Início » Telecomunicações » TIM irá desligar algumas antenas após compra da Oi

TIM irá desligar algumas antenas após compra da Oi

Operadora deve desativar antenas que estão nos mesmos locais; TIM descarta frequência de 2,3 GHz do leilão da Anatel

Lucas BragaPor

A TIM divulgou o plano estratégico para o triênio 2021-2023, e a operadora afirmou que pretende desligar algumas das antenas de celular que serão incorporadas após a aquisição da Oi Móvel. A companhia também descartou a possibilidade de compra da frequência de 2,3 GHz que será licitada pela Anatel no leilão do 5G.

Loja da TIM Brasil

TIM deverá desativar algumas antenas da Oi Móvel (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

A informação foi revelada por Leonardo Capdeville, diretor de tecnologia da TIM. Ele afirmou que as infraestruturas herdadas da Oi que estiverem muito próximas das antenas existentes da TIM serão desligadas, de forma a reduzir os custos.

Se a compra da Oi Móvel for aprovada pela Anatel e Cade, a TIM irá receber 7,2 mil sites com antenas de celular da Oi Móvel. A companhia estima que cerca de 60% dessa infraestrutura se encontra na mesma torre ou em localização muito próxima. As antenas da Oi serão preservadas nos locais onde não há convergência, o que deve ampliar a cobertura em algumas regiões.

Leonardo Capdeville, CTIO da TIM Brasil (foto por Ismar Ingber)

Leonardo Capdeville, diretor de tecnologia da TIM (Imagem: Ismar Ingber/Divulgação)

TIM se diz pronta para receber clientes da Oi

Com a compra da Oi Móvel, a TIM irá receber cerca de 14,5 milhões de novos clientes na sua rede. 40% desses chips se encontram na categoria de planos pós-pagos, que gastam mais com planos de celular e geram mais receita para a operadora.

Com o posicionamento de que está pronta para receber os novos clientes, a TIM estima que o processo de transição dure em torno de 12 meses após a liberação do negócio pelos órgãos responsáveis.

TIM detalha ativos que receberá da Oi Móvel (Imagem: Reprodução)

Para a transição, a TIM afirma que as bandas de espectro adquiridas serão um dos primeiros ativos a serem incorporados, e os clientes da Oi poderão fazer roaming na operadora italiana antes da incorporação completa.

TIM não quer frequência de 2,3 GHz do leilão do 5G

Outro detalhe relevante informado durante a divulgação do plano estratégico é que a TIM não pretende arrematar a faixa de 2,3 GHz no leilão da Anatel. A operadora deve focar nas frequências de 3,5 GHz e 26 GHz.

A Anatel irá licitar apenas dois blocos na frequência de 2,3 GHz: um nacional, com 50 MHz de capacidade, e outro de 40 MHz, regionalizado. A ausência da TIM deixa a disputa por esse espectro mais confortável para as outras operadoras.

Aqui vale lembrar que a compra da faixa de 2,3 GHz é incerta para as grandes teles, já que a Anatel estabelece que uma operadora tenha no máximo 172,5 MHz de capacidade entre as faixas de 1 GHz a 3 GHz:

  • a Claro já possui 150 MHz de espectro em algumas regiões e fica impedida de dar o lance;
  • a Vivo também irá absorver espectro da Oi Móvel e pode ultrapassar o limite em algumas localidades.

Além das faixas de 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz, a Anatel também irá leiloar as sobras da frequência de 700 MHz. No entanto, o edital também impede que Claro, TIM e Vivo adquiram essa capacidade. Sendo assim, apenas uma nova operadora poderia arrematar essa licença.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gustavo D (@gustavosd)

Como será feita a divisão dos clientes entre as operadoras? Isso já foi definido? Tenho um pós da Oi e queria muito saber pra qual operadora meu número deve ir pra planejar alguma decisão.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Eu queria entender melhor como funciona esse fatiamento do espectro. Não poderiam simplesmente determinar um número maior de frequências a serem contempladas pelas teles, já que estão sobrando ?

Existe algum fator técnico que impressa isso, ou é apenas algo burocrático ?

Naldis (@zepolenta)

Tem uma lista aqui no TB sobre isso.

@Diego1

Você será migrado para a operado com o menor market share do seu DDD.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Na minha opinião a questão é não permitir que 1 operadora domine uma capacidade muito grande de espectro e não sobre para as outras operadoras, até hoje essa divisão foi pensada para termos 4 operadoras nacionais e manter o equilíbrio de espectro entre elas, não sei como vai ser daqui para a frente.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Era bem simples, dividisse em porções iguais (se a tele irá usar ou não, fica a critério). Mas não se estabeleceu assim, pois os leilões eram de cunho arrecadatório.

@Vitor_vcd

A Anatel é estranha, autoriza a venda da Oi Móvel, implementa uma legislação pra ampliar o espectro de todas mas não altera a outra legislação que limita todo o leilão.

Enfim, vejo a Sky e até mesmo a Oi tentando brigar pelo espectro de 700mhz e 2,3ghz para formar uma rede 4G/5G. Já usei a Oi 4G e a falta do 700mhz matava a rede.

Lucas Braga (@LucasBraga)

Espectro é um recurso finito. O campo eletromagnético é dividido entre diferentes serviços, como celular, TV aberta, rádio FM, etc.

Sugiro a leitura desse post aqui, onde expliquei sobre esse limite: Por que temos poucas operadoras de celular no Brasil?

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Como o @LucasBraga falou, é um recurso finito, melhor fica na mão da anatel do que deixar com as operadoras sem uso e depois precisar dele e as operadoras não quererem devolver.

Quanto a questão arrecadatória dos leilões, também não sou muito a favor, mas entendo que uma fonte de renda para a Anatel funcionar sem depender dos impostos, acho que todos os órgãos deveriam operar com orçamento de forma independente, cobrem as suas taxas e operem principalmente com elas, sem que o dinheiro arrecadado vá para o caixa único do governo.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Me referi que ao fatiar as faixas de espectro e disponibilizar para as Teles, elas possuem uma cota máxima que podem adquirir. Porém essa cota começa a esbarrar na aquisição de novos lotes, e isso se agrava mais ainda que teremos três operadoras.

Ao meu entender agora que teremos 3 Teles, essa cota deveria ser ajustada para uma configuração de 3 operadoras, aumentado o limite máximo que cada uma pode adquirir, uma vez que não haverá uma quarta tele para disputar a compra.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

no caso dos 700 MHz seria sim interessante liberar as operadoras de comprarem caso não tenha outros interessados, já no de 2,3 GHz a frequência fica a disposição da Tim ou de outra empresa caso queira entrar no mercado. A Claro e a Vivo tem bastante espectro já nessa faixa, maioria das antenas não explora todas as frequências, sendo que a operadora usa somente as mais vantajosas para aquele ponto.

O leilão do 5g já vai tá mais ajustado para essa realidade de 3 operadoras, mas pode ser que elas não queiram comprar todos os blocos por questões de custos e obrigações de uso.