Início » Aplicativos e Software » Microsoft Edge cresce e Firefox cai entre navegadores para desktop

Microsoft Edge cresce e Firefox cai entre navegadores para desktop

Microsoft Edge alcança crescimento notável entre março de 2020 e 2021; Google Chrome é o navegador mais utilizado do mundo

Bruno Gall De Blasi Por

O Microsoft Edge cresceu entre os navegadores para computador do ano passado para os dias atuais. É o que apontam os dados da StatCounter em referência a março de 2021: de acordo com o site de métricas, a participação de mercado do navegador da Microsoft teve um crescimento considerável em relação ao ano passado, enquanto o Mozilla Firefox sofreu queda. O Google Chrome continua na liderança.

Microsoft Edge (Imagem: reprodução)

Microsoft Edge (Imagem: reprodução)

As cifras mostram um panorama dos navegadores para computador mais utilizados no mundo. Em primeiro lugar, vem o Google Chrome, com 67,14% de market share em março de 2021. O navegador do Google, porém, teve queda em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando abocanhava 68,11% do mercado.

A segunda colocação pertence ao Safari, que, de 8,93% em março de 2020, foi para 10,11% em março deste ano. Em seguida, vem o Microsoft Edge, com 8,03%. A cargo de comparação, no mesmo período do ano passado, o navegador tinha apenas 0,57% de participação de mercado.

Assim como o Google Chrome, o Firefox também teve queda: enquanto, em 2020, o navegador possuía uma fatia de 9,25%, neste ano, o número caiu para 7,95%. O Internet Explorer é outro navegador que encarou uma redução no mesmo período: de 3,77%, em março de 2020, para 1,7%, em março de 2021.

Microsoft Edge aumenta sua participação de mercado em 2021 (Imagem: Reprodução/StatCounter)

Microsoft Edge aumenta sua participação de mercado em 2021 (Imagem: Reprodução/StatCounter)

Microsoft Edge também cresce no Brasil

Os resultados positivos do Microsoft Edge também englobam os usuários brasileiros. Em segundo lugar, o browser subiu de 0,68%, em março de 2020, para 5,97%, em março de 2021. No Brasil, o Google Chrome é líder nos desktops, e com uma margem maior: 80,74%. No ano passado, a participação do navegador era de 85,11%.

O Opera, assim como o Edge, teve um crescimento perceptível no país: de 3,09% para 5,69%. O Firefox, por outro lado, repete o mesmo comportamento dos resultados globais, de 5,24% para 4,9%. O Safari, da Apple está atualmente em 1,82%. O Internet Explorer representa 0,48% do mercado brasileiro.

Com informações: StatCounter (1 e 2) e Windows Latest

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
21 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

João Almeida (@Joao_Almeida)

Firefox sempre será meu favorito. Mas o Edge tá bom mesmo

Eduardo Alvim (@Eduardo_Alvim)

Após o início da pandemia, minha empresa abraçou com a alma o Microsoft 365 e o que posso dizer é: a integração do Edge com o M365 é sensacional. Incrível como tudo roda integrado (Windows + Sharepoint + Outlook + Edge + Bing + Teams). Depois de experimentar isso, difícil voltar atrás.

Rodrigo Dias (@rodrigodias)

É algo simbólico. O Firefox que foi um dos principais algozes do Internet Explorer antes do Chrome, agora foi ultrapassado pelo MS Edge.

Rodrigo Dias (@rodrigodias)

Eu estou muito bem feliz com o Vivaldi. Cheio de recursos nativos e outras funções interessantes. Esses dias um colega meu me viu usando o browser e ele falou que parece um “navegador de hacker”

O Firefox vai virar uma espécie de “Safari do Windows”, com um foco maior na privacidade. Mas no dia que a Apple lançar uma versão pro Windows, pode ser o fim da raposa que conhecemos.

@doorspaulo

Como gosto de privacidade, uso o Firefox.
Se ele deixar de ser desenvolvido, partirei para o Brave.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Edge até no Linux fii! Isso e estar mais leve que o firefox.

@Comentador

Quantidade não significa qualidade, não troco o Mozilla Firefox por nada, o Microsoft Edge é legalzinho, mas usa o mesmo motor do Google Chrome, são dois navegadores muito idênticos.

imhotep (@imhotep)

Uso o Edge desde q mudou para o motor do Chromium, dando um tempo no Chrome.
Mas uso o Firefox também.

André (@andre00)

A Mozilla ultimamente tem se preocupado mais com política do que com o próprio browser (que deveria ser o carro chefe). Não acredito que deixem de desenvolver tão cedo, mas a relevância dele cai a cada dia que passa.

Ano passado mudei do Chrome pro Brave e até agora estou satisfeito. Uma funcionalidade do Edge que sinto falta é o modo leitura.

O antigo Opera 12 era meu navegador favorito. Volta e meia eu instalo o Vivaldi, mas não consigo me adaptar com o delay que ele tem ao abrir uma nova janela ou arrastar uma aba para fora. É algo na casa dos milissegundos, mas é suficiente pra “quebrar” meu uso. Sempre tenho que esperar antes de poder digitar ou interagir com a janela enquanto que nos outros navegadores o carregamento é praticamente instantâneo.

Lucas Santos (@Lucas_Santos)

Pior que o milissegundo, conforme o uso, vai virando segundo.

Gustavo Guerra (@GustavoGuerra)

Depois de tanto tentar fazer algo proprietário, finalmente a Microsoft se rendeu ao código-aberto e adotou o motor do Chrome.

Ganhando maior compatibilidade com sites, eles ainda otimizaram o navegador e implementaram novos recursos interessantes.

As vezes existem vantagens em fazer tudo sozinho, mas a vantagem de um projeto aberto é poder ter todos contribuindo com melhorias e assim você foca nos diferenciais.

A tendência do Edge é ganhar cada vez mais espaço em cima do Firefox no Windows, devido a força da MS, levando o navegador pra 2º posição no rank. Chrome deve continuar na liderança e Safari vai ocupar a 3ª devido aos usuários da Apple.

João M. (@RonDamon)

E como a MS é dona do Windows, o futuro é brilhante pro navegador, ela pode deixá-lo cada vez mais integrado e leve ao SO dela mesma.