Início » Internet » Gettr, rede social de ex-conselheiro de Trump, recebe aliados de Bolsonaro

Gettr, rede social de ex-conselheiro de Trump, recebe aliados de Bolsonaro

A rede social criada por ex-conselheiro de Trump se propõe a não censurar conservadores, o que a levou a ser usada por aliados de Bolsonaro

Pedro Knoth Por

A rede social Gettr, lançada no dia 4 de julho — dia da independência dos EUA — por um ex-conselheiro de Trump atraiu aliados de Bolsonaro no Congresso, além de apoiadores. A plataforma surge em meio ao banimento do ex-presidente americano em mídias sociais como Twitter, YouTube, Facebook e Instagram.

Donald Trump (Imagem: Gage Skidmore/Flickr)

Donald Trump (Imagem: Gage Skidmore/Flickr)

Gettr sofre ataque hacker no dia de inauguração

No domingo (4), em seu lançamento, a Gettr enfrentou um ataque hacker que atingiu as principais contas de republicanos no site, como o do próprio fundador e ex-conselheiro de Trump, o empresário Jason Miller. O hacker, que se identificou apenas como @JubaBaghdad, escreveu na descrição dos perfis “@JubaBaghdad esteve aqui 🙂 ^^ libertem a Palestina ^^”. Outro aliado de primeira hora de Trump e ex-Secretário de Estado, Mike Pompeo, também teve sua conta alterada.

Miller enviou um e-mail ao The Verge e disse que o hacker não obteve dados, apenas mudou o nome de alguns usuários. O ex-conselheiro de Trump afirma que a Gettr já conta com mais de meio milhão de usuários cadastrados. A plataforma terá recursos parecidos com o do Twitter, com algumas mudanças: posts de 777 caracteres, vídeos de três minutos e streaming ao vivo.

O app da Gettr já está disponível na App Store e na Play Store — no momento de publicação desta matéria, era a rede social mais baixada no Brasil na loja virtual da Apple. O slogan “A Marketplace of Ideas” (“um marketplace de ideias”, em tradução livre) convida principalmente usuários que suspeitam outras plataformas de censurarem conteúdo conservador e terem pautas que as identificam como “de esquerda”.

Filhos e aliado de Jair Bolsonaro já têm perfil na Gettr

Em seus termos de uso, a Gettr se propõe justamente a fugir da “censura” de concorrentes e ser um espaço “onde a liberdade de expressão é o principal atrativo”. Aliados do Presidente Jair Bolsonaro — por vezes chamado de “Trump dos Trópicos” pela imprensa internacional — estão migrando para a nova rede social.

O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, invetsigado pela Polícia Federal no inquérito de uma rede criminosa cibernética para publicar desinformação, celebrou a inauguração da plataforma e já abriu sua conta.

A nova rede social também conta com a presença de políticos do “baixo clero” da Esplanada, mas fiéis aliados de Bolsonaro, como os deputados federais Paulo Martins (PSC-PR), Carlos Jordy (PSL-RJ) e Daniel Freitas (PSL-SC).

Jair Bolsonaro entrou na plataforma com uma conta que aparenta ser oficial, mas tem pouco mais de 25 mil seguidores. Trump, por enquanto, não está na Gettr; segundo a Bloomberg, ele não tem planos de criar sua própria conta na rede, mas prometeu retornar às redes sociais com a criação de uma plataforma própria.

Por enquanto, a Gettr não oferece tradução de páginas para o português e os trending topics da rede social — outra função semelhante a do Twitter — são todos definidos pelos termos mais procurados nos EUA. Nesta segunda-feira (5), por exemplo, está em alta o comício de Trump em Sarasota, na Flórida, onde o republicano voltou a defender que houve fraude nas eleições vencidas pelo democrata e atual presidente Joe Biden.

Com informações: The Verge.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
17 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rafael Salgado (@rafasalgado)

a Gettr se propõe justamente a fugir da “censura” de concorrentes e ser um espaço “onde a liberdade de expressão é o principal atrativo”.

Ou seja, vão deixar fascista ser fascista à vontade.

Igor (@igor_meloil)

Que é o q todo mundo já esperava.

Agora qualquer crime é considerado liberdade de expressão ou “minha opinião” e querem q esteja tudo bem

Josisclelson (@Josisclelson)

hurr durr fascismo

Eu (@Keaton)

Pelo menos agora tu sabe que aquele ambiente não será nada sadio e pode evitar. Deixa reuinir num cantinho obscuro da internet e que se exploda. Melhor que eles ficarem sujando tudo que é parte. hahaha

Ah, não tem descrição melhor. hahaha

² (@centauro)

Essa definição é uma definição popular ou acadêmica?
Do ponto de vista acadêmico, até onde eu saiba, fascismo é um movimento da extrema direita conservadora nascido na Itália e liderado pelo Mussolini. Algumas das características desse movimento são o autoritarismo, o ultranacionalismo, a repressão de valores liberais e coletivistas.

No lado oposto do espectro político os movimentos geralmente considerados de extrema-esquerda são o anarquismo, o socialismo libertário ou o comunismo.

Por isso que, do ponto de vista acadêmico, falar que exsite “fascismo de esquerda” é contraditório. O fascismo valoriza coisas que a (extrema) esquerda condena.

Gigo CAP (@GigoCAP)

Sei lá, hein?

Foi numa bolha desregulada como o 4Chan que surgiu essa besteirada de QAnon. E olha a proporção que teve.

Reinaldo Boson (@Ticano)

E o que isso tem a ver com tecnologia mesmo? olha o texto desse post, 100% ideológico, ta louco, Tecnoblog caindo de nível e entrando em assuntos alheios ao que queremos ler.

Acompanho o Blog a muitos anos e isso não nos interessa. Fica a dica.

Igor (@igor_meloil)

É um aplicativo XD

🤷‍♀️ (@xavier)

Falaram isso pros lunáticos anti-vacina. Corta pra 2021 e essa praga está atrapalhando a vida de todo mundo.

Rafael Machado de Souza (@rafael.mds)

Juntando chorume de direita num só lugar. Brasileiros indo atrás como bons cachorrinhos.

Igor (@igor_meloil)

Brasileiro adora babar ovo de americano, seja bom ou ruim.

Anderson Antonio Santos Costa (@Anderson_Antonio_San)

Mais um site onde os fanáticos e negacionistas terão voz e não serão censurados.
Não duvido que apoiadores de Donald Trump e Jair Bolsonaro estejam nesse site. Assim como pessoas que acham que a liberdade de expressão é ilimitada e irrestrita.
E esse apoio irrestrito dado a vozes de extrema-direita ou esquerda tem sido o principal erro que os tempos de redes sociais dominando nossas vidas têm.

Eu (@Keaton)

Ah… fanático tem de ambos lados… Não só do Trump, não só do Trump brasileiro… e todos os extremistas fanáticos são problemáticos, independentemente se politicos, religiosos ou qualquer coisa.

🤷‍♀️ (@xavier)

Liberdade de expressão é diferente de discurso de ódio, incitação de violência, compartilhamento de fake news.
Pode ser apenas coincidência (o que eu duvido) é que todos sejam políticos de externa direita, beirando o facismo.

Mas nem vou me aprofundar nisso, pois sei que não haverá diálogo.

Gustavo Guerra (@GustavoGuerra)

Mais uma rede social inútil na web… Não sei porque todas essas alternativas “sem censura” gostam tanto de copiar o Twitter, ninguém tem a capacidade de pelo menos fazer algo diferente.

Como redator de conteúdo desde os 13 anos de idade, eu juro que me esforcei para ver onde no texto do @pknoth existe alguma posição política à favor ou contra alguém.

Tirando o “invetsigado” escrito errado, o artigo só está apresentando os fatos relacionados a chegada do app e quem está usando ele. Não há crítica, insinuação, provocação ou apoio a ninguém ali, como ocorre de praxe no conteúdo do Tecnoblog.

Não existe liberdade de expressão em propriedade privada, você segue as regras da plataforma que concordou ao entrar, do contrário sofre as consequências previstas. É simples, você não manda no terreno alugado que está.

Exibir mais comentários