Início » Internet » Bloqueio de internet por governos cresce de forma “alarmante”, diz estudo

Bloqueio de internet por governos cresce de forma “alarmante”, diz estudo

Diversos governos desligaram a internet de todo o país quase 850 vezes na última década; levantamento indica que método autoritário cresce a um passo "alarmante"

Bruno Ignacio Por

Ao longo da última década, desligamentos intencionais da internet realizados por governos de múltiplos países decolaram estatisticamente. As principais motivações para essa forma de repressão são conter movimentos e protestos ao limitar o acesso à rede e dificultar a comunicação e organização de grupos políticos e civis. Um novo levantamento indica que cerca de 850 paralisações da internet foram registradas nos últimos 10 anos.

2019 e 2020 lideram em desligamentos da internet

Trata-se de um número “alarmante”, segundo o Shutdown Tracker Optimization Project, ou simplesmente “STOP”, da organização sem fins lucrativos Access Now. O grupo reconhece ainda que os dados anteriores a 2016 são “irregulares”, portanto, a grande maioria dos desligamentos de internet registrados no mundo se concentraram nos último cinco anos, mais precisamente 768.

2019 foi o ano campeão, com 213 paralisações de rede, seguido por 2020, com 155 desligamentos intencionais, número que se tornam ainda mais alarmante diante do enorme crescimento do uso da internet em todo o mundo durante a pandemia de COVID-19. Nos primeiros cinco meses de 2021, a organização contabilizou 50 paralisações em 21 países diferentes.

Desligamentos da internet registrados entre janeiro e maio (Imagem: Reprodução/ Acess Now)
Desligamentos da internet registrados entre janeiro e maio (Imagem: Reprodução/ Acess Now)

“Desde que começamos a monitorar as paralisações da Internet iniciadas por governos, o método se proliferou em um ritmo verdadeiramente alarmante”, disse Felicia Anthonio, ativista e líder do movimento #KeepItOn do Access Now, em um novo relatório sobre o assunto chamado “The Current”, publicado na plataforma do Google Jigsaw.

“Conforme os governos em todo o mundo aprendem essa tática autoritária uns com os outros, ela evoluiu de um método obscuro para se tornar uma estratégia comum que muitas autoridades usam para sufocar a oposição, suprimir a liberdade de expressão e silenciar opiniões.”

Método é autoritário e contra liberdade de expressão

De acordo com o levantamento, o primeiro desligamento significativo da internet ocorreu no Egito em 2011, em resposta aos protestos contra o então presidente Hosni Mubarak. Como resultado, cerca de 93% das redes egípcias foram bloqueadas durante cinco dias. Paralisações e desligamentos anteriores da internet ocorreram também em Guiné, em 2007, e no Irã, em 2009, mas o Egito foi o primeiro a afetar as conexões ao nível nacional, onde mais de um quarto dos cidadãos eram conectados

A partir daí, os desligamentos da internet se espalharam por todo o mundo, principalmente na Ásia e na África. O estudo também indica que esse método é mais comumente aplicado durante eleições ou em época de protestos, com governos alegando que as paralisações são necessárias para conter a disseminação de desinformação.

Índia lidera mapa de paralisações da internet em 2020 (Imagem: Reprodução/ Acess Now)
Índia lidera mapa de paralisações da internet em 2020 (Imagem: Reprodução/ Acess Now)

Contudo, o relatório aponta que a verdadeira intenção dos governantes é “impedir que os candidatos da oposição se conectem com os eleitores para obter apoio, restringir a capacidade dos cidadãos de se organizarem e minar os esforços dos fiscalizadores eleitorais que buscam garantir a integridade do processo.”

Esse tipo de medida autoritária não apenas é um golpe à liberdade de expressão e à comunicação nacional, como também acarreta graves prejuízos econômicos. Mianmar, por exemplo, viu o mais longo desligamento da internet da história causado pelo governo, como parte do recente golpe.

Estima-se que a perda econômica já tenha atingido 2,5% do PIB do país, cerca de US$ 2,1 bilhões. Segundo o estudo, isso “infligiu ao país aproximadamente metade dos danos causados ​​pela grande recessão de 2007 na economia dos Estados Unidos em menos de um terço do tempo”.

Tecnologia oferece contramedidas

O fechamento da internet foi condenado por várias organizações internacionais, incluindo o G7 e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos e Relatores Especiais, mas, como mostram os dados do Access Now, isso não parece ter impedido governos de adotarem essa medida autoritária.

O problema não é simples de se resolver, mas o melhor método para combater o desligamento da internet parece ser puramente tecnológico. VPNs e servidores proxy permitem aos usuários rotear o tráfego da internet através de outro país para evitar certos bloqueios, enquanto aplicativos de rede mesh podem se conectar diretamente de um dispositivo a outro, fornecendo algumas funcionalidades básicas, como mensagens.

Com informações: The Verge

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gustavo Cardoso (@Gustavo_Cardoso)

Outras formas mais sutis de bloquear a internet que vem sendo utilizada (até mesmo no mundo civilizado) é a de banir contas de presidentes e/ou ex-presidentes, apoiadores e sites e blogs que os apoiam, lançando mão do argumento de que estes políticos, apoiadores, sites e blogs propagam fake-news, discurso de ódio, disseminam desinformação, yada-yada, etc…