Início » Brasil » Perfil no Mercado Livre não pode vender dados pessoais, decide Justiça

Perfil no Mercado Livre não pode vender dados pessoais, decide Justiça

Anúncios no Mercado Livre promoviam bases de dados com nome, CPF, telefone, e-mail e endereço de milhares de pessoas

Victor Hugo SilvaPor

A oferta de dados pessoais na internet viola a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e o Marco Civil da Internet. É o que concluiu mais uma vez a Justiça, agora no Distrito Federal. A decisão envolveu anúncios feitos no Mercado Livre sobre bases de dados com informações de milhares de pessoas.

App do Mercado Livre (Imagem: Divulgação/Mercado Livre)

App do Mercado Livre (Imagem: Divulgação/Mercado Livre)

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) questionou a comercialização de dados no Mercado Livre. O órgão recorreu à Justiça após identificar um anúncio que promovia bases com nome, CPF, telefone fixo, telefone celular, e-mail e endereço de milhares de pessoas. As listas com informações eram oferecidas por R$ 500.

No site, o mesmo perfil tinha anúncios para quem buscava bases de dados sob encomenda ou “serviços especiais relacionados”. O vendedor promovia listas com números de celulares de todas as operadoras. As informações poderiam ser usadas para empresas abordarem consumidores por ligações, SMS e disparos via WhatsApp.

O MPDFT alegou que, com base na LGPD, ficou claro que os anúncios no Mercado Livre apontam para um tratamento de dados totalmente ilegal. Isso porque o vendedor distribuiu informações que poderiam ser usadas para identificar terceiros, o que gerou prejuízos aos titulares dos dados.

Sigilo de dados está previsto na Constituição

Na sentença, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) apontou que a LGPD garante o direito à privacidade e o Marco Civil da Internet tem a proteção de dados pessoais como um de seus princípios. A sentença destacou ainda que a Constituição determina o sigilo de dados como um direito inviolável.

A decisão acompanhou a tutela antecipada que havia sido publicada em outubro de 2020 e ordenou o vendedor a deixar de oferecer os dados pessoais. A Justiça determinou que, caso volte a se repetir, a prática estará sujeita a multa de R$ 5 mil para cada operação realizada com as informações pessoais.

Com informações: MPDFT.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Tá, mas e o vendedor, foi preso ou o país agiu como banania como sempre?

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

Adivinha…