Início » Carro » Tesla Full Self-Driving, que custava US$ 10 mil, vira assinatura mensal

Tesla Full Self-Driving, que custava US$ 10 mil, vira assinatura mensal

Donos de veículos Tesla podem assinar o pacote de direção (quase) autônoma Full Self-Driving (FSD) por US$ 199 mensais

Emerson Alecrim Por

Era dezembro de 2020 quando Elon Musk deixou claro que a Tesla iria oferecer uma assinatura mensal do Full Self-Driving (FSD), sistema de piloto automático dos veículos da marca. Depois de alguns adiamentos, o serviço foi finalmente anunciado: o plano passou a ser oferecido no último domingo (18), sem alarde, com preço oficial de US$ 199 por mês.

Tesla em modo Full Self-Driving (Imagem: divulgação/Tesla)

Tesla em modo Full Self-Driving (Imagem: divulgação/Tesla)

Até então, o FSD era vendido como um pacote de pagamento único, opção que continua sendo oferecida. O problema dela é o custo: US$ 10 mil. A assinatura aparece como alternativa para quem quer testar o sistema, mas não está disposto a pagar o preço cheio por isso.

Por que assinar o Full Self-Driving?

Ao contrário do que o nome sugere, o FSD não é um sistema de condução totalmente autônoma. Ainda não. O objetivo da Tesla é chegar a esse nível de sofisticação — que corresponde ao nível 5 da direção autônoma —, mas, mesmo na recém-lançada versão beta do Full Self-Driving 9.0, a presença de alguém no posto de motorista é obrigatória.

Em sua versão mais recente, o sistema pode estacionar o carro, manter o veículo na faixa durante o tráfego, respeitar os sinais do semáforo e usar os sensores para prevenir colisões, por exemplo.

Essas e outras funcionalidades exigem supervisão permanente do motorista, que deve assumir o controle do carro imediatamente se o FSD falhar em alguma tarefa ou colocar o veículo em situação de perigo. Está aí uma razão para alguém assinar o FSD em vez de comprá-lo: avaliar se o sistema vale a pena.

Se o proprietário de um Tesla concluir que o FSD não é vantajoso, pode simplesmente cancelar a assinatura. Também é possível reativá-la a qualquer momento. Isso pode ser útil, por exemplo, para quem quer usufruir do sistema apenas durante uma viagem.

Custo extra de US$ 1.500 para alguns proprietários

Se por um lado a assinatura do Full Self-Driving é bem-vinda, por outro, pode deixar alguns proprietários de veículos Tesla irritados. Para o FSD funcionar, é necessário que o carro tenha o kit de hardware Tesla HW3 (um computador de bordo, essencialmente).

Carros com mais de dois anos de fabricação podem precisar do kit. A atualização é oferecida sem custo adicional na opção de pagamento único do FSD (a que custa US$ 10 mil). Porém, no modelo de assinatura, o Tesla HW3 é vendido à parte pelo preço de US$ 1.500.

Ao menos a Tesla foi generosa com proprietários que compraram o agora descontinuado Enhanced Autopilot, pacote que inclui alguns recursos do Full Self-Driving. Para eles, a assinatura do FSD sai por US$ 99 mensais.

Com informações: Electrek.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

² (@centauro)

Olhando unica e exclusivamente o preço, experimenta um mês.
Se gostar e tiver confiança de que vai ficar com o carro e usar o serviço por no mínimo 51 meses (4 anos e 3 meses), compra o serviço ao invés de assinar que sai mais barato.

Severino Cavalcante (@sev.cavalcante)

Carros com DLC, é inovação demais.

Leonardo Costa Porto dos Santos (@Leonardo_Porto)

Parece muito caro, mesmo para gringo

Eu (@Keaton)

Essa assinatura tem valor maior que o salário minimo brasileiro. hahaha rip