Início » Jogos » China proíbe menores de 18 anos de jogar videogame por mais de 3h semanais

China proíbe menores de 18 anos de jogar videogame por mais de 3h semanais

Jovens chineses só podem jogar aos finais de semana e feriados, entre 20h e 21h, e precisam estar no banco de dados do governo

Murilo Tunholi Por

O governo da China implementou uma nova lei que limita ainda mais o acesso de jovens menores de 18 anos a videogames no país. A partir de agora, crianças e adolescentes só podem jogar por até três horas semanais. Esse horário para a jogatina, porém, só pode ser aproveitado em três sessões de até uma hora, das 20h às 21h, apenas aos finais de semana — sexta-feira, sábado e domingo — e feriados.

Knives Out, da NetEase, é um jogo parecido com Free Fire e PUBG muito popular na China (Imagem: Reprodução/Twitter @leighwynne33)

Além de proibir completamente o uso de videogames entre segunda-feira e quinta-feira, a China ainda está obrigando as distribuidoras de jogos a incluírem verificações de identidade nos games e bloquearem o acesso de pessoas que não têm seus perfis de jogador registrados no banco de dados do governo.

Os idealizadores dessa nova lei alegam que as medidas visam proteger a saúde mental e física de menores de idade, diminuindo supostos casos de vício em games no país. Desde o começo do toque de recolher em 2019, essa já é a terceira limitação no tempo de jogo de jovens chineses — que também devem obedecer a restrições de gastos com dinheiro real.

No início, o acesso era limitado a 90 minutos em dias úteis e três horas nos finais de semana e feriados. Depois, a China diminuiu o tempo de jogo para apenas uma hora nos dias de semana e duas horas aos sábados, domingos e feriados.

Além disso, os menores de 18 anos eram proibidos de jogar somente entre 22h e 8h. Para conseguir entrar nos games nesse horário, os adultos tinham que confirmar suas identidades por meio de reconhecimento facial.

Escritório da Tencent (Imagem: Reprodução/Jing Daily)

China pode ser o único país que controla horas de jogo

A nova legislação chinesa vai de encontro às decisões de outros países asiáticos em relação a videogames. A Coreia do Sul, por exemplo, que bloqueia o acesso de menores de 16 anos a games entre 0h e 6h desde 2011, revelou na semana passada ter planos de revogar essa lei. Caso isso aconteça, a China será o único país cujo governo controla horas de jogo.

Considerados “ópio espiritual” pelo governo chinês e bastante criticados pela mídia estatal, os videogames são vistos como os culpados por afastarem os jovens da vida profissional. Os reguladores ressaltam que, além de reduzir o suposto vício, as novas regras devem “direcionar a futura força de trabalho para atividades mais produtivas”.

Nova legislação chinesa não está agradando investidores

Com o maior mercado de videogames do mundo segundo o Newzoo, a China está desagradando investidores ao redor do mundo com as novas restrições de tempo de jogo. De acordo com a Bloomberg, as ações da NetEase — responsável por sucessos como Onmyoji, Knives Out e Cyber Hunter — sofreram queda de 9,3% na Bolsa de Nova York quando a lei entrou em vigor.

A Tencent, maior empresa de games da China, também foi afetada. Sua maior acionista, a Prosus NV, caiu na Europa, porém não foram revelados os números exatos. Mesmo nessa situação, a empresa chinesa é a principal apoiadora da nova legislação de limite de tempo de jogo, e ainda está proibindo jovens até de jogar simuladores de namoro.

Com informações: DotEsports, Kotaku, Bloomberg.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gustavo Guerra (@GustavoGuerra)

Abrir esse precedente libera o Estado de controlar 100% de sua vida, como ocorre hoje na China. Cada um deve ser livre para tomar suas próprias decisões e consequências.