Início » Finanças » Mineração de ether fica menos lucrativa, mas não o bastante para gamers

Mineração de ether fica menos lucrativa, mas não o bastante para gamers

Lucratividade da mineração de ether (ETH) cai pela metade em uma semana; gamers ainda sofrem com escassez de GPUs

Bruno Ignacio Por

O ether (ETH), criptomoeda nativa da rede ethereum, é a mais valiosa moeda digital que permite a mineração através de GPUs, e isso vem se tornando um pesadelo para o público gamer. Contudo, a atividade parece estar menos atraente do que já foi, uma vez que sua lucratividade caiu pela metade em apenas uma semana.

Ethereum (imagem: Peter Patel/ Pixabay)

Criptomoeda ether (imagem: Peter Patel/ Pixabay)

Lucratividade cai pela metade

De acordo com os dados do BitInfoCharts, o valor em dólares gerado diariamente para cada 1 milhão de hashes por segundo (unidade que mede a efetividade de mineração de criptomoedas) caiu de US$ 0,174 no dia 23 de fevereiro para US$ 0,085 nesta última terça-feira (02).

A lucratividade de mineração é dependente de muitos fatores, obviamente um deles é o próprio preço do criptoativo, que nesse caso é o ether. Outro fator é a quantidade de mineradores ativos, uma vez que o sistema blockchain da ethereum não possui demanda infinita de processamento. Portanto, as recompensas por oferecer a força de sua placa de vídeo são divididas entre todos os usuários fornecedores.

Preço do ether despencou

No dia 20 de fevereiro, o ether chegou ao seu preço máximo histórico de US$ 2.036. Contudo, a criptomoeda seguiu os efeitos da queda do bitcoin (BTC) e chegou a cair para o mínimo de US$ 1.303 no dia 28, conforme aponta o índice CoinDesk. A moeda vem se recuperando nos últimos dias, mas ainda passa longe do último recorde.

Ainda não é o suficiente para gamers

A mineração de ether vem sendo um problema para os jogadores no mundo todo. As placas de vídeo da série RTX da Nvidia acabaram caindo no gosto de mineradores por sua potência e alta taxa de hash. Para efeitos comparativos, uma Nvidia GeForce RTX 3080 possui em média 70 Mh/s (milhões de hashes por segundo) para a mineração de ether. Mesmo com a baixa na lucratividade, uma única GPU dessa conseguiria gerar US$ 5,9 por dia.

Claro, isso varia diretamente com o preço do ether, então a qualquer momento em que a criptomoeda disparar novamente em valor, os ETHs acumulado pelos mineradores também gerarão mais lucro. Por isso, a atividade ainda é lucrativa e a demanda por placas da Nvidia continua alta, gerando escassez do produto e aumento de preço para o público alvo original, que são os jogadores.

Nvidia já anunciou que diminuirá taxa de hash

No dia 18 de fevereiro, a Nvidia, ciente de seu problema de demanda, reafirmou seu compromisso com seu público gamer e anunciou que as novas placas de vídeo da série RTX virão com um sistema que diminuirá sua potência ao identificar o algoritimo de mineração de ether. Desta maneira, a GPU ficará menos atrativa para mineradores e mais disponível para jogadores.

Assim, a taxa de hash das placas cairia pela metade e pelo seu alto preço não valeria mais a pena mineradores usarem essas GPUs para suas atividades. A Nvidia, por outro lado, reconheceu a nova demanda e anunciou também que lançará as chamadas CMPs, que virão aprimoradas para a mineração de criptomoedas e custarão menos do que as atuais RTX, uma vez que nem sequer possuem saída de vídeo.

Com informações: PC Gamer

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando