Início » Computador » Notebook HP Probook X360: um 2 em 1 com chip AMD

Notebook HP Probook X360: um 2 em 1 com chip AMD

Com hardware equilibrado, HP Probook X360 é uma opção cara, mas interessante para quem busca um notebook conversível

Emerson AlecrimPor
Nota Final8.7
Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Notebooks “2 em 1” (ou conversíveis) podem ser encontrados com relativa facilidade nas lojas brasileiras. Porém, laptops do tipo equipados com chip AMD ainda são minoria. O HP ProBook X360 435 G7 está entre eles: além de tela com abertura de 360 graus, como o nome sugere, o modelo conta com o Ryzen 5 4500U, um processador de seis núcleos.

Mas os atributos não terminam aí. O equipamento também atrai atenção por ter corpo de alumínio, tela LCD de 13,3 polegadas e resolução full HD, 16 GB de RAM e SSD de 256 GB. Ah, o produto é acompanhado de uma caneta, afinal, a tela também é sensível a toques.

Tudo isso faz o notebook ter preço sugerido de R$ 5.940 no Brasil. Vale a pena? Será que o Ryzen 5 4500U dá conta do recado? A bateria dura bastante? O “modo tablet” funciona bem aqui? Eu testei o ProBook X360 e conto as minhas impressões nas próximas linhas.

Análise do HP Probook X360 em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo.

O HP Probook X360 foi fornecido pela AMD por empréstimo e será devolvido à empresa após os testes. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica.

Design, conectividade e áudio

É difícil errar com metal. Com exceção para a superfície do touchpad e a parte inferior, ambas de plástico, o HP Probook X360 tem corpo de alumínio fosco. Esse acabamento dá um ar de requinte ao equipamento e o torna mais robusto.

O Probook X360 tem construção de alumínio (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O Probook X360 tem construção de alumínio (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Agora, quando olhamos para as laterais, podemos sentir uma pontada de decepção. O lado direito é ok. Ali encontramos uma porta USB-C compatível com DisplayPort, uma porta USB 3.1 tipo A, uma porta HDMI 1.4b, conexão para fones e microfone, além de um leitor de microSD.

Lateral direita do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Lateral direita do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Porém, o lado esquerdo traz apenas uma portas USB 3.1 tipo A e o slot Kensington para trava de segurança. O resto do espaço é preenchido pela saída de ar. Como este é um notebook que a HP indica para uso corporativo, senti falta de uma conexão Ethernet ou, pelo menos, de mais uma porta USB na mesma lateral.

Lateral esquerda do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Lateral esquerda do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Um detalhe curioso é que as duas saídas de som do laptop ficam localizadas no espaço de ventilação acima do teclado — a maioria dos notebooks atuais traz os alto-falantes na parte inferior.

Área de ventilação (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Área de ventilação (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Só não se empolgue com elas. O volume máximo até é alto, mas o áudio é um tanto agudo. Você pode curtir filmes numa boa aqui, mas, para música, o ideal é recorrer a fones de ouvido. Eu fiz o teste usando fones sem fio a partir da conexão Bluetooth 5.0 do X360 e tudo funcionou a contento. O equipamento também conta com Wi-Fi 6.

Tela, modo tablet e webcam

Confesso que fiquei desconfiado da qualidade da tela do Probook X360 assim que liguei o notebook pela primeira vez: com a tela escura, eu notei um pouquinho de vazamento de luz nas bordas do painel. Felizmente, esse problema é tão discreto que é praticamente imperceptível no dia a dia.

Na verdade, a tela acabou conquistando a minha simpatia por apresentar pouca distorção quando visualizada de ângulos variados e vir com resolução de 1920×1080 pixels — o mínimo para os padrões atuais, na minha opinião.

O HP Probook X360 tem tela full HD (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O HP Probook X360 tem tela full HD (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

A coloração também é decente, apesar de não chegar perto daquilo que um visor OLED pode oferecer. Além disso, o brilho só alcança 250 nits. Mas, para um painel LCD, está de bom tamanho. Sim, LCD. O X360 possui tela UWVA LCD, um tipo que lembra o padrão IPS.

Ah, o tamanho do display é de 13,3 polegadas, mas como as bordas são um tanto generosas, a impressão inicial é a de que o componente é maior.

O Probook X360 entra na categoria de “notebook 2 em 1” pelo fato de a tela ter abertura máxima de 360 graus. Quando o componente é colocado nessa posição, o Windows automaticamente pergunta se você quer usar o “modo tablet”, que habilita o giroscópio e otimiza a interface para toques na tela ou uso de uma stylus (caneta) — o modelo tem display sensível a toques.

Um acessório do tipo acompanha a unidade testada. A caneta funciona a pilha e tem dois botões. Ela é útil para substituir o mouse ou para trabalhos gráficos, por exemplo.

A stylus do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

A stylus do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Que conste que o tempo de resposta e a detecção de pressão da caneta são aceitáveis. Porém, a tela não é muito adequada para trabalhos gráficos avançados. Se você forçar a caneta sobre o painel, por exemplo, vai notar marcas de pressão que somem quase que instantaneamente, mas que podem incomodar.

A stylus é bem-vinda, mas, para a maioria dos usuários, acaba não sendo um acessório indispensável. Seria interessante se ela tivesse Bluetooth para permitir o seu uso com o PowerPoint, por exemplo, mas não é o caso.

A stylus do Probook X360 deixa marcas na tela que somem rapidamente (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

A stylus do Probook X360 deixa marcas na tela que somem rapidamente (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Voltemos à tela por conta de um detalhe que me deixou cismado: a abertura de 360 graus tem a desvantagem de fazer o componente baixar sozinho com pouco esforço. Não é um problema frequente, mas me pergunto se as dobradiças não irão se desgastar com o tempo e tornar essa situação frequente. Tomara que não.

Não nos esqueçamos da webcam. Ela tem resolução de 720p e coloração decente. Embora a câmera não impressione, ela tem o mínimo de qualidade para reuniões no zoom, por exemplo. Ela também vem com uma pequena tampa que bloqueia totalmente a filmagem.

A webcam do Probook X360 vem com proteção (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

A webcam do Probook X360 vem com proteção (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Teclado, touchpad e leitor de digitais

Na minha opinião, todo notebook atual deveria ter teclado retroiluminado. Felizmente, o Probook X360 é assim: ele traz LEDs na cor branca. Por meio da tecla F9, é possível deixar a iluminação mais forte ou mais fraca rapidamente, bem como desativar esse recurso.

Teclado do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Teclado do Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Felizmente, o Probook X360 traz retroiluminação (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Felizmente, o Probook X360 traz retroiluminação (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O teclado também agrada por ter clique confortável, vir com teclas de seta espaçosas e contar com proteção contra derramamento de líquidos. Também existe uma tecla programável (F12): você pode usá-la para criar um atalho a partir de uma ferramenta da HP que vem pré-instalada.

Um detalhe curioso é que a HP integrou o liga / desliga ao teclado, mas tomou o cuidado de não deixá-lo no canto. Essa é uma sacada para evitar que o usuário confunda esse botão com o delete.

O botão de liga / desliga e a tecla programável (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O botão de liga / desliga e a tecla programável (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Do touchpad também não tenho queixas. O componente é amplo, portanto, pode ser alcançado facilmente com ambas as mãos. E, se assim como eu, você gosta de usar gestos do Windows sobre o touchpad, vai se dar muito bem com eles: as respostas a toques são precisas e rápidas, que é o que a gente sempre espera.

O X360 conta ainda com um item que eu não taxaria de obrigatório, mas que é muito útil: leitor de impressões digitais. O componente é rápido no desbloqueio do Windows, embora nem sempre preciso: vez ou outra eu tive que tentar duas ou três vezes para o reconhecimento funcionar. Apesar disso, ele continua sendo mais prático do que o tradicional desbloqueio por senha.

O discreto leitor de impressões digitais (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O discreto leitor de impressões digitais (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Desempenho, bateria e software

Embora o HP Probook X360 não seja um notebook topo de linha, o seu hardware está longe de decepcionar. Comecemos pelo processador, um AMD Ryzen 5 4500U de seis núcleos e GPU Radeon Vega 6 integrada.

Esse chip executou com desenvoltura e sem demora na abertura todos os aplicativos testados, inclusive alguns mais pesados. O jogo Asphalt 9: Legends, por exemplo, rodou com quedas na taxa de frames quase imperceptíveis.

Contribui para o desempenho um SSD NVMe de 256 GB e 16 GB de memória DDR4 que pode ser expandida: o X360 tem dois slots para RAM, mas apenas um é ocupado. O único problema é que você precisa abrir o equipamento para isso, pois não há tampa de acesso fácil aqui.

HP Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

HP Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O Probook X360 esquenta um pouco com tarefas pesadas, mas tem um sistema de ventilação que cumpre o seu dever. Para tanto, uma ventoinha ligada à saída de ar no lado esquerdo entra em ação com relativa frequência. Felizmente, ela não é barulhenta.

Como o Ryzen 5 4500U é um chip com TDP de apenas 15 W, ele acaba não demandando muito energia. Esse detalhe ajudou a bateria do modelo a se sair bem nos testes, apesar de ela contar com 45 Wh.

Para testar o componente, rodei um vídeo de duas horas na Netflix e outro de uma hora no YouTube com brilho máximo na tela, ouvi Spotify via alto-falantes por uma hora com a tela ativada na maior parte do tempo, joguei Asphalt 9: Legends por 15 minutos e usei Chrome também por uma hora.

HP Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

HP Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Essas tarefas fizeram a carga cair de 100% para 16%. Com base nisso, podemos estimar uma autonomia de aproximadamente seis horas com uso moderado.

Já o tempo de recarga de 10% para 100% com o notebook desligado foi de 1h15min, um intervalo muito interessante.

No quesito software, o X360 testado aqui conta com o Windows 10 Home acompanhado de quase dez ferramentas da HP, um número alto. Acho que a companhia poderia ter concentrado alguns deles em uma ferramenta só. Pelo menos o notebook não vem com trial de antivírus.

Ferramentas da HP (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Ferramentas da HP (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

HP Probook X360 435 G7: vale a pena?

Tem sido difícil recomendar notebooks nos últimos meses porque todos estão muito caros no Brasil. Com preço sugerido próximo a R$ 6.000, o Probook X360 que aparece neste review não é exceção.

Mas, do ponto de vista técnico, este é um notebook que reúne várias características positivas. Nenhuma delas é notável, em compensação, o conjunto de recursos é equilibrado e é isso que faz diferença.

Encontramos aqui um acabamento externo robusto, design sóbrio, uma tela que não é perfeita, mas que está muito acima dos painéis LCD simplórios que são comuns no Brasil, uma bateria com autonomia minimamente decente, teclado retroiluminado, leitor de digitais e um hardware que oferece desempenho consistente.

HP Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

HP Probook X360 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Sem contar que é bom ver notebooks com processador AMD aparecendo com mais frequência no Brasil. Eles ainda são minoria, mas aos poucos vão diversificando as opções que temos por aqui.

Eu só não indicaria esse modelo para quem precisa de tela sensível a toques e caneta para trabalhos gráficos. Esses recursos são diferenciais, mas a tela existente aqui não me parece a melhor opção para designers, ilustradores e afins — talvez como quebra-galho, mas não para uso intensivo.

Se o display tivesse superfície mais firme para evitar marcas ou exibisse cores um pouco mais vívidas, daria para pensar no assunto.

Para atividades profissionais ou domésticas que não dependem de uma tela sensível a toques, porém, o Probook X360 tem boas chances de agradar, ainda mais se você conseguir encontrá-lo com um bom desconto.

Notebook HP Probook X360

Prós

  • Acabamento robusto e sóbrio
  • Leitor de digitais é sempre bem-vindo
  • Teclado retroiluminado também
  • Bateria decente e com recarga rápida
  • Bom conjunto de hardware

Contras

  • Uma conexão Ethernet faz falta
  • A tela é boa, mas merecia mais capricho
Nota Final8.7
Tela
8
Design
8
Bateria
9
Software
8
Desempenho
9
Conectividade
8
Som
8
Teclado
10
Trackpad
10

Especificações técnicas

  • Processador: hexa-core AMD Ryzen 5 4500U com GPU Radeon de seis núcleos
  • RAM: 16 GB de DDR4 de 3.200 MHz
  • Armazenamento: SSD NVMe de 256 GB
  • Tela: 13,3 polegadas, UWVA LCD, resolução full HD (1920×1080 pixels), brilho de 250 nits, sensível a toques
  • Bateria: três células (45 Wh)
  • Conectividade: USB-C (1) com DisplayPort, USB-A 3.1 Gen 1 (2), HDMI 1.4b (1), conexão para fones e microfone, Bluetooth 5.0, Wi-Fi 6
  • Outros: teclado ABNT2 com retroiluminação LED, leitor de impressões digitais, tela dobrável em 360 graus (modo tablet), webcam de 720p com proteção, leitor de microSD, dois alto-falantes, trava Kensington, chip para giroscópio e acelerômetro
  • Sistema operacional: Windows 10 Home
  • Dimensões: 30,85 x 22,29 x 1,79 cm
  • Peso: 1,45 kg

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando