Início » Jogos » Valve é processada por “monopólio em jogos de PC” no Steam

Valve é processada por “monopólio em jogos de PC” no Steam

Após Apple, Valve também é processada por conta de suposto monopólio e altas taxas de comissão contra empresas

Felipe Vinha Por

O estúdio Wolfire Games, responsável pelo site e projeto Humble Bundle, iniciou um processo contra a Valve, criadora do Steam e de vários jogos que por lá estão, sob alegação de monopólio. O objetivo é atacar a dominância da Valve no mercado de games para PC, já que o Steam é uma das lojas digitais mais antigas do ramo – e que conta com um dos catálogos mais vastos.

Steam pode ter problemas legais por suposto monopólio (Imagem: Reprodução)

Steam pode ter problemas legais por suposto monopólio (Imagem: Reprodução)

O processo, que já foi registrado em Washington, nos EUA, diz que considera ilegal a união do Steam como plataforma e o Steam como loja, por criar um ambiente muito centrado para desenvolvedores de jogos.

Pode parecer confuso, mas a desenvolvedora alega que a Valve tira proveito da situação, tentando convencer desenvolvedores que lançar um game no Steam é sinônimo de sucesso, enquanto mantém a alta comissão de 30% para cada venda.

A afirmação tem um fundo de verdade: nos últimos anos, vários jogos que estavam disponíveis apenas em outras plataformas entraram no Steam. Um dos grandes exemplos foi com a EA, que tem seu próprio aplicativo, o Origin, mas decidiu voltar a vender tudo no Steam, de Need for Speed a The Sims com todas as expansões.

O problema é que não para por aí. De acordo com o processo, o Steam, em tese, proíbe que desenvolvedores aumentem o preço dos games na plataforma em relação a outras, para compensar a taxa de 30%.

Apple X Epic X Steam X Wolfire

Vale lembrar que a taxa de comissão que a empresa cobra de desenvolvedores, em sua maioria, é de 30% também em outras plataformas. Mas algumas estão tentando mudar a situação e o ecossistema.

A Microsoft já anunciou que vai cortar para 12% para jogos de PC a partir de agosto. A Epic Games Store, principal concorrente do Steam, já trabalha com comissão de 12% há algum tempo, o que a torna extremamente competitiva.

O problema da Wolfire com a Valve se assemelha ao que Epic Games e Apple encaram desde o final de 2020 – as duas empresas estão em batalha judicial por conta da taxa cobrada por venda em aplicativos na App Store.

Com informações: The Verge.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
24 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Islan Oliveira (@Islan_Oliveira)

No caso da Apple eu até concordo um pouco com a Epic, visto que pra fins práticos (quem faz jailbreak?) só se tem a App Store, mas no computador o que não faltam são opções de lojas pra se lançar os jogos.

@bkdwt

Quem deu entrada com esse processo sabe o significado de “monopólio”?

Igor Pamplona (@Igor_Pamplona)

eu não entendi ou eu não sei o que a palavra monopólio significa.
o problema é o monopólio (que aparentemente não existe, as empresas vão pra steam porque querem) ou é a taxa (que é basicamente a mesma nas plataformas)?

André (@andre00)

O problema é que não para por aí. De acordo com o processo, o Steam, em tese, proíbe que desenvolvedores aumentem o preço dos games na plataforma em relação a outras, para compensar a taxa de 30%.

Parece uma regra escrota, mas o problema é que se isso fosse permitido muitos usariam o Steam como “vitrine” pra vender o jogo em outra plataforma.

Algo parecido foi quando a Epic começou a comprar a exclusividade de vários jogos. Os desenvolvedores lançavam a página do jogo na Steam apenas para divulgar e usar os fóruns, mas o jogo em si não estava disponível para compra lá. Há alguns meses a Valve proibiu essa prática.

R F (@R_F)

Mas um exemplo de “cuspindo no prato que come”. Boa parte dos jogos da HB são baseados em códigos da Steam.

Ainda bem que parei de comprar produtos com eles.

Maycon Cruz (@MikeCross)

“O processo, que já foi registrado em Washington, nos EUA, diz que considera ilegal a união do Steam como plataforma e o Steam como loja, por criar um ambiente muito centrado para desenvolvedores de jogos.
Pode parecer confuso, mas a desenvolvedora alega que a Valve tira proveito da situação, tentando convencer desenvolvedores que lançar um game no Steam é sinônimo de sucesso, enquanto mantém a alta comissão de 30% para cada venda.”

Peraí: O fato da Steam se vender como uma plataforma de games que também dá ferramentas de desenvolvimento e divulgação é o que faz o diferencial dela, no qual ela se embasa pra cobrar os 30%.
Esse argumento pra mim não soa bem, porque não é esse o princípio de como o livre mercado (sem aquela pataquada ancap de “autorgulação”) deve ser? Sob esta ótica, qualquer diferencial entre serviços pode ser considerada “pretexto pra monopólio”…

O problema é que não para por aí. De acordo com o processo, o Steam, em tese, proíbe que desenvolvedores aumentem o preço dos games na plataforma em relação a outras, para compensar a taxa de 30%.

Sim, porque caso contrário, isso abriria brecha para dumping: uma plataforma pode muito bem encarecer os produtos na Steam pra favorecer qualquer outra plataforma e por a culpa nos 30%.

Na moral, eu sou contra monopólios tal como qualquer outro aqui, mas esse tipo de declaração é pura insensatez! Se todos as plataformas fossem idênticas em valores e serviços, para que em teoria deixasse o gosto do consumidores ditassem suas escolhas, não teríamos nenhum propósito para criar serviços melhores. Eu admiro o pessoal da Humble, mas essa foi uma bola fora fenomenal…

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Eu penso o mesmo, especialmente considerando que as chaves vendidas em outras lojas não geram lucro algum para a Valve

Maycon Cruz (@MikeCross)

A palavra “monopólio” está no caminho de se tornar trivializada, assim como muitos termos negativos já foram, pois daqui a pouco isso vira “se você não compra comigo, é sinal que monopólio existe”.

Felippe Henrique (@Felippe_Henrique)

O estúdio Wolfire Games, responsável pelo site e projeto Humble Bundle

O processo, que já foi registrado em Washington, nos EUA, diz que considera ilegal a união do Steam como plataforma e o Steam como loja, por criar um ambiente muito centrado para desenvolvedores de jogos.

Deixa eu ver se entendi: eles consideram monopólio fazer algo que eles fazem?
Logo se eles consideram monopólio fazer o que eles fazem é porque eles querem que só eles façam isso e querer que só eles façam isso não é monopólio?!

Parece processo de maluco kkkkkk
Monopólio é o que a Epic faz quando compra exclusividade, o que a Steam faz é ser um serviço melhor.

Guilherme Borges (@Loumier)

Achei o exemplo usado para sustentar essa ideia muito ruim. A existência da Origin foi um erro desde o começo e mesmo depois da EA voltar atrás e vender seus jogos na Steam novamente, a Origin continua me dando dores de cabeça.
Recentemente tive vários problemas com o Battlefield V, pois apesar de ter sido adquirido na Steam, ele ainda me obrigava a carregar o jogo via Origin e vários erros aconteceram no processo. O sucesso na Steam se deve ao fato de que é uma plataforma muito melhor e mais confiável e eu mesmo não confio de comprar meu jogos em outras plataformas. A EA já chegou inclusive a banir um país inteiro da Origin, e inclusive há relatos de usuários que reclamaram da Origin no fórum da EA e tiveram suas contas (com todos seus jogos que foram comprados) permanentemente bloqueados.

Felippe Henrique (@Felippe_Henrique)

Acho que a reclamação REAL da Wolfire é que a Steam é boa demais no que faz e eles não gostam disso, então vão usar o peso do estado pra tentar acabar com isso.

Júlio Tenório (@JulioTenorio)

Ia comentar exatamente isso que vocês dois comentaram. A HB vende vários jogos que são ativados via Steam, eles recebem o dinheiro como bem entender e depois disso acabou, a Steam fica responsável por todo resto.

Marcelo Machado Araújo (@Gunstorm)

Cheirinho de inveja

Eu (@Keaton)

Pronto. Agora já virou farra…

Monopolio do Steam? Só se for de jogo no Linux/Mac, pq… c’mon dude… Epic Store, GOG, Origin, Microsoft Store… etc…

Maycon Cruz (@MikeCross)

Concordaria com essa afirmação se por acaso ela estivesse fazendo práticas que fariam ações antitruste fazerem sentido, como por exemplo se ela comprasse concorrentes, ou puxando para a indústria dos games, forçar acordos de exclusividade para manipular artificialmente a sua base de usuários, tal como a Epic Games faz.
A Steam pode ser muita coisa, desde uma dev/distribuidora cujo seu foco em games pode ser dita como questionável, até mesmo como complacente com certas atividades de ética duvidosa, vide o envolvimento de seus games com apostas. Mas monopólio? Acredito que isso seja leviano.
Eu entendo que você parte do princípio de que “ninguém pode ser grande demais, mesmo se tal tamanho veio com base na qualidade de seus serviços”, e por isso mesmo não consigo compactuar com isso. Isso seria como se levantasse o status quo de que existe um limite arbitrário em relação a quanto um produto ou serviço deve ser distribuído, o que por sua vez é péssimo tanto para quem quer fazer negócios, quanto para os consumidores que sempre anseiam por algo melhor.

Exibir mais comentários