Início » Aplicativos e Software » A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos

A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos

Os vídeos se transformaram em um dos novos focos do Instagram, mas sua história na plataforma começou muito antes dos Reels

Paula Alves Por
A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos / Tecnoblog / Vitor Pádua
A evolução do Instagram (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Em junho de 2021, Adam Mosseri, chefe do Instagram, anunciou que a plataforma estava prestes a abraçar os vídeos com mais afinco e, consequentemente, trazer algumas mudanças ao app. Segundo o CEO, a área é um dos novos focos da rede social (assim como criadores de conteúdo, compras e mensagens), e uma resposta ao público que hoje os procura em busca de entretenimento. Afinal, o Instagram não é mais apenas um aplicativo de compartilhamento de fotos, e como parte de um mercado tão competitivo, em que há concorrentes de peso como o TikTok, precisa se adaptar às demandas de seus usuários.

A fala de Adam causou repercussão, inquietando o público da rede sobre o impacto que essas mudanças trariam – e o quanto as fotos, nesse processo, poderiam ser colocadas de lado. Se engana, porém, quem pensa que essas novidades eram inesperadas, ou que esse interesse pela área de vídeo começou apenas em 2020, com a chegada dos Reels ao aplicativo.

Na verdade, o que a história do Instagram nos mostra é que, desde 2010, quando a primeira versão do app foi lançada e contava apenas com fotos quadradas e alguns poucos filtros nativos, houve um longo caminho de adaptações que o aproximaram dos vídeos e foram imprescindíveis para chegarmos no momento atual.

Toda história tem um começo

Lançado no dia 6 de outubro de 2010, o Instagram surgiu de um protótipo feito pelo engenheiro de software Kevin Systrom. Inicialmente chamado de Burbn, ele a princípio funcionaria como um serviço que combinava fotos, check-ins e planejamento, tudo em um mesmo lugar. Aos poucos, porém, o projeto tomou novos rumos, e, além de investidores, ganhou mais um criador, o brasileiro Mike Krieger, que ao lado de Kevin repensou o aplicativo, chegando em uma versão final muito mais enxuta e polida daquela do começo.

Nascia assim o Instagram tal qual o conhecemos, um aplicativo gratuito e exclusivo para iOS focado no compartilhamento de fotos quadradas. Além de contar com filtros nativos para serem aplicados às suas imagens, ele também tinha espaço para legendas, e a proposta de convidar seus usuários a compartilharem momentos do seu dia a dia com amigos e familiares.

Tão logo foi lançado, seu sucesso foi imediato e a rede social se tornou o app de fotos mais baixado da App Store em menos de 24 horas. Dois meses depois, ela já possuía 1 milhão de usuários, e um ano depois, em dezembro de 2011, a impressionante marca de 15 milhões. Um sucesso e repercussão inegáveis, que logo fizeram despertar em seus criadores a vontade de expandir essa experiência para outros públicos.

A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos / Instagram / Divulgação
Lançamento do Instagram para Android (Imagem: Divulgação / Instagram)

Assim, em abril de 2012, o Instagram foi lançado também para Android, conquistando mais de 1 milhão de downloads ainda nas primeiras 24 horas. Se o objetivo era levar a plataforma para outro patamar, o caminho não poderia mesmo ter sido diferente, como explicou Thiago Costa, professor, integrante do Núcleo de Mídias Digitais e Coordenador da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP, em entrevista ao Tecnoblog.

“Lá no começo rolou um negócio terrível de que ‘ah, [o app] vai ficar muito popular, vai ser a facebookização do Instagram’. Na verdade isso demonstra um enorme preconceito das pessoas. […] Então acho que uma das primeiras mudanças mais significativas foi essa, a de abertura para mais gente. Se pensarmos no Brasil mesmo, apenas 1% dos celulares são iOS. Então, quando você abre [o app] para mais pessoas isso causa uma mudança, inclusive no tipo de conteúdo produzido, com novas estéticas e visões surgindo.”

A mudança foi decisiva para o estabelecimento da rede social, que tirou de vez seu passaporte para o sucesso ao ser comprada pelo Facebook. Pelo valor de US$ 1 bilhão, sua equipe foi absorvida pela empresa de Mark Zuckerberg, que em poucos meses, além da versão 3.0, lançou também uma grande novidade na plataforma: a possibilidade de postar vídeos.

O recurso, que permitia vídeos de no mínimo 3 segundos e no máximo 15, chegou ao feed da rede social dois meses após o serviço do Twitter de compartilhamento de vídeos, o Vine, se tornar o app gratuito mais baixado da App Store. Era o primeiro passo do Instagram abrangendo outros formatos e, consequentemente, tendo que lidar com gigantes da indústria que cresciam em outras frentes.

Revoluções por minuto

O final de 2013 e os dois próximos anos foram decisivos na transformação do Instagram, que há muito já se distanciava dos seus primeiros meses de fotos quadradas. Foi nessa época que o app anunciou a chegada de anúncios à plataforma, introduzindo publicidade pela primeira vez na rede social. O que começou com algumas pequenas empresas, logo se expandiu para todo tipo de empreendimento, abrindo uma esfera de negócios dentro do aplicativo que logo se tornou um dos seus principais focos.

Além disso, em dezembro de 2014, o serviço chegou à impressionante marca de 300 milhões de usuários e, no ano seguinte, introduziu mais duas grandes mudanças visuais ao feed, liberando a postagem de fotos em formato de paisagem e retrato, e lançando a função de Boomerang.

A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos / Instagram / Divulgação
A função Boomerang chega ao Instagram (Imagem: Divulgação / Instagram)

Eram as derradeiras mudanças da plataforma em relação às fotos da timeline, já que a partir de 2016 ela passou por uma sucessão de lançamentos visando outros aspectos e ferramentas da rede social. A primeira delas, inclusive, foi a presença de gravações mais longas no feed, que podiam chegar até um minuto de duração. Na época, junto com o anúncio, o Instagram tornou público também o fato de que nos últimos seis meses, o tempo que as pessoas passavam assistindo a vídeos na plataforma havia aumentado 40%. Uma informação que dava indícios de onde os esforços do app estariam depositados nos próximos meses: o lançamento do Instagram Stories.

“Os Stories foram muito significativos porque eles também trouxeram uma mudança no tipo de consumo do Instagram; essa coisa fragmentada, picadinha, na qual a gente vai consumindo um pouquinho de cada pessoa, com uma frequência maior. Pode parecer bobo, mas quando pensamos na experiência do usuário, o fato de não precisarmos ter que rolar a tela faz muita diferença. Os Stories vão passando, e se você não quiser vê-los pode até pular […], mas eles criam um fluxo de consumo de conteúdo para o usuário e de passagem de conteúdo para a plataforma”, explica Thiago.

Para quem desconhece o recurso, o Story do Instagram é um tipo de postagem feita em foto ou vídeo que fica disponível apenas por 24 horas. Algo muito semelhante ao formato do Snapchat, aplicativo que no início daquele ano atingia números surpreendentes, com um total de 10 bilhões de visualizações diárias.

A chegada dos Stories ao Instagram deu tão certo que uma série de melhorias foram sendo lançadas em sequência para a ferramenta. Além do recurso de lives, foram lançadas as hashtags, marcações de locais e os famosos filtros, que se tornaram indissociáveis do formato. Os Destaques, por fim, chegaram em dezembro de 2017 e consolidaram de vez a ferramenta na plataforma.

A partir daí, o céu se tornou o limite. Muitas experimentações com vídeos ganharam espaço na rede social, especialmente depois da chegada do IGTV, uma ferramenta para publicação de vídeos mais longos, em 2018, e dos Reels, em 2020. Esse último, aliás, um recurso do app feito para a publicação de vídeos curtos e criativos, tinha um formato muito semelhante às gravações que já víamos no TikTok – e que foram as responsáveis por tornar o aplicativo um gigante do mercado.

A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos / Instagram / Divulgação
Kevin Systrom no evento de lançamento do IGTV (Imagem: Divulgação / Instagram)

A hora e a vez dos vídeos

Diante de todo esse histórico, que nos últimos anos já esteve totalmente debruçado sobre a área de vídeos, não é mesmo de se admirar que o Instagram tenha decidido mergulhar com ainda mais intensidade nos Reels. Segundo Adriana Grineberg, Diretora de Operações do Instagram da América Latina, em entrevista para o Tecnoblog, a importância dos vídeos é indiscutível para o futuro da rede social.

“Temos observado grandes mudanças na maneira como as pessoas criam e desenvolvem conteúdo, onde o vídeo se tornou o formato preferido para se divertir e contar histórias. Sabemos que os vídeos curtos são o futuro do entretenimento e, por isso, lançamos Reels em mais de 50 países no ano passado, oferecendo às pessoas um novo formato para expressão criativa e a oportunidade de alcançar novos públicos em um palco global.”

Adriana Grineberg, Diretora de Operações do Instagram da América Latina

Sendo assim, se de um lado o anúncio de Adam Mosseri não é nenhuma surpresa, de outro nos faz questionar o que de fato muda na rede social, como isso impacta seus usuários e criadores de conteúdo, e quais possíveis estratégias a empresa pode adotar para bater de frente com o TikTok.

Independente de qualquer coisa, usuários mais “tradicionais”, que não gostam ou ainda tem dificuldade com conteúdos em vídeo, não precisam ter medo do que vem por aí. Ao que tudo indica, as fotos ainda são parte importante da rede social e continuarão em seus devidos lugares, como explica Adriana.

“Especificamente sobre a fala de Adam Mosseri que gerou repercussão alguns meses atrás, é importante observar que o CEO em seu vídeo fala sobre as experiências que queremos criar no Instagram com base no que ouvimos e vemos dentro da nossa própria plataforma. […] Em nenhum momento Mosseri diz que o Instagram deixará de ter fotos, mas sim que o Instagram já não é mais apenas um aplicativo de compartilhamento de fotos quadradas – em referência a quando foi lançado, em 2010 -, pois já é muito mais do que isso.”

A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos / Instagram / Divulgação
Instagram Reels (Imagem: Divulgação / Instagram)

Impactos na rede social

Mas afinal, o que muda no Instagram?

Algumas novidades, como o aumento dos Reels para até 60 segundos, já até foram implementadas na plataforma, enquanto outras ainda são especulações do que o Instagram pode alterar ao longo dos próximos meses.Talvez a principal, no entanto, que ainda não chegou ao serviço, mas já foi anunciada por Adam, é a presença de Reels dentro do feed, seja ele produzido por pessoas que você segue ou não – algo até então inédito na rede.

Essa invasão não solicitada é, porém, uma novidade apenas no Instagram, pois como bem pontuou o Consultor e Professor de Marketing Digital e Mídias Sociais, Fernando Souza, em conversa com o Tecnoblog, o TikTok nasceu exatamente sobre essa proposta.

“Olhando tecnologicamente essa é uma inovação do TikTok. Em todas as plataformas anteriores ou em boa parte delas, nós sempre estivemos dentro da nossa caixinha. Em um mundo mais diverso, no qual temos dificuldade de escolha, e no qual muitas vezes não conseguimos sequer encontrar as coisas que queremos, o TikTok vem com uma visão extremamente contemporânea.”

Instagram Reels (Imagem: Divulgação/Instagram)
Instagram Reels (Imagem: Divulgação/Instagram)

Fernando ainda destaca, no entanto, que essa mudança talvez possa incomodar alguns usuários, afinal o Instagram sempre permitiu que escolhêssemos o que queríamos ver em nosso feed. Já para os criadores de conteúdo, o que ela faz é aumentar a carga de produção, mas, em contrapartida, trazer mais resultados.

“Acho que o impacto maior é para quem usa o Instagram comercialmente, como fonte de receita. Para quem é produtor de conteúdo, para quem é marca, para os creators, existe um impacto considerável. Se você não produzir cada vez mais vídeos (e nisso se incluem vídeos de Stories, de Reels, de timeline, de IGTV, ou seja, todos os formatos de vídeo), você vai ter uma entrega menor. […] Em contrapartida, eles terão um pouco mais de fôlego, porque vão começar a ser entregues também dentro da plataforma.“

Duelo de titãs: Instagram Reels x TikTok

Não há dúvidas de que a concorrência com o TikTok seja um dos pontos mais críticos dessa nova empreitada do Instagram Reels, especialmente porque a linguagem utilizada em cada app é, por princípio, diferente. Fazer com que o público consiga aderir a esses códigos e passe a desenvolver conteúdo em torno disso – a ponto da plataforma conseguir bater de frente com a outra gigante da indústria – não será uma tarefa fácil.

Instagram Reels vs TikTok (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Instagram Reels vs TikTok (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Para Fernando, a dificuldade não é apenas uma questão tecnológica, já que a experiência criada pelo TikTok não se resume a algo que possa simplesmente ser replicado, trazendo os mesmos resultados. Diferente do Snapchat, por exemplo, que também fazia sucesso com o formato de Stories quando eles foram lançados no Instagram, o TikTok conseguiu criar sua própria comunidade em torno dessa linguagem. Algo que o Instagram ainda precisa construir.

Um possível caminho para contornar esse problema, apontado tanto por Fernando quanto por Thiago, é o da bonificação de creators nos Reels, tendo em vista que a prática já existe na rede concorrente.

“Se pensarmos no ecossistema dos criadores de conteúdo, o Instagram hoje funciona como uma vitrine, mas também como uma fonte de renda de anúncio. Como o criador tem muito seguidores, a marca o procura para fazer uma postagem e ganha visibilidade. Mas o conteúdo em si não é monetizado. Acho que isso é um ponto bem crítico ainda e o Instagram já deve ter estudos sobre o assunto. […] Eles já têm feito testes com o IGTV e acredito que esse é um caminho pelo qual o app acabará migrando”, explica Thiago.

O Instagram parece compartilhar dessa ideia, já que Adam Mosseri recentemente anunciou que o Facebook pretende investir US$ 1 bilhão em programas que possibilitem que os criadores de conteúdo ganhem dinheiro em suas plataformas. Mais detalhes serão divulgados nas próximas semanas, mas já se sabe que haverá uma forma de bonificação para creators dos Reels. A princípio abrangendo apenas os EUA e feita por convite, a ferramenta os recompensará de acordo com suas performances.

A evolução do Instagram: das fotos quadradas à era dos vídeos / Instagram / Divulgação
Programa de bonificação para criadores de conteúdo de Reels deve ser lançado nas próximas semanas (Imagem: Divulgação / Instagram)

O cenário ainda é incerto e, assim como em outros momentos da história da plataforma, pode surpreender. Porém, é no mínimo curioso ver as estratégias adotadas diante desse duelo de gigantes e até onde vai o limite de interação que as redes sociais conseguem oferecer a seus usuários, com ferramentas cada vez mais imersivas e que criam suas próprias subculturas. Nunca estivemos tanto tempo diante de uma tela, seja como consumidores ou produtores de conteúdo, e, ao que tudo indica, o futuro caminha nessa mesma direção.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Luis Carllos (@XxxStrangeManxxX)

Lá no começo rolou um negócio terrível de que ‘ah, [o app] vai ficar muito popular, vai ser a facebookização do Instagram

E anos depois aconteceu isso…

Glauber Oliveira (@glauber)

Não sou contra a evolução, muito pelo contrário, mas gostava mais do Instagram quando era um aplicativo somente de fotos. E todos os recursos que foram implementados ao longo do tempo, focado nas fotos, foram muito bem vindos. Mas atualmente se transformou em um Frankenstein devido a doença do Mark Zuckerberg, que não pode ver ninguém ter sucesso em um aplicativo, que vai lá e copia tudo e coloca no Instagram. Copiou o Vine e adicionou vídeos curtos, depois ficou de birra com o Snapchat e copiou os Filtros e Stories. Aí quis bater de frente com o Youtube e criou o IGTV, agora a birra da vez é com o TikTok. Isso sem falar nas outras coisas que foram adicionadas, que deixam o aplicativo cada dia mais pesado e bem longe do que foi um dia. Mas a pior coisa que fizeram, foi tirar a ordem cronológica e ter colocado aqueles anúncios no feed. Aquilo é um saco! Tenho que ficar rolando a tela, até chegar em um post relevante de alguém que eu sigo… Vai indo até desanimo.