Início » Finanças » Bill Gates faz alerta sobre bitcoin e alto consumo de energia

Bill Gates faz alerta sobre bitcoin e alto consumo de energia

Fundador da Microsoft, Bill Gates critica bitcoin (BTC) alertando sobre seu alto consumo energético e papel nas mudanças climáticas

Bruno IgnacioPor

Bill Gates, o fundador da Microsoft, voltou a falar sobre o bitcoin (BTC), criticando o alto consumo de eletricidade da mineração da criptomoeda. Em uma entrevista ao The New York Times publicada nesta terça-feira (09), ele disse que a moeda digital gasta mais energia por transação do que “qualquer outro método conhecido pela humanidade”.

Bill Gates (Imagem: Red Maxwell/Flickr)

Bill Gates (Imagem: Red Maxwell/Flickr)

Em uma nova crítica à criptomoeda, Gates afirmou também que o bitcoin agrava os problemas climáticos gerados pelas emissões de carbono. Ao passo que a adesão à moeda digital cresce no mundo todo em meio a valorizações recordes neste ano de 2021, a atividade de mineração também se intensifica.

Mineração de bitcoin e as emissões de carbono

A mineração do bitcoin é uma atividade necessária para que a moeda digital exista. Cada transação realizada em qualquer lugar do mundo deve ser registrada em rede blockchain. Esse processo envolve a criptografia dos dados em blocos, criando um livro contábil aberto e disponível para que qualquer um possa checar.

Contudo, esse processamento pesado de dados necessário em cada transação envolvendo o bitcoin requer que milhões de máquinas ao redor do mundo cedam sua potência, uma vez que se trata de uma moeda digital descentralizada.

Esse é o processo de mineração, no qual os donos das máquinas, os mineradores, são recompensados pelo alto custo de energia da atividade através de taxas recolhidas a cada transação e com a geração de novas unidades de BTC. Uma vez que o gasto elétrico dessas máquinas é altíssimo, elas também são responsáveis por aumentar as emissões de carbono das usinas.

Mineradores usam energia barata e poluente

De acordo com o Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index (CBECI), 65% da atividade de mineração de bitcoin no mundo se concentra na China. O país possui uma energia barata e a maioria das usinas elétricas são alimentadas com carvão, gerando uma alta taxa de poluição atmosférica.

65% da mineração de bitcoin se concentra na China (Imagem: Reprodução/Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index)

65% da mineração de bitcoin se concentra na China (Imagem: Reprodução/Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index)

A crítica de Gates se dirige a esse problema. Conforme os mineradores se concentram em lugares que usam fontes fósseis de energia, eles também são responsáveis por sua poluição e pelo agravamento do aquecimento global. Porém, sem a atividade de mineração para processar e criptografar os dados, o bitcoin simplesmente não existiria.

O CBECI estima que o bitcoin seja responsável por 0,59% de todo consumo elétrico do planeta. A criptomoeda gasta atualmente 128,84 TWh (terawatt-hora), de acordo com a plataforma, ultrapassando o índice de países inteiros como a Argentina e a Ucrânia.

Gates apoia uso de energia limpa para minerar bitcoin

“Se for energia limpa e não estiver atrapalhando outros usos, eventualmente, talvez esteja tudo bem”. Foi assim que Bill Gates fechou a entrevista ao NYT, indicando que ele estaria disposto a mudar de ideia sobre a criptomoeda se as mudanças necessárias forem feitas.

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, prometeu investir US$ 10 milhões em tecnologias de mineração de bitcoin mais limpas em termos de poluição do meio ambiente. Além disso, já existem outras iniciativas como a da empresa de investimentos Seetee que trabalha em utilizar energia renovável, como solar e eólica, para extrair o criptoativo.

Com Informações: The New York Times

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
11 usuários participando