Início » Jogos » Remakes de Pokémon Diamond e Pearl são confirmados no Switch

Remakes de Pokémon Diamond e Pearl são confirmados no Switch

Brilliant Diamond e Shining Pearl chegam ainda em 2021 para o Nintendo Switch; remakes se referem às versões de DS, de 2006

Lucas LimaPor

A The Pokémon Company revelou nessa sexta-feira, 26, os remakes de Pokémon Diamond & Pearl, da região de Sinnoh, quais foram originalmente lançados para o Nintendo DS, em 2006. Brilliant Diamond & Shining Pearl chegam ainda em 2021 para o Nintendo Switch, sem data definida.

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Apesar de não ter uma data específica para os lançamentos, é esperado que chegue apenas no segundo semestre, como foi com Pokémon Let’s Go Eevee & Let’s Go Pikachu e Sword & Shield. O game está sendo desenvolvido pela ILCA, Inc., mesmo estúdio responsável pela produção do Pokémon Home, e com direção de Yuichi Ueda, da ILCA, e Junichi Masuda, da Game Freak.

Já havia muita especulação a respeito do remake de Sinnoh, justamente pela ordem que a The Pokémon Company planeja os relançamentos (o último sendo Omega Ruby e Alpha Sapphire, da região de Hoenn). Brilliant Diamond e Shinning Pearl se limitam à quarta geração de Pokémon, com os iniciais Piplup, Chimchar e Turtwig. É também nessa geração que os lendários do trio da criação são introduzidos: Dialga, Palkia e Giratina.

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl (Imagem: Divulgação/The Pokémon Company)

Além dos oito ginásios já esperados de qualquer jogo tradicional de Pokémon, a história que acompanha a quarta geração é repleta de mitologia. Em Sinnoh, o protagonista também é responsável por impedir os planos de dominação do Team Galactic, grupo que aprisiona Dialga, lendário que controla o tempo, ou Palkia, Pokémon que pode distorcer o espaço. O jogador precisa derrotar os lendários para restaurar a ordem em Sinnoh.

Pokémon Legends: Arceus

Durante o evento Pokémon Presents, a The Pokémon Company também anunciou o novo jogo de mundo aberto da franquia, Pokémon Legends: Arceus. Ainda se passando na região de Sinnoh, a ambientação é feita em um “Japão feudal”, sem muitas tecnologias e desenvolvimentos industriais: tudo ocorre nos arredores de uma vila.

Previsto para 2022, Pokémon Legends: Arceus trará uma mecânica semelhante a Pokémon Let’s Go para captura, com o arremesso da Pokébola, mas sem fechar o cenário como nos jogos tradicionais. Ainda haverá batalhas e, para isso, o jogador começará com um dos três inciais: Rowlet, Cyndaquil e Oshawott — sim, há uma mistura de gerações dessa vez.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Pika das Galaxias (@PikaDasGalaxias)

O que dizer… p mim é o mais feio depois dos games de gamecube, esse 3D complicado, esperava algo semelhante ao ultimo, ou no mínimo OR & AS.

Anderson Antonio Santos Costa (@Anderson_Antonio_San)

Pior dentre os remakes dentre os que a Game Freak fez. Tem cara de ser um remaster com um 3D Chibi demais onde só mudou a engine de batalha.
A Game Freak poderia dar um tratamento melhor do que esse para Pokémon Diamond e Pearl.

Edgar (@edgar)

Muito feio esse remake - e não é por ser chibi. Link’s Awakening é chibi, mas é um art style muito lindo. Espero que melhorem muito até o lançamento no fim do ano.

Eu nunca joguei Diamong/Pearl e estava esperando esse pra jogar, mas pelo visto vou jogar o original no 2DS.

Edgar (@edgar)

Não te interessou o Legends? Achei promissor, mas sendo GameFreak tem que ficar com os pés no chão.

Pika das Galaxias (@PikaDasGalaxias)

A ideia é excelente, mas estão focando em gráficos realistas e dark demais esperava algo puxado p anime, claro e vivo, belo como o Zelda Breath of the Wild, acho que eles podem fazer muito mas estão fazendo pouco demais.