Início » Brasil » Leilão da Receita tem iPhone a partir de R$ 250, Xiaomi, PS4 e mais

Leilão da Receita tem iPhone a partir de R$ 250, Xiaomi, PS4 e mais

Leilão de mercadorias apreendidas pela Receita Federal tem PlayStation 4, Xbox, celulares Xiaomi / Redmi, Raspberry Pi, entre outros

Felipe Ventura Por

Um leilão sendo realizado pela Receita Federal oferece o iPhone 7 Plus a um lance inicial de R$ 250; há também celulares Xiaomi custando a partir de R$ 370, além de kits com duas unidades do PlayStation 4 começando em R$ 700. As mercadorias apreendidas estão localizadas em Recife, João Pessoa e Natal; elas podem ser arrematadas até 4 de junho de 2021.

iPhones em leilão (Imagem: Divulgação / RFB)

iPhones em leilão (Imagem: Divulgação / RFB)

É comum encontrar produtos da Apple nos leilões da Receita, e desta vez não é exceção: o lote com o iPhone 6S e três unidades do iPhone 5S começa por R$ 700; enquanto um iPhone X tem lance inicial de R$ 800.

O PlayStation 4 de 1 TB é destaque em cinco lotes separados, cada um com duas unidades do console. Há também um kit com 10 PS4, Xbox One, Xbox 360, PS3 Slim e um sortimento de acessórios a partir de R$ 3 mil.

Produtos da Xiaomi vêm aparecendo mais nos leilões, dado que pessoas e empresas tentam importar celulares e fones da marca – às vezes sem pagar impostos – e caem na malha fina da Receita. O Redmi Note 8 acompanhado pelo Mi Smart Band 4 começa em R$ 370.

Além disso, estão sendo leiloados o Google Home Mini, o pequeno computador Raspberry Pi 3 Model B, e um Galaxy J7 Prime – o celular da Samsung tem lance inicial de apenas R$ 160.

Raspberry Pi 3 Model B (Imagem: Divulgação / RFB)

Raspberry Pi 3 Model B (Imagem: Divulgação / RFB)

Como participar do leilão da Receita Federal?

Confira nosso guia ensinando como participar de um leilão da Receita Federal clicando aqui.

Assim como em todo leilão da Receita, bens arrematados por pessoas físicas só podem ser destinados a uso ou consumo, enquanto pessoas jurídicas podem revendê-los. Em todo caso, o arrematante deve cumprir eventuais exigências da Anatel no caso de produtos de telecomunicações.

Não há cobrança de tributos federais, mas o ICMS incide sobre o valor da arrematação. Além disso, a retirada das mercadorias fica por conta de quem adquiriu o lote – não há serviço de entrega.

Para saber todos os detalhes sobre o leilão da 4ª Região Fiscal, visite o site da Receita Federal.

Leilão da Receita tem PS4, iPhone, Xiaomi e mais

Redmi AirDots, fones TWS da Xiaomi (Imagem: Divulgação / RFB)

Redmi AirDots, fones TWS da Xiaomi (Imagem: Divulgação / RFB)

Confira os principais lotes neste leilão envolvendo produtos de tecnologia, reunidos pelo Tecnoblog:

Lote(s) Produto(s) Lance inicial
4 MacBook Pro R$ 900
6 iPhone 7 R$ 450
7 iPhone 6S
iPhone 5S (3 unidades)
R$ 700
9 iPhone 7 Plus R$ 250
11 iPhone X R$ 800
13 iPhone X
iPhone 6S
iPhone 6 (3 unidades)
iPhone 7 (10 unidades)
R$ 4.000
17, 18, 19, 20 e 38 PlayStation 4 1 TB (2 unidades) R$ 700
25 Xiaomi Mi 8 Lite
Redmi Note 6 Pro
Redmi 4A (2 unidades)
Redmi 4X (7 unidades)
R$ 550
27 Samsung Galaxy J7 Prime R$ 160
32 PlayStation 4 1 TB (10 unidades)
Xbox One
Xbox 360
PS3 Slim
acessórios de consoles
R$ 3.000
50 Xiaomi Redmi AirDots (13 unidades)
JBL Synchros E10 (3 unidades)
fone i12
R$ 600
60 Google Home Mini (4 unidades) R$ 250
66 Raspberry Pi 3 Model B (20 unidades) R$ 1.500
81 Redmi Note 8
Xiaomi Mi Smart Band 4
R$ 370
O iPhone 7 Plus com lance inicial de R$ 250 (Imagem: Divulgação / RFB)

O iPhone 7 Plus com lance inicial de R$ 250 (Imagem: Divulgação / RFB)

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
24 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Julian Leno (@Julianleno)

O famoso roubo legalizado

André Leonardo Heidemann (@Andre_Leonardo_Heide)

Antes o que era ilegal, magicamente, se tornou legal…

Fernando Val (@fval)

O ilegal, nesse caso, é importar sem pagar os tributos ou pelas vias competentes.

Uma vez apreendidos, quem comprou tem um prazo para apresentar a documentação/pagar os impostos. Ao fim desse prazo o material vai a leilão.

Produtos ilegais não vão a leilão, são destruídos após encerrar o período em que são mantidos como provas nos processos criminais.

Raul André (@Raul_Andre)

Não vejo diferença da receita para os mãos leves que furtam celular e vendem na feirinha do rolo…

Eu (@Keaton)

Se alguém conseguir comprar o lote de Raspberry Pi por um valor decente, me vende um por 100?

Nem adianta tentar explicar. Acompanha os artigos com essa temática para tu ver a maravilha que é.

Ainda bem que os pé de chinelo te dão a opção de pagar imposto para devolver o celular que você já pagou os impostos… né.

Victor Andy (@Vick)

Bom, por experiência própria, sabemos que a apreensão desses produtos pode ser moralmente ilegal.
Tendo em vista que algumas vezes a pessoa que fez a compra paga o produto e o frete, quando chega na alfândega eles cobram outro frete muito superior, as vezes o dobro do que já foi pago, ou mais.
Exemplo:O envio do país ao qual você comprou, cobra o equivalente a 150 reais, ( na minha opinião esse valor já deveria cobrir o valor total, até o destino do endereço, pois o endereço informado na compra é calculado por ele) ao chegar ao Brasil, a alfândega quer o dobro disso (não faz muito sentido cobrar o dobro de um frete, sendo que o envio é nacional ao chegar no território e saí mais caro do que o internacional) não informam ao comprador que seu produto já chegou ao Brasil, tão pouco que está detido.
O comprador fica totalmente as cegas, ainda mais porque sabe que o produto importado pode demorar meses para chegar, e aguarda recebe-lo em casa, através de entrega.
Por este motivo acho que o prazo acaba vencendo e o produto fica apreendido.
Praticamente um sequestro, em que o cliente tem que pagar um resgate pelo seu produto, e as vezes nem sabe disso.
Comprei um celular e fones da Xiaomi, iguais a esses da matéria, junto com minha irmã.
Ela pagou a vista, eu parcelei. O meu entregaram em casa, o dela cobraram mais de 300 reais, se não não liberariam e iriam para leilão como estes.
(Detalhe: não sabíamos o que estava acontecendo, e só depois de muito tempo, procurando em sites e pesquisando, foi que descobrimos que já estava há muito tempo no Brasil, mas teria que ser liberado por uma taxa)
Minha dúvida foi: eles cobram aleatoriamente?
Ou geralmente de pessoas que pagam a vista?, Pois sabem que elas tem dinheiro, e podem pagar?
Pois não dá pra entender, um produto ser comprado na mesma loja, um ser taxado e outro não.
A política do Brasil precisa de uma reforma, as coisas tem que mudar, honestidade, caráter e justiça, temos que parar de aceitar essas coisas sem sentido moral, que só sustentam pilantras, que se valem dessas leis furadas para abusar dos cidadãos.

Antonio Marcos Vido (@Antonio_Marcos_Vido)

Na verdade, tudo balela, eu e você sabemos que quem fica com os melhores e mais acesso as mercadorias são os parentes e amigos dos funcionários da receita todo mundo sabe disso, mas tá bom vivemos no país de faz de conta…

² (@centauro)

@felipe Fica a sugestão de colocar o link pra matéria de como funciona esse leilão da RF nas matérias sobre leilão da RF, porque é bem comum aparecer gente perguntando como faz pra participar quando sai uma matéria dessas.

Eu (@Keaton)

Se tu aceita comprar com nota fiscal falsa para evitar imposto e a fiscalização pegar… “Receita federal má. roubou meu produto. mimimi”… nota fiscal falsa por si só já é crime… se ficar provado que tu falsificou ou pediu para… complica.

Geralmente o preço de 1500 reais no Brasil para um produto de 150 reais na China é que na China geralmente ainda não pagaram impostos brasileiros, lucro dos importadores, impostos brasileiros, frete das importadoras para as revendedoras, impostos brasileiros, lucros dos revendedores. Eu já mencionei impostos brasileiros?

Eu não sou contra a RF apreender produtos. Aquela quote foi resposta à outro comentário, pé de chinelo não é a RF e sim o outro citado no outro argumento.
Sobre o PI, porque já foi apreendido e a pessoa perdeu chance de regularizar ou não regularizou por algum motivo obscuro. Não é meu problema se quem importou foi besta o suficiente de não regularizar. A chance teve. (Se tu importa algo, tu tem de se responsabilizar pelos prazos, correr atrás das informações e etc…)
Mas honestamente não acredito que foi PF que importou tantos PIs e no caso de PJ, tem de se ferrar mesmo por ser incompetente à esse nível.

Eu (@Keaton)

Num mundo ideal, deveria cobrir sim… Mas tu sabe se eles repassam alguma parte pros Correios brasileiros? (Apesar de eu achar que essa empresa é uma desgraça, eles deveriam receber uma parte nesse caso)

A Alfandega geralmente requer 60% do que passar daqueles 50USD do valor produto+frete e não o dobro do frete.

É dever de quem importou acompanhar o que importou… uma simples busca no site dos Correios informa ou ao menos deveria informar que caiu na fiscalização.
Se tu importa as coisas sem se informar antes e depois não presta atenção, não adianta botar a culpa nos outros.

Uai… era só ter ido no site de onde tu importou e rastrear. 90% dos sites oferecem essa opção.
Se tiver código de rastreio, só usar o próprio site dos Correios.

As vezes eles avaliam o produto, as vezes eles cobram uma taxa “padrão”. Eu tive de pagar 210 reais na importação de um tablet gráfico em 2018. Se eles tivessem cobrado 60% acima dos 50 USD, eu teria pago mais de 400… então deixei quieto. hahaha

Isso é sorte (ou azar, dependendo do ponto de vista). A Alfandega simplesmente não tem como fiscalizar tudo. Ou seja, dependendo da sorte, passa sem ser pego.

No meu caso já passou muita coisa cara sem taxar. Um Zoom H1N que eu tenho aqui e duas bombas da DOOGEE (por bomba entenda telefone ruim. DOOGEE MIX) não pegaram taxa.

Eu (@Keaton)

Simples. Isso ajuda à levantar fundos para manter o trabalho da RF.

[citação requerida]

Evandro Rodrigues da Luz Moura (@EvandroRLM)

Estados Unidos que tem vários acordos de livre comércio é pago, taxa de entrada.
Por sinal, é comum em diversos países, se não me engano, só alguns blocos tem isenção da taxa. Se não me engano, Países baixos e a União Europeia, não cobra taxa de importação para países do bloco, mas, cobra uma taxa interna (Vat Duty) que é a taxação de um produto interno.

Então, é uma pratica global, cobrar importação.

O resumo, é simples.

Se você declara correto e verificarem o produto nada ocorre.
Se você falsifica, (declara valor ou errado incompatível) eles te dão a chance de ainda retirar o produto, sem qualquer penalidade.

Mesmo sendo uma fralde. Sinceramente,passa a mão na cabeça e nego reclama ainda.

PS: A taxa de importação que você pagou, já está embutida no preço da compra no produto, mas isso não significa que você pagou todas as taxas.

² (@centauro)

Nem toda empresa que envia internacionalmente vai querer ficar programando o esquema de imposto brasileiro* no sistema de checkout deles.

E a maioria dos sites que enviam para o exterior colocam em algum lugar (normalmente na lista de perguntas frequentes) o aviso de que cada país tem o seu sistema tributário próprio e que o cliente é o responsável pelo pagamento desses tributos (caso existam) e é o cliente quem deve verificar como funciona o sistema tributário no país (quanto cobram, quando cobram, como cobram, etc) pra onde está sendo enviado.

Não tem condições as lojas ficarem verificando o sistema tributário de todos os países para o qual eles enviam.

Algumas lojas fazem isso para países onde eles enviam com mais frequência, como a Amazon US e o Ebay fazem para o Brasil. Se você for comprar em um desses sites eles já colocam (e cobram) o preço do produto mais o que eles estimam que vai ser o imposto e o frete. Isso porque essas lojas também realizam o serviço de desembaraço fiscal, que é quando o imposto de importação é pago e que a maioria das lojas que enviam para o Brasil não realizam.

*Esquema esse que, por sinal, varia de estado pra estado, o que torna o processo ainda mais chato.