Início » Aplicativos e Software » Windows 11: Microsoft Store aceitará apps Win32, mas não irá atualizá-los

Windows 11: Microsoft Store aceitará apps Win32, mas não irá atualizá-los

Nova Microsoft Store aceitará aplicativos Win32 para instalação no Windows 11, mas eles não serão atualizados a partir da loja

Emerson Alecrim Por

O Windows 11 está caminho, mas não virá sozinho. O novo sistema operacional é acompanhado de uma nova Microsoft Store. Com a reformulação, a Microsoft tenta ser mais flexível com os aplicativos disponíveis por lá. Vale até permitir que softwares Win32 sejam baixados a partir da loja, mas atualizados de outra forma.

Nova interface da Microsoft Store no Windows 11 (imagem: divulgação/Microsoft)

Microsoft Store no Windows 11 (imagem: divulgação/Microsoft)

Quando o Windows 11 foi anunciado, em junho, a Microsoft deixou claro que a sua loja de aplicativos foi praticamente reconstruída. O visual, redesenhado para dar destaque não só a softwares, mas também ao conteúdo de entretenimento, é a primeira evidência disso.

Mas a nova fase da Microsoft Store também visa abrigar uma variedade maior de aplicativos. Por isso, desenvolvedores poderão disponibilizar ali apps baseados em vários padrões de desenvolvimento ou empacotamento, como Win32, .NET, Universal Windows Platform (UWP), Java e Progressive Web Apps.

Apps Win32 são bem-vindos, mas…

A atenção dada aos softwares Win32 (que têm extensão .exe ou .msi) chama atenção porque, pelo menos por algum tempo, a Microsoft tentou priorizar o padrão UWP, que permite que aplicativos rodem em qualquer dispositivo baseado no Windows, como tablets, consoles (Xbox) e, claro, PCs.

Aplicativos UWP também são mais apropriados para distribuição via Microsoft Store. É uma lógica compreensível. A Microsoft queria que a sua loja fosse referência para a plataforma do Windows assim como a Google Play Store o é para o Android ou a App Store para o iOS.

No Windows 10, esse plano não deu certo. Mas, com o Windows 11, a Microsoft quer virar o jogo usando uma abordagem mais flexível que, como tal, dá as boas-vindas a aplicativos Win32.

Só que existe uma limitação: esses softwares até podem ser distribuídos a partir da loja, mas a documentação para desenvolvedores disponibilizada pela empresa informa que eles não poderão ser atualizados por lá.

Por conta disso, a atualização deverá ser feita por meio de um botão específico para isso existente no software ou a partir de um site indicado pelo desenvolvedor, por exemplo.

Há uma desvantagem importante para o usuário em tudo isso. Uma loja de aplicativos cumpre a função de verificar se os softwares disponibilizados ali respeitam requisitos de qualidade, desempenho e segurança. Se uma atualização pode ser feita por meio de servidores externos, o papel de decidir se um aplicativo é confiável ou não fica para o usuário.

Note, porém, que essa limitação é válida para aplicativos Win32 que são distribuídos sem empacotamento na Microsoft Store, isto é, são publicados ali com extensão .exe ou .msi. Aplicativos Win32 empacotados como UWP poderão ser atualizados a partir da loja.

De todo modo, Rudy Huyn, da Microsoft, usou o Twitter para informar que a Microsoft quer ser “muito transparente” sobre restrições: se um aplicativo não puder ser atualizado na Microsoft Store, o usuário verá um aviso indicando qual desenvolvedor é responsável por esse procedimento.

Com informações: XDA Developers, Windows Latest.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
11 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Luiz Henrique (@Luiz574)

Se ia fazer o serviço meia-boca e pela metade não precisava nem ter mexido

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Jogaram fora a única utilidade que a loja tinha no Windows: manter os programas instalados a partir dela atualizados sem precisar de 3514 atualizadores individuais rodando em segundo plano.

@Alecrim, uma pequena correção, aplicativos Win32 disponíveis atualmente na Microsoft Store (como o Spotify, iTunes, Office, entre outros), são empacotados em MSIX, não em UWP…

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

O padrão MSIX da loja do Windows 10 traz benefícios reais (como as atualizações automáticas gerenciadas pelo sistema e a certeza de que não vai ficar nenhum lixo pra trás se você desinstalar o app) e programas Win32 existentes podem ser empacotados em MSIX com poucas ou nenhuma modificação, na maior parte dos casos.

Quando soube que a Microsoft planejava ceder e permitir qualquer tipo de programa na loja, já fiquei com uma pulga atrás da orelha de que algo do tipo aconteceria, de fato, o artigo confirma o que eu temia…

anon77218728 (@anon77218728)

É por esse motivo que ela não conseguiu fazer o Windows Phone dar certo e que a Microsoft Store continuará não dando certo.

Historicamente a tática que funciona é ser mais permissivo e conforme você populariza o recurso ou sistema, você vai passando pelo funil e aplicando mais regras.

Se o usuário e o desenvolvedor continuarem dependendo de repositórios e serviços externos para atualizar os apps, perde o sentido e trabalho de usar a loja.

Infelizmente é o que falaram, a Microsoft dá dois passos pra frente e um pulo pra trás.

Tinha ficado empolgado com o Windows 11, depois começaram a surgir os retrocessos e desanimei.