Início » Aplicativos e Software » Google Maps vai mostrar rotas “eco-friendly” que gastam menos combustível

Google Maps vai mostrar rotas “eco-friendly” que gastam menos combustível

Google Maps passa a oferecer, por padrão, "rotas ecológicas" que ajudam o motorista a gastar menos combustível

Darlan HelderPor

O Google divulgou algumas novidades para o seu popular Maps e uma delas é o modo “eco-friendly” que ajuda o motorista a gastar menos combustível. No aplicativo, os usuários do Google Maps poderão escolher “rotas ecologicamente corretas” antes de dirigir, um esforço da empresa cujo objeto é operar sem emissões de carbono até 2030 e ela conta com a ajuda de seus clientes para isso.

Carros em avenida de São Paulo (Imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Carros em avenida de São Paulo (Imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Google Maps: “rotas ecológicas”

Por enquanto, o modo “eco-friendly” será disponibilizado apenas nos Estados Unidos para donos de aparelhos Android e iPhone (iOS); a empresa confirmou que vai liberar a funcionalidade globalmente em breve. A gigante explica que, para isso, está usando dados do National Renewable Energy Lab e sugere o caminho alternativo (e mais ecológico) com base em congestionamentos e na inclinação da via.

Google Maps vai mostrar rotas "eco-friendly" que gastam menos combustível (Imagem: Divulgação/Google)

Google Maps vai mostrar rotas “eco-friendly” que gastam menos combustível (Imagem: Divulgação/Google)

Se o caminho ecológico interferir no horário do seu compromisso, que pode fazer você chegar mais tarde, o usuário, então, pode analisar ambas as rotas e definir o melhor trajeto. Nas configurações, também é possível selecionar a rota mais rápida que você já está acostumado.

Este ano, estamos a caminho de trazer mais de 100 melhorias baseadas em IA para o Google Maps para que você possa obter as informações mais precisas e atualizadas sobre o mundo. Em breve o Google Maps passará a indicar, por padrão, a rota que representa a menor emissão de CO2 sempre que esse percurso tiver aproximadamente o mesmo horário estimado de chegada (“ETA”, na sigla em inglês) que o caminho mais rápido.

Google em comunicado

Além disso, o Google vai exibir alternativas mais sustentáveis de mobilidade: o app terá uma área de “instruções de percurso” com opções de ir de um ponto a outro com opções verdes, como bicicleta e metrô. Através de inteligência artificial (IA), o Google Maps será capaz de identificar se você usa mais bicicleta do que carro e dará preferência para a primeira opção.

Outras novidades para o Google Maps

Nos EUA, a empresa disse que vai ampliar o Live View, que funciona a partir de realidade aumentada, para áreas internas de shoppings e aeroportos. Também há um recurso que facilita a compra de alimentos durante a pandemia: o usuário poderá checar o tempo de entrega, taxas e outras informações de mercados.

Para o Brasil, a companhia deve liberar nas próximas semanas o mecanismo que ajuda donos de carros híbridos e elétricos no abastecimento. Você pode encontrar estações de carregamento de veículos elétricos (EV) da Volvo e da BMW, bem como verificar fotos da estação e análises de outros usuários. Os interessados devem digitar no app termos como “eletroposto” ou “posto de recarga de veículos elétricos”, e o Google exibirá todas as informações do equipamento.

Com informações: Google e CNET

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

imhotep (@imhotep)

Quero só ver qd estiver disponível no Brasil.
Em cidades como BH, hoje, é normal te jogar pra rotas mais curtas mas em trechos extremamente inclinados e desconfortáveis de dirigir.

² (@centauro)

Como foi dito no texto, o algoritmo vai levar em consideração a inclinação das vias também, uma vez que subir uma ladeira vai gastar mais energia do que ir numa rua reta, mas em algum momento isso inverte (um exemplo simples, X metros de ladeira acima a Y graus emite o mesmo que Z metros em uma rua plana, então se a rota tiver um X<Z ele manda pela ladeira, caso contrário manda pelo plano).

De qualquer forma, mais eco-friendly é morrer não sair de casa, mas nem sempre isso é possível.

imhotep (@imhotep)

Nem assim, depende do carro também.
Um carro com torque menor ou torque que depende de altas rotações gasta mais do que um carro com bom torque em baixas rotações.

Esse recurso vai ser mais pra marketing do Google do que qualquer outra coisa.

Eco friendly é reduzir os carros nas ruas.

² (@centauro)

Sim, tem mais variáveis do que apenas a inclinação.
No fim, tem que ver qual vai ser o algoritmo que eles vão usar, porque é possível colocar o torque (e outras variáveis, como o trânsito, que foi mencionado que entraria) na conta, sem dúvida.
A questão é que eles, em tese, não sabem qual carro você vai usar, mas dai entra a estatística. Pega uma amostra dos carros, pega a informação sobre torque desses carros, tira uma média disso e usa pra calcular a emissão nas rotas.

imhotep (@imhotep)

Continua sendo marketing, o chamado greenwashing.
Estatísticas mostram q o Waze (e outros) pioraram o trânsito em grandes cidades e criaram fluxo de trânsito em áreas q antes não tinham fluxo.