido a estes 4 motivos

Problema causador do drift no DualSense pode nascer em falhas do potenciômetro que fica abaixo de cada analógico do controle

André FogaçaPor

Enquanto a Sony enfrenta problemas com o controle DualSense do PlayStation 5, o site iFixit abriu o gadget e encontrou o que vem causando o problema de drift. Ao todo são quatro motivos importantes que podem trabalhar em conjunto, ou não, para fazer o game acreditar na suposta direção apontada pelo analógico.

DualSense do PlayStation 5 (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

DualSense do PlayStation 5 (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Pouco tempo depois do lançamento do PlayStation 5, usuários do console da Sony começaram a perceber que o controle DualSense apresentava um problema muito semelhante ao dos Joy-Cons do Nintendo Switch: drift. Em ambos os consoles o analógico (parte que não são os botões tradicionais) falha e faz o game acreditar que um comando continua sendo aplicado, mesmo depois do dedo já estar distante do controle.

Problema do DualSense não é raro nem na concorrência

Alguns jogadores conseguem resolver o problema com ajuda da assistência técnica e sem custos, enquanto outros resolveram processar a marca. No meio dessa briga, o pessoal do iFixit resolveu abrir o controle para encontrar os prováveis culpados e anotou quatro suspeitos. Todos são comuns para este tipo de controle, como no caso do Nintendo Switch.

O primeiro deles é o próprio mecanismo utilizado pelos analógicos para entender qual é a posição do dedo do jogador. Funciona assim: dentro do controle, logo abaixo de cada analógico, estão dois potenciômetros que utilizam um formato quase redondo para dizer quão para cima ou para baixo o dedo está apontando. Junte a informação dos dois ao mesmo tempo e você também tem os dados sobre as diagonais em todas as direções.

O potenciômetro funciona com uma corrente cruzando uma espécie de fita, conectada em dois terminais em suas pontas e com outro terminal no meio. Este componente central é a parte móvel e os outros dois nos limites tomam nota da resistência identificada. Como toda parte móvel é um ponto de fragilidade em qualquer estrutura, é nela que este primeiro motivo é encontrado: com a fricção feita naturalmente pelo uso, depois de algum tempo a “fita” pode ficar apresentar danos – riscar.

Outro detalhe que pode ajudar no problema faz parte do segundo motivo e é a mola responsável pelo analógico voltar ao seu ponto inicial (bem no meio). Com o uso e também ao longo do tempo, ela vai perdendo a capacidade de retornar exatamente para o mesmo local, criando uma posição de início diferente da configurada na fábrica – mais para um dos lados, tornando a leitura equivocada nos terminais.

Os terminais entendem este novo ponto inicial como se o dedo ainda estivesse movendo o analógico. O terceiro motivo é a entrada de algum material do próprio mecanismo de movimento, dentro desta “fita” do potenciômetro. A inserção pode ser de partes da borracha ou do plástico do entorno.

O quarto e último motivo é parecido com o terceiro, mas é voltado apenas ao usuário: sujeira. Sabe aquele pedaço de salgadinho que você está comendo, você viu caindo e não encontra mais? Então, ele pode ser fino o suficiente para entrar no potenciômetro e atrapalhar a leitura da resistência. Precisa de muito descuido (e azar) do usuário para apontar este motivo, mas não é bom deixar de lado – tem jogador que insere cartões e até tazos no leitor de Blu-ray de alguns consoles, sabe.

É possível encontrar solução para o DualSense

Se você mora em algum local distante de qualquer assistência técnica, é possível encontrar soluções para o problema. Trocar o potenciômetro ou limpar seus contatos pode solucionar a falha que não envolve a mola do analógico. No Nintendo Switch é possível até mesmo criar um novo ponto central para o analógico, resolvendo temporariamente o drift.

Calibragem dos Joy-Cons do Nintendo Switch (imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Calibragem dos Joy-Cons do Nintendo Switch (imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Em ambos os casos o melhor é chamar a fabricante, que troca o controle até mesmo no Brasil.

Com informações: iFixit.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gigo CAP (@GigoCAP)

Tomara que não dê zica. Mas fui felizardo tanto no DS4 quanto no Dualsense. Até agora meus controles tão zero bala.

Em compensação o controle do Xbox, tive que mandar o meu pra garantia justamente quando não tinha controle no país…

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Isso q é má sorte, pqp

Eu tive um ligeiro drift jogando valhalla, mas como é jogo da ubisoft eu não sabia se era culpa do controle ou do jogo kkkkk

Jedielson (@Jedielson)

Mermão, tem nem 4 meses que lançou o console. Baita zika ein? O do meu Xbox One S levou quase 3 anos pra dar drift.

João M. (@RonDamon)

O mais legal desse controle é ele durar apenas 400 e poucas horas, controle xing ling anda durando mais.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

A peça usada no analógico do DualSense é exatamente a mesma utilizada nos controles dos outros consoles, todos eles são suscetíveis a ter problemas de drift após as 400 horas de uso estimadas pelo iFixit…

João M. (@RonDamon)

Quais? Tem gente usando controle de Xbox, até aqueles Gamesir da China por quase uma década e sem problemas.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Recomendo ler o artigo original do iFixit:

Tempting as it may be to blame Alps for the PS5’s drifting issues, they probably aren’t the villain of this story—because, brand name notwithstanding, this joystick module looks extremely familiar. You may already recognize it from the prior-gen PlayStation’s controller, the DualShock 4. Or from the Xbox One controllers. Maybe the Nintendo Switch Pro controller. Or, somewhat confusingly, the $180 Xbox One Elite controller. Underneath that plastic cap, the dirty secret is that they all use the same joystick hardware.

Marcelo Juliani (@mjuliani)

Eu tive drift nos dois analógicos, mas era intermitente, troquei na garantia, sorte que eu já tinha outro, demorou umas 3 semanas pra trocarem.
Vamos ver quanto tempo dura agora.

João M. (@RonDamon)

Então esse hardware ai teve algum downgrade pro PS5, pq aqueles lá duravam bem mais. Inclusive, meus dois DS4 nunca deram problema e eu usava muito eles, o único problema crônico deles eram aqueles L2 e R2 que quebravam o encaixe.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Eu já tive uma experiência bem diferente. Comprei um DualShock 4 novo, com nota fiscal e garantia, e o mesmo teve que ser trocado 3 vezes na assistência técnica antes de eu receber uma unidade que não apresentasse problemas de drift em menos de duas semanas de uso.

Tá pra completar dois anos desde a última troca e desde então não tive mais problemas, mas foram tantas idas na assistência que ficou o receio do drift aparecer literalmente a qualquer momento…

João M. (@RonDamon)

Se vc olhar em canais no youtube de pessoas que consertam consoles, de uns 100 DS4 nem 5 tem drift. Tipo o canal Tronicsfix. Bem menos grave q o caso do DS5.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

E…? A peça do analógico continua sendo exatamente a mesma em todos os controles citados, logo todos eles tem as mesmas chances de apresentar problemas de drift. Só porque você não teve problemas não quer dizer que outros usuários também não terão.

João M. (@RonDamon)

Mas no teste do iFixit ele disse que o controle do PS5 dura 400h, então praticamente todos os controles do PS4 estariam com problemas…

De qlqr forma a Sony q se vire pra arrumar, não é meu trabalho haahhuahuahau

E o sample do canal q eu disse vale sim, ele conserta milhares de controles do PS4 e nem lembro algum q teve drift.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Não, o que o iFixit disse foi que a fabricante da peça garante que cada potenciômetro sobrevive por pelo menos 2 milhões de rotações, nos testes que fizeram chegaram à conclusão de que esse número seria atingido após aproximadamente 417 horas de uso do controle.

Isso não significa necessariamente que o analógico sofrerá com drift ao chegar nesse ponto: a peça poderá falhar antes disso ou continuará funcionando normalmente por muito mais tempo. Também ressaltaram que nada dura para sempre, e que os potenciômetros do analógico não são exceção…