Início » Brasil » Urna eletrônica: TSE abre inscrições para teste público de segurança

Urna eletrônica: TSE abre inscrições para teste público de segurança

Evento que convida especialistas em Tecnologia para inspecionar hardware e software da urna eletrônica terá mais participantes e deve durar 2 semanas

Pedro Knoth Por

O Tribunal Superior Eleitoral publicou nesta quinta-feira (26) o edital para o teste público de segurança que tenta identificar possíveis falhas na urna eletrônica. Em sua sexta edição, o Teste Público de Segurança (TPS) está marcado para acontecer entre os dias 23 e 26 de novembro, e apresenta uma oportunidade para especialistas em Segurança da Informação detectarem falhas no sistema que será usado nas Eleições de 2022.

Urna eletrônica (Imagem: Divulgação/TSE)
Urna eletrônica (Imagem: Divulgação/TSE)

Evento convida agentes da PF para inspecionar urnas

O TPS é uma oportunidade para que especialistas em TI e Segurança da Informação de órgãos como a Polícia Federal verifiquem tanto o hardware quanto o software das urnas eletrônicas; elas serão utilizadas no ano que vem durante o período eleitoral. O evento foi inaugurado pelo TSE em 2009.

Em relação às edições anteriores, o TPS 2021 tem uma novidade: o TSE decidiu esticar o prazo do evento de uma para duas semanas, entre 11 e 21 de outubro. Há a possibilidade de que o evento que explora falhas na urna possa ser estendido por mais um dia após a data do término

O TSE disponibiliza as urnas eletrônicas para verificação ainda na fase de testes, o que possibilita a correção de eventuais erros no sistema. Durante o TPS, participantes — só permitidos acima de 18 anos — devem fazer tentativas para “burlar” as barreiras do processo eletrônico de votação, encontrando falhas ou vulnerabilidades.

De acordo com o secretário de de Tecnologia da Informação do TSE, Júlio Valente, o TPS é essencial para toda a sociedade, já que ele detecta problemas que podem atrapalhar as eleições. “É importante reforçar esse espírito de colaboração, para que a Justiça Eleitoral, de mãos dadas com os participantes, busque constantemente um sistema cada vez mais seguro”, completa Valente.

Código-fonte da urna, alvo de ataques, será analisado

Dentre os sistemas da urna eletrônica que tentarão ser “quebrados” está o código-fonte da urna eletrônica, alvo de ataques pelo presidente Jair Bolsonaro. Em uma de suas lives semanais, realizada no YouTube e no Facebook, Bolsonaro disse que o código-fonte da urna poderia ser fraudado para alterar os resultados das eleições. Ele afirma que isso faz parte da suposta “fraude” que teria ocorrido durante o pleito presidencial de 2018.

Em agosto, a Justiça Eleitoral antecipou a abertura do código-fonte das urnas eletrônicas. A medida faz parte de uma iniciativa da Presidência do TSE para aumentar a transparência do sistema eleitoral, que constantemente está sob ataque de Bolsonaro.

Participantes do TPS também vão revisar barreiras de segurança, como aponta o chefe da Seção de Voto Informatizado do TSE, Rodrigo Coimbra:

“Contamos com o apoio da sociedade para aprimorar o sistema, revisando nosso código-fonte, testando nossos softwares, verificando o funcionamento de nossas barreiras de segurança, para que, juntos, Tribunal e sociedade possam ter um processo eleitoral cada vez melhor”

TSE amplia participação do teste público da urna

O TSE aumentou a quantidade de programas que poderão ser checados pelos especialistas inscritos no TPS 2021. Profissionais podem inspecionar o sistema de auditoria das urnas eletrônicas no dia da votação; módulo de votação; verificador Pré/Pós-eleições (VPP); e o verificador de integridade e autenticidade do sistema eleitoral (AVPART).

Como em edições anteriores, participantes vão poder identificar falhas nos demais sistemas da urna eletrônica, responsáveis pela geração de mídia, votação, apuração e envio de arquivos lacrados. Investigadores também vão investigar aplicativos e interfaces presentes no aparelho, assim como o software da votação em si.

O que acontece se eu não votar? (Imagem: Antonio Augusto/Ascom/TSE)
Código-fonte das urnas eletrônicas vem sofrendo ataques do presidente Jair Bolsonaro (Imagem: Ascom/TSE)

Sobre o aumento de sistemas que podem ser quebrados, Rodrigo Coimbra afirma:

“Estamos abertos para que toda cidadã ou cidadão possa colocar nossos sistemas à prova. Por isso, ampliamos o escopo dos programas passíveis de avaliação, incluindo, por exemplo, a verificação do resumo digital, do log, da assinatura digital, do sorteio das sessões para auditoria e o próprio Teste de Integridade”

Para esta 6ª edição, o TPS aumentou o número de participantes de 10 para 15. Além de instituições como a PF, são convidados técnicos de instituições acadêmicas e outros órgãos públicos. Batizados de “investigadores”, os membros do evento podem formar grupos de até 5 pessoas.

Célio Wermelinger, assessor da Secretaria de Gestão Estratégica do TSE, explica que a ampliação no número de participantes tem o propósito de aumentar a “contribuição da sociedade civil” e amadurecer o sistema das urnas.

Quaisquer inspeções que resultem na quebra efetiva do sistema do TSE serão encaminhadas para análise da equipe da Corte. Os investigadores responsáveis por identificar a falha vão ser convocados para repetirem o processo no Teste de Confirmação do TSE: é a forma do órgão avaliar se as falhas foram corrigidas ou se elas persistem.

Resultados dos aprovados para TPS 2021 saem em outubro

Para se inscrever no TPS 2021, é necessário que o participante tenha nacionalidade brasileira, seja maior de 18 anos e preencha os requisitos do formulário do evento.

Após o preenchimento, o formulário será encaminhado ao TSE até o dia 29 de agosto. A publicação das inscrições aprovadas ocorrerá no dia seguinte, 30. Depois, cada participante aprovado deve apresentar os recursos presentes em sua inscrição — essa etapa ocorre entre 30 de setembro e 4 de outubro. Os resultados da última fase da inscrição serão divulgados no dia 30 de outubro.

Confira o edital do TPS 2021 na íntegra, publicado no Diário de Justiça Eletrônico (DJe) desta quinta-feira.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
15 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

tá ai o chance do gado provar que a urna é fraudável, só precisam ter conhecimento técnico para isso.

Goku SSGSS (@renatodantas)

A maioria da população sabe que nosso processo eleitoral é confiável, mas não tem jeito.

Pra eles, vai existir alguém espetando um pendrive na traseira da urna, copiando o TXT dos arquivos do voto, alterando num notebook e devolvendo pra urna.

Ou um “if” no código de totalização de votos: “if (voto == 17) voto = 13” e por aí vai.

Igor (@igor_meloil)

Pronto, agora podem parar de chorar na internet q ninguém conhece o código e ir investigar por si mesmo.
Aí vão arrumar outra coisa pra dizer q não é confiável.

To aguardando o dia q alguém vai tirar um código da bunda pra dizer q tem isso mesmo kkkk

Eu (@Keaton)

Pelo menos o Bolsonaro não vai concorrer em 2022. huehuehue (Se ele for homem de cumprir com suas ameaças, é claro…)

Igor (@igor_meloil)

Ele já é auditável

João Almeida (@Joao_Almeida)

Já é transparente. As pessoas que não entendem como funciona

Igor Pamplona (@Igor_Pamplona)

bolsonaro não é home de cumprir nada do que diz kkkk

a nova mentira é essa?

Danílio Costa da Silva (@Daniliocs)

Voto impresso é uma coisa arcaica, a tendência é que tudo seja digital no mundo. Abrir o código e permitir verificação já é suficiente. Quem é desconfiado vai ser de todo jeito, seja em papel, seja digital.

Carlos Alberto Rocca (@carlosrocca)

Então, quando encerra as eleições a urna imprime um mínimo de 5 vias de boletins de urna (existe a possibilidade de imprimir umas 10~12 vias ao todo), onde algumas são enviadas para o TRE nos envelopes, algumas são entregues para fiscais de partido, algumas ficam com os mesários e uma é obrigatoriamente fixada na porta da sala ou em algum lugar visível. Esse boletim já tem um QR Code para verificar os votos, e dá para verificar a quantidade total de votos de cada urna no site do TSE. Se existe a chance de manipular resultado de eleições é alterando votos diretamente na urna, nesse caso o boletim de impressão já necessariamente tem que sair adulterado.
Manipulação dos totais seria facilmente identificado somando os totais de cada urna individualmente.