Início » Celular » LG confirma que deixará de vender celulares no mundo inteiro

LG confirma que deixará de vender celulares no mundo inteiro

Após rumores, LG oficializa fim da divisão de celulares; setor está previsto para ser encerrado até o fim de julho de 2021

Bruno Gall De Blasi Por

A LG informou, nesta segunda-feira (5), que vai encerrar sua divisão de celulares em todo o mundo. Em um comunicado à imprensa, a companhia sul-coreana afirmou que passará a se concentrar no desenvolvimento de dispositivos para casa, inteligência artificial e afins. A previsão é de que o setor seja finalizado até o fim de julho.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A confirmação chega após especulações sobre o fim da divisão. Na semana passada, informações de bastidores giravam em torno do anúncio que iria oficializar o encerramento, previsto para esta segunda-feira (5). Em janeiro, o CEO da fabricante, Kwon Bong-seok, afirmou que a empresa considerava “todas as medidas possíveis”.

Agora, a LG confirmou que deixará de vender celulares no mundo todo. No comunicado, a marca sul-coreana disse que vai oferecer atualizações e suporte aos clientes por um período que varia de acordo com a região. “A LG trabalhará em colaboração com fornecedores e parceiros de negócios durante o encerramento do negócio de telefonia móvel”, explicaram.

“Espera-se que a desaceleração do negócio de telefonia móvel seja concluída até 31 de julho, embora o estoque de alguns modelos existentes ainda possa estar disponível depois disso”, afirmaram.

Participação de mercado da LG em diferentes regiões (Imagem: Reprodução/Counterpoint Research/TechCrunch)

Participação de mercado da LG em diferentes regiões (Imagem: Reprodução/Counterpoint Research/TechCrunch)

LG tem prejuízo com divisão mobile

O anúncio da companhia surge após anos sem registrar resultados positivos com celulares. Conforme apontado em um levantamento feito pelo Tecnoblog, a divisão mobile da LG acumulou US$ 3,44 bilhões de prejuízo entre janeiro de 2015 e setembro de 2020. O último período de lucro da empresa com smartphones aconteceu em 2014.

A companhia também revelou seus próximos passos nesta semana. Segundo a fabricante, seu foco será destinado a áreas de crescimento, como componentes de veículos elétricos, dispositivos conectados, casas inteligentes, robótica, inteligência artificial e soluções B2B (business-to-business), além de plataformas e serviços.

“A LG continuará a alavancar sua experiência móvel e desenvolver tecnologias relacionadas à mobilidade, como o 6G, para ajudar a fortalecer ainda mais a competitividade em outras áreas de negócios”, afirmaram. “As principais tecnologias desenvolvidas durante as duas décadas de operações de negócios mobile da LG também serão mantidas e aplicadas a produtos existentes e futuros”.

Com informações: LG (Newsroom) e TechCrunch

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
21 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leonardo Feelckins (@feelckins)

Fico muito triste mas ao mesmo tempo fico feliz. Era muito agonizante acompanhar cada lançamento e devia ser frustrante também pra equipe ao longo de todos esses anos.

Juliano Machado Olivetti (@Juliano_Machado_Oliv)

A LG ao longo do tempo fez bons aparelhos e até ditou alguma tendências. Na minha opinião os problemas eram mais em relação ao software, seja por nunca ter agradado a muitos, seja por não receber a mínima atenção necessária de suporte nas linhas mais caras. Digo que até no Brasil muitos vão notar sua falta, pela até relevante posição de mercado…Já no mundo poucos irão notar/sentir falta.

Joseilton Júnior (@Joseilton_Junior)

O único smartphone da LG que tive contato é o terrível K40S que a empresa me deu para trabalhar.
Que coisinha ruim! Sensor de digital trava. Tela trava. Câmeras péssimas. Lento… Só a bateria presta.
Nos últimos anos a LG não lançou smartphones. Ela cometeu smartphones…

@LeandroCSC

Querendo ou não,será um concorrente a menos.E isso sempre será ruim de algum modo.

André Gorgen (@Banana_Phone)

Finalmente! Não entendo como demoraram tanto pra tomarem essa decisão.
Mas no fundo sinto um pouco de tristeza, eu nunca tive um celular da LG e nunca terei.
O LG Shine já foi meu sonho de consumo, mas custava muito caro, foi um dos celulares mais bonitos que já existiu.

Sérgio (@trovalds)

Triste fim. LG já teve aparelhos “budget” bons, como o LG X Power, que já tive um. E mesmo os saudosos G2 e G3, que foram “queridinhos” das suas respectivas épocas. Infelizmente os lançamentos ruins e as más decisões levaram ao fim da marca no segmento de smarts. Descanse em paz.

Joseilton Júnior (@Joseilton_Junior)

Aí é que tá o detalhe: com de 1 a 2% de participação ela não concorria. Agonizava…
Sequer discutia o jogo. Não era competidora. Era mera expectadora…

Leandro (@lth_leandro)

Será que caminhamos para um mercado de celulares dividido entre Apple, Samsung e chinesas? Acho possível.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Um dos grandes problemas da LG era a falta de foco. Apresentava aparelhos para serem revolucionários, mas no máximo em duas gerações já pulava para a “próxima revolução” e no fim, nada era de fato revolucionário.

Esse vídeo mostra bem as tentativas da LG.

Anderson Antonio Santos Costa (@Anderson_Antonio_San)

No Brasil. a LG era forte no segmento de entrada. Com a saída da LG, o mercado de celulares brasileiro se resume a Samsung, Lenovo, Motorola e chinesas, sem contar a Apple e as fabricantes brasileiras que atuam no segmento de entrada ou feature phones.
Com menos concorrência, temo por um aumento de preços no segmento de smartphones de entrada, que fica restrito à Samsung e à Motorola na prática.

Franco Luiz (@Franco_Luiz1)

Tudo começou a da ruim no g3

Rodrigo Dias (@rodrigodias)

O mercado local meio que vai se resumir a cinco marcas: Apple, Samsung, Motorola, Xiaomi e “as outras”

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Acredito que duas a penas: Samsung e Motorola, Xiaomi só se for importado pra compensar.

Quem antes iria adquirir um LG de entrada e intermediário, vai naturalmente buscar por Samsung e Motorola.

Positivo e Multilaser, poderiam se beneficiar se passassem a entregar aparelhos de entrada e intermediários bem competitivos, focando em preço, já que apelo de marca elas não tem.