Início » Finanças » Exclusivo: NFT pode capturar parte de mercado de US$ 3 bilhões, diz CEO da Binance

Exclusivo: NFT pode capturar parte de mercado de US$ 3 bilhões, diz CEO da Binance

Em entrevista exclusiva para o Tecnoblog, Changpeng Zhao, CEO da Binance, comentou sobre o recente boom de NFTs

Bruno IgnacioPor

Os NFTs, ou tokens não fungíveis, são a febre do mercado cripto em 2021. Arte digital, música e até mesmo tweets já estão sendo negociados através dessa tecnologia e movimentando milhões. Changpeng Zhao, CEO da Binance (uma das maiores exchanges de criptomoedas do mundo), afirmou em entrevista para o Tecnoblog que esse novo tipo de ativo digital poderia capturar bilhões do mercado de direitos digitais.

Changpeng Zhao, CEO da Binance (Imagem: Reprodução/ Binance)

Changpeng Zhao, CEO da Binance (Imagem: Reprodução/ Binance)

NFTs e o grande boom de 2021

A banda Kings of Leon se tornou a primeira a oferecer um álbum inteiro como NFT no começo de março. Uma semana depois, o artista digital Beeple vendeu o token não fungível mais caro da história, uma obra de arte digital leiloada por US$ 69,3 milhões. Desde fevereiro, múltiplos mercados rapidamente se adaptaram e incorporaram esses ativos digitais.

“Desde a segunda metade de 2020 o mercado de NFTs vem crescendo, mas o verdadeiro boom aconteceu em 2021, quando grandes artistas entraram nos marketplaces e os leilões ganharam popularidade”, disse Zhao. Mostrando-se um verdadeiro entusiasta dos tokens não fungíveis, ele previu ainda no ano passado que essa tecnologia bombaria agora.

“Colocando em perspectiva, o volume negociado em NFTs somente em fevereiro já ultrapassou toda a movimentação de 2020. Dados do site NonFungible mostram que US$ 150 milhões foram transacionados em tokens não fungíveis no ano passado”, afirmou o CEO da Binance. Pensando que um único leilão de Beeple já atingiu quase metade desse valor, o mês de março será histórico para o mercado de NFTs.

NFTs podem mudar mercado para “melhor ou pior”

De acordo com Zhao, assim como o bitcoin (BTC) foi a criptomoeda que mudou o mundo ao mostrar que um novo padrão monetário poderia existir, os NTFs também podem modificar a forma que assinamos itens digitais e ampliar exponencialmente o mercado de criptoativos. “Como tudo que é novo, os tokens não fungíveis também dividem opiniões e geram paixões, para melhor ou pior”, disse.

“Por exemplo, uma banda pode colocar a leilão um NFT de um CD que já está disponível em todas as plataformas de streaming e ainda assim conseguir fazer milhões de dólares porque aquele material fonográfico possui valor sentimental para seus fãs”, disse Zhao. Ele conclui que, como demonstrado pela banda Kings of Leon, essa tecnologia pode eventualmente se tornar padrão par o mercado musical.

Kings of Leon se torna primeira banda a lançar um album como NFT (Imagem: Edinburgh International Film Festival/Flickr)

Kings of Leon se torna primeira banda a lançar um álbum como NFT (Imagem: Edinburgh International Film Festival/Flickr)

“Você consegue imaginar quanto um fã dos Beatles pagaria por alguma coisa extremamente rara da banda?”, questionou o CEO da Binance, sugerindo que a exclusividade desses ativos digitais tem um potencial de valorização astronômico. O mesmo acontece na arte digital, uma vez que a verificação de autenticidade em redes blockchain garante a cada ativo um valor colecionável agregado que pode chegar às dezenas de milhões de dólares.

“Por essa mesma razão alguns dizem que os NFTs tomam o rumo contrário à democratização, uma vez que cada produto é único e vale até mesmo milhões, sendo acessíveis para apenas uma pequena e rica parcela da população. Por outro lado, o conceito de escassez extrema também foi o que sempre valorizou a arte tradicional que conhecemos”, afirmou Zhao.

Segundo ele, da mesma maneira que uma obra de Picasso ou Van Gogh vale milhões pela sua exclusividade, só existindo uma única pintura dessas no mundo, uma peça musical ou artística registrada como NFT também é negociada por altíssimos preços seguindo a mesma lógica. “Tokens não fungíveis podem replicar digitalmente esse conceito graças a tecnologia que protege e verifica a obra”.

NFTs poderiam capturar bilhões de outros mercados

“Assim como nas criptomoedas em geral e nas finanças descentralizadas (DeFi), esse novo mercado também traz muito crescimento potencial”. Para Zhao, os NFTs possuem a capacidade de atrair para si o capital de muitos setores, mas principalmente dos direitos digitais.

Segundo Zhao, uma “estimativa conservadora” coloca esse mercado em pelo menos na casa dos US$ 3 bilhões, um valor que “eventualmente poderia ser capturado pelos NFTs”. Uma vez que essa tecnologia permite a verificação de posse e autenticidade de qualquer arquivo, problemas de direitos autorais na internet podem se tornar coisa do passado.

As possibilidades são infinitas. Por exemplo, é razoável pensar na criação de um sistema de verificação de autenticidade de arquivos em tempo real. A operadora de TV por satélite Dish Network registrou em fevereiro uma patente para um sistema antipirataria que utiliza a tecnologia blockchain para fazer exatamente isso. Uma vez que o arquivo estivesse registrado em rede, um software iria automaticamente verificar as credenciais de quem o reproduz na internet.

Com NFTs, isso pode se tornar ainda mais simples de se executar. Em vez de ser necessária a criação de uma plataforma apenas para registrar arquivos no blockchain, como sugere a Dish Network, cada proprietário poderia registrar um token não fungível equivalente à sua produção e vendê-lo para quem quiser reproduzí-lo.

Qualquer coisa pode valer milhões como um ativo NFT?

Uma das principais críticas aos NFTs é a banalização do que chamamos de arte e a absurda valorização que as coisas mais triviais podem ter simplesmente pode serem exclusivas. Ao ser questionado sobre o assunto, Zhao afirmou que há “um fardo e um bônus” nessa tecnologia.

Um exemplo direto disso é a sátira realizada recentemente pelo comediante de Monty Python, John Cleese, que fez um desenho extremamente simples da Brooklyn Bridge em um iPad e o colocou a leilão como um NFT. Mesmo sendo explicitamente uma piada sobre o recente boom dos tokens não fungíveis, sua peça já vale mais de US$ 35 mil.

Em uma sátira, John Cleese, de Monty Python, registra desenho feito em iPad como NFT (Imagem: Reprodução/Twitter)

Em uma sátira, John Cleese, de Monty Python, registra desenho feito em iPad como NFT (Imagem: Reprodução/Twitter)

Para Zhao, “qualquer forma de produto digital pode ser verificado e registrado como um NFT, há sites dedicados até mesmo a vender tweets”. O CEO exemplificou que ele mesmo realizou sua primeira experiência pessoal com esses tokens na primeira semana de março. Ele cadastrou uma publicação sua no Twitter de 2009 como um desses ativos e o vendeu por US$ 6,6 mil, como um teste da tecnologia.

Sua conclusão é que o potencial dos NFTs é gigantesco, independentemente da sua utilização. Assim como qualquer tecnologia, ela pode ser usada para inúmeras coisas e inevitavelmente será criticada em determinadas situações.

Binance deve negociar NFTs em breve

Changpeng Zhao finaliza a entrevista afirmando que, em breve, a Binance deve começar a negociar NFTs. “Deveremos fazer algo com tokens não fungíveis, já que há correlação dessa tecnologia com finanças descentralizadas, que é algo muito estimulado pela Binance Smart Chain (BSC). Mas queremos primeiro aprender com aqueles que já fazem algo do tipo antes de darmos o próximo passo”.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tech Nerd 🤓 (@technerd)

Pode capturar um mercado muito maior e que nem existe ainda.