Início » Finanças » Banco Central da China vê stablecoins como risco ao sistema financeiro

Banco Central da China vê stablecoins como risco ao sistema financeiro

Vice-presidente do Banco Popular da China, Fan Yifei, diz que criptomoedas como as stablecoins podem ser um risco para o sistema financeiro global

Bruno Ignacio Por

O banco central da China afirmou estar “bastante preocupado” com algumas criptomoedas. Para as autoridades chinesas, moedas digitais estáveis, geralmente lastreadas em moedas fiduciárias, chamadas de stablecoins, podem representar um risco para o sistema financeiro global por serem desenvolvidas pelo setor privado.

China vem tomando medidas contra bitcoin e outras criptomoedas (Imagem: RABAUZ/Pixabay)

China vem tomando medidas contra bitcoin e outras criptomoedas (Imagem: RABAUZ/Pixabay)

A Tether (USDT) é o principal exemplo desse tipo de criptomoeda, que está se tornando cada vez mais popular pela sua utilidade prática para pagamentos. Essa moeda digital é lastreada no dólar americano, apresentando uma equivalência de cotação. Atualmente, trata-se da terceira maior criptomoeda do mercado em capitalização e a maior entre as stablecoins, seguida pela USD Coin (USDC), que ocupa o oitavo lugar do ranking, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Porém, essas moedas vêm chamando a atenção de governos. O Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos já demonstrou estar preocupado em regulamentar propriamente as stablecoins. Agora, o Banco Popular da China (PBOC) afirmou que essas criptomoedas poderiam ser um risco para a estabilidade financeira global.

“As chamadas stablecoins de algumas organizações comerciais, especialmente as globais, podem trazer riscos e desafios para o sistema monetário internacional e para os sistemas de pagamentos e liquidação”, disse Fan Yifei, vice-presidente do Banco Popular da China, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (08), conforme traduzido pela CNBC.

Crescem as medidas contra criptomoedas na China

“Ainda estamos muito preocupados com essa questão, então tomamos algumas medidas”, disse Yifei. Na última terça-feira, o departamento de desenvolvimento de negócios do banco central chines e autoridades da cidade de Pequim ordenaram que uma empresa local fechasse sob alegações de fornecer serviços de software para transações de criptomoeda.

Durante maio e junho, o governo federal emitiu ordens de repressão à mineração de bitcoin no país e aos serviços e transações que envolvam moedas digitais. As medidas levaram ao maior fechamento de instalações de mineração da história, causando uma intensa queda na taxa de hash global de bitcoin e forçando um êxodo de mineradores, que agora se voltam aos Estados Unidos para se reinstalarem.

PBOC quer eliminar concorrentes do yuan digital

“Essas moedas (digitais) se tornaram ferramentas de especulação”, disse Yifei, acrescentando que elas representam ameaças potenciais à “segurança financeira e estabilidade social”. Ele também observou que o banco central está trabalhando com moedas digitais, principalmente para concluírem o desenvolvimento e implementação nacional do yuan digital, a CBDC chinesa (moeda digital do banco central).

Consequentemente, o PBOC não quer que sua criptomoeda estatal tenha que concorrer com outras moedas digitais privadas, principalmente quando se trata de pagamentos. Outras preocupação compartilhada pela China e pelos Estados Unidos é a soberania monetária do dólar hoje, almejada pelo yuan digital em um futuro próximo. Porém, uma stablecoin poderia destronar as duas moedas.

Yifei concluiu que a velocidade de desenvolvimento dos sistemas de pagamento é “muito alarmante” e o banco central da China está lutando contra os monopólios e a “expansão desordenada do capital”.

Com informações: CNBC

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando