Início » Gadgets » Fone Bluetooth JBL Tune 510BT: um headphone honesto

Fone Bluetooth JBL Tune 510BT: um headphone honesto

JBL Tune 510BT é um headphone de entrada com muita bateria e som equilibrado para quem não quer gastar muito dinheiro

Darlan Helder Por
Nota Final 8.2
JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O setor de headphones de entrada é dominado por Philips, Edifier, JBL e Sony, que infelizmente deixou o Brasil. Mas a Harman, dona da JBL, deve aproveitar essa lacuna para variar o seu portfólio, que já é hiper diversificado, diga-se de passagem. O JBL Tune 510BT é um bom exemplo disso. Lançado em abril de 2021, o modelo logo chamou a atenção por oferecer até 40 horas de som, carregamento rápido e um bom custo-benefício, já que tem preço sugerido de R$ 299.

Bluetooth 5.0, conexão multiponto e tecnologia Pure Bass, que dá ênfase aos graves são outros destaques do headphone. Será que ele consegue ser superior que o JBL Tune 500BT e o Edifier W800BT? Ou será melhor investir no Philips TAUH202? Eu passei alguns dias com o novo JBL Tune 510BT para entender a sua proposta e conto as minhas impressões neste review.

Análise do JBL Tune 510BT em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo.

O Tune 510BT foi fornecido pela JBL por empréstimo e será devolvido à empresa após os testes. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica.

Design, conforto e controles

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O JBL Tune 510BT é um fone tradicional. Ele não se distanciou do 500BT, que é o triunfo da empresa na categoria de entrada, e ainda é bem semelhante ao Tune 660NC e ao Sony WH-CH510. Ao contrário do Edifier W800BT, que tem um acabamento mais sofisticado, o headphone da JBL tem uma proposta básica e foca na robustez, com plástico simples em toda a estrutura, incluindo arco e conchas. Não é um material super-resistente, como já esperamos, e exige um certo cuidado do usuário no manuseio.

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Flexível, o headphone pode ser ajustado facilmente na orelha e se mostrou muito confortável, sem gerar pressões mesmo no primeiro dia de uso. Também estamos falando de um fone prático para o cotidiano que permite guardar as conchas e ser transportado na mochila e na mala de viagem. Apesar de ser um bom produto para o dia a dia, o 510BT foi pensado para ambientes fechados (trem, metrô, escritórios e residências), portanto, ele não é recomendado para atividades físicas, já que não tem certificação IP contra água.

A JBL escolheu a concha direita para alocar os botões de volume, liga/desliga e o de play/pause, também usado para acionar assistentes virtuais ao pressionar duas vezes (funciona com a Siri, Google Assistente, Bixby, mas a Cortana ficou de fora — será que alguém usa a Cortana?). Esse mesmo botão pode pausar e dar play em músicas e podcasts ao pressionar uma vez. A conexão USB-C para alimentação também está por ali: a posição parece estranha, já que a entrada fica na parte inferior em muitos fones. Porém, a dobradiça do arco acaba protegendo a conexão durante o uso, o que justifica a escolha de colocar a porta de carga no topo. Por fim, só faltou a entrada para cabo auxiliar, não né?

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O gadget tem Bluetooth 5.0 e a latência para vídeos praticamente não existe, logo, este é um bom equipamento para assistir a vídeos no YouTube, filmes e séries em plataformas de streaming. Uma coisa que eu gosto nos fones da JBL é a conexão multiponto, comumente encontrada em vestíveis premium. Com ela, eu consigo usar o 510BT em vários aparelhos ao mesmo tempo, podendo mudar de uma música no PC para uma ligação no smartphone facilmente. E nos meus testes esse recurso funcionou muito bem.

Qualidade de som

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O JBL Tune 510BT tem uma assinatura sonora que me agrada muito. Como era de se esperar, ele tem uma preferência e tende a deixar o som mais corpulento, com graves bem ativos graças à tecnologia Pure Bass. O mais interessante é que essa potência não chega a ser agressiva, por isso, mesmo em volumes elevados, as batidas não fazem o seu ouvido doer. Para os mais exigentes, é bom ressaltar que você não vai encontrar uma separação de instrumentos e um palco sonoro espetacular neste headphone, e isso não é um problema.

Ao reproduzir Cold, do Maroon 5 e Montero, do Lil Nas X, eu pude analisar que o Tune 510BT ressalta o vocal em ambas as faixas e os agudos parecem ficar mais tímidos devido ao espaço que os graves ganharam — as frequências baixas têm muito destaque. Apesar disso, eu vejo que este é bom fone para quem está sempre ouvindo pop, eletrônica e hip-hop. Se você costuma escutar esses gêneros com frequência, certamente este modelo da JBL vai te agradar.

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Em faixas mais complicadas, eu pensei que o 510BT poderia escorregar feio, mas o desempenho até foi satisfatório para um produto básico. Even Flow, do Pearl Jam, inicia congestionada com bateria e guitarra dominando, mas depois a música fica agradável, rica em detalhes e sem estridência. Por ser um headphone de entrada, ele não oferece cancelamento ativo de ruído e o cancelamento passivo é só ok.

Microfone e bateria

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Muitas pessoas devem se questionar se o JBL Tune 510BT é uma boa opção para videochamadas, ligações telefônicas e para mandar áudios no WhatsApp. A minha resposta é sim! O microfone capta muito bem o que você fala e os ruídos de fundo até parecem ser amenizados. A configuração é ótima para quem busca o básico para as reuniões no Zoom ou no Google Meet, por exemplo.

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O ponto alto deste produto é a bateria. A marca promete até 40 horas de músicas com apenas uma carga e 5 minutos na tomada garante mais duas horas de som. Se olharmos os concorrentes, é possível notar que este JBL fica um pouco para trás. Por exemplo, o W800BT, um dos maiores sucessos da Edifier, oferece impressionantes 75 horas, e o Anker Soundcore Life Q10, 60 horas de reprodução.

A questão aqui é que 510BT tem uma autonomia tão boa que seria injusto criticar ele porque os concorrentes oferecem mais. Eu recebi o fone lacrado com 60% de bateria e essa carga foi suficiente para ouvir músicas durante o trabalho por mais de quatro dias. Em outro teste, com a bateria em 100%, eu coloquei ele para reproduzir via Spotify às 09h. Depois de 9h41min de reprodução, às 18h41min, ainda tinham 90%.

JBL Tune 510BT: vale a pena?

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O que torna o JBL Tune 510BT uma excelente opção é justamente a sua proposta básica. Em toda a estrutura, a empresa simplesmente seguiu a receita dos antecessores, que vem dando certo, e colocou mais bateria nesta geração para quem não quer se preocupar com tomada. Vale lembrar que o Tune 500BT lá de 2019 foi lançado com bateria para 16 horas de reprodução, apenas. E, claro, o 510BT é um fone barato e fica até difícil dizer que não vale a pena considerando tudo isso.

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

JBL Tune 510BT (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Por outro lado, eu entendo que a proposta aqui é focar no Bluetooth e na conexão multiponto, recurso que funciona muito bem. Entretanto, eu gostaria que a entrada para cabo auxiliar estivesse presente, para deixar o produto ainda mais versátil. O Bluetooth 5.0 ainda dá conta do recado, mas já temos fones de entrada lançados em 2021 com a versão 5.2.

Mesmo com esses contras, o JBL Tune 510BT não deixa de ser um ótimo produto para o dia a dia, em especial para o home office. A qualidade sonora também é muito boa para a categoria e a autonomia é um grande destaque. Se você, porém, busca uma experiência além na parte do som, o Sennheiser HD 250BT, novo modelo de entrada da alemã, se saiu muito bem nos testes do Tecnoblog. Vale também acompanhar os rivais citados ao longo do review.

Fone Bluetooth JBL Tune 510BT

Prós

  • Custo-benefício muito interessante
  • Design confortável
  • Som energético para agradar a maioria das pessoas
  • Bom microfone para videochamadas
  • Que autonomia bizarra (de boa)

Contras

  • Não ganhou nenhum detalhe extra no design
  • Faltou entrada para cabo auxiliar
  • Poderia ter Bluetooth 5.2
Nota Final 8.2
Design
8
Bateria
10
Conectividade
8
Conforto
9
Graves
9
Médios
8
Agudos
8
Isolamento
7
Recursos
7

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando