Início » Negócios » Xiaomi dobra lucro no 2º tri com aumento de fatia no mercado de celulares

Xiaomi dobra lucro no 2º tri com aumento de fatia no mercado de celulares

Lucro líquido da Xiaomi praticamente dobrou, passando a US$ 1,28 bilhão no segundo trimestre de 2021; A fabricante vendeu 52,9 milhões de celulares no período

Ana Marques Por

A Xiaomi divulgou seu relatório financeiro para o segundo trimestre de 2021 nesta quarta-feira (25), registrando lucro líquido de US$ 1,28 bilhão — um aumento de 87,4% ano a ano. A alta se dá em meio a uma grande conquista da empresa chinesa: superar a Apple em participação no mercado global de smartphones.

Loja Xiaomi (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Loja Xiaomi (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Xiaomi é a 2ª maior fabricante de celulares do mundo

Como reportamos em julho, com market share de 17%, contra 13% da Apple, a Xiaomi ficou atrás somente da Samsung no segundo trimestre, segundo a consultoria Canalys. Foi um crescimento anual de 83% para a chinesa, em parte devido às sanções dos Estados Unidos feitas à Huawei.

De acordo com o relatório de ganhos da Xiaomi, a receita total teve aumento de 64%, passando a US$ 13,56 bilhões. No recorte para celulares, a receita foi de US$ 9,1 bilhões — com venda de 52,9 milhões de aparelhos no período.

“Como a Xiaomi continua comprometida com o avanço da tecnologia, o recrutamento e a promoção de talentos e os recursos do canal de atualização, seu negócio de smartphones continuou a apresentar um crescimento significativo no segundo trimestre de 2021, destacado por vendas e receitas recordes de smartphones”.

Na terça-feira (24), a Xiaomi confirmou que está abandonado a marca “Mi”, mas ainda pretende trabalhar com duas marcas: “Xiaomi” para produtos premium, incluindo o Xiaomi 11 Pro, Xiaomi 11 Ultra e Xiaomi Mix 4, e “Redmi” para smartphones mais acessíveis, muito populares entre os fãs.

“A marca Redmi continua a fornecer produtos competitivos. Em 30 de abril de 2021, as remessas globais acumuladas da série Redmi Note ultrapassaram 200 milhões de unidades, refletindo o aumento da ressonância da marca Redmi no mercado de massa e a alta qualidade dos smartphones Redmi”.

Crescimento em IoT e investimento no setor automotivo

Apesar da maior parte da receita ter sido puxada por smartphones, a Xiaomi também registrou crescimento na categoria de IoT e produtos de estilo de vida, que passou a US$ 3,2 bilhões (aumento de 36%).

E a diversificação do portfólio não deve parar por aí — a empresa anunciou ainda que está adquirindo a Deepmotion, uma startup de tecnologia de direção autônoma em um negócio de US$ 77,3 milhões. A ação faz parte da estratégia da Xiaomi de investir US$ 10 bilhões em veículos elétricos na próxima década.

O negócio de carros da Xiaomi é liderado por Lei Jun, CEO do grupo. Segundo ele, o preço do veículo pode variar de 100 mil iuanes a 300 mil iuanes (aproximadamente R$ 255 mil em conversão direta). Ainda não se sabe quando o primeiro carro elétrico da marca chinesa será apresentado ao público ou chegará ao mercado.

Com informações: Xiaomi, TechCrunch

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
1 usuário participando