Início » Jogos » 12 jogos de mundo aberto com muito o que fazer

12 jogos de mundo aberto com muito o que fazer

Está com tempo para jogar? Então venha explorar mais o mapa e encarar missões extras nessa lista de jogos de mundo aberto

Por

Jogos de mundo aberto têm um “poder” bem peculiar de prender o jogador por horas, dias, meses e até anos naquele universo. As principais características desses títulos são mapas gigantescos cheios de atividades e por geralmente “não terem fim”. Mesmo que a campanha principal tenha terminado ainda será possível continuar explorando o mundo, para fazer missões pendentes ou só passar o tempo. Quer alguns exemplos? Então dá uma olhada, a seguir.

The Elder Scrolls V: Skyrim Special Edition (Imagem: Divulgação/Bethesda/ZeniMax Media/Microsoft)
12 jogos de mundo aberto com muito o que fazer (Imagem: Divulgação/Bethesda)

Para essa lista, focaremos em jogos que não sejam multiplayers massivos online, ou seja, MMOs. Vale destacar que estas são apenas algumas opções dentre centenas de jogos desse tipo (alguns muito bons). Se sentir falta de algum game importante por aqui, não deixe de falar nos comentários!

1. The Elder Scrolls V: Skyrim

A série The Elder Scrolls é uma velha conhecida dos jogadores que curtem games de mundo aberto. Desde TES III: Morrowind, passando pelo sucesso de TES IV: Oblivion e chegando a TES V: Skyrim, a Bethesda mantém o game vivo até hoje. Grande parte dessa longevidade também é graças a vasta comunidade do jogo e seus mods incríveis.

Em Skyrim, você joga como um Dragonborn, um herói das profecias que tem a missão de pôr fim a uma guerra civil. Ele (ou ela) detém o poder único de absorver as essências dos dragões e usar seus poderes. Só a história principal e as expansões já ocuparão uma boa parte do seu tempo.

Há uma edição de aniversário de 10 anos do jogo que traz todo o conteúdo já lançado para Skyrim até hoje.

2. Grand Theft Auto 5 [GTA V]

GTA V é praticamente a “galinha dos ovos de ouro” da Rockstar. Com a possibilidade de trocar, em tempo real, entre os três personagens jogáveis, o game traz o imenso mapa de Los Santos que é muito bem detalhado e cheio de atividades, segredos e easter eggs.

E como se não fosse o bastante passar horas e horas levando o caos para a cidade fictícia, também há o bem sucedido GTA Online – onde dá para fazer tudo descrito acima só que com outros jogadores. E se você achava que já tinha dado do título, GTA V chega também para a nova geração de consoles.

3. Fallout 4

A série Fallout, especialmente a partir do 3 e New Vegas, é outra franquia que vai sugar a sua alma em relação ao tempo investido. Há muito mais nestes títulos do que só seguir a missão principal. No caso de Fallout 4, que mantém uma estética pós-apocalíptica retrô futurista, agora você também pode ter, construir e manter seu próprio assentamento.

Este é mais um motivo para sair por aí explorando ruas e construções infestadas de mutantes, além de visitar uma região conhecida como Glowing Sea e extremamente radioativa, por exemplo. Fallout 4 (assim como Fallout 3 e New Vegas) são jogos que realmente vão te ocupar bastante.

4. Death Stranding

Death Stranding é amado por uns e costuma tirar a paciência de outros. Isso porque o game, da mente imprevisível de Hideo Kojima, leva um bom tempo para engatar de primeira (o que só nisso já levará boas horas), mas ganha um certo rumo depois dessa primeira etapa de “adaptação” com o gameplay.

Você controla Sam Bridges, um portador (ou um entregador de encomendas mesmo), e precisa cruzar de Leste a Oeste os EUA, devastado pelo Death Stranding, e reconectar quantas cidades puder, para que estas possam voltar a trocar informações e suprimentos entre si.

Reserve boas horas do seu dia para atravessar diversos terrenos (a pé ou já com os equipamentos que conseguir destravar), reconstrua rodovias, se esconda de BTs e enfrente MULAs pelo caminho.

5. The Witcher 3 – Wild Hunt

A franquia The Witcher colocou o estúdio CD Projekt Red no mapa. O primeiro jogo da série envelheceu mal, em relação ao seu gameplay, mas The Witcher 2 já mostrou um gameplay mais sólido e história interessante. The Witcher 3: Wild Hunt veio para coroar a trilogia do caçador de monstros Geralt de Rivia.

Com um mundo riquíssimo a ser explorado, você poderá se envolver em missões que, em sua maioria, trazem histórias envolventes, além de poder jogar Gwent, buscar por peças de armaduras lendárias, ter romances, salvar Ciri (só para não esquecer) e, claro, matar monstros.

Vale muito a pena jogar também as duas expansões: Hearts of Stone e Blood and Wine.

6. Assassin’s Creed Valhalla

O mapa, bem como a quantidade de missões e atividades extras disponíveis, aumentaram consideravelmente na série Assassin’s Creed desde o lançamento de Origins e passando, em seguida, por Odyssey. Se você achava que AC Odyssey era impossível de fechar 100% (somando os DLCs) em uma só vida é porque ainda não mergulhou na mitologia nórdica de Assassin’s Creed Valhalla.

Por mais que a Ubisoft tenha “enxugado” algumas das centenas de atividades, comuns em Origins e Odyssey, ainda há muito o que explorar – adicione a isso os upgrades que precisará fazer no seu novo assentamento na Inglaterra. Só a campanha principal tem uma duração média de 100 horas (ao menos foi o tempo do meu gameplay). Contando com os DLCs, e os mapas extras que são abertos, esse número cresce ainda mais.

7. Far Cry 3

Far Cry 3 é tido por alguns (e por essa pessoa que vos escreve também) como um dos melhores jogos da franquia. A série é conhecida por ter temas bem imprevisíveis e já foi possível jogar desde a Idade da Pedra até uma reprodução de filmes de ação dos anos 80 (inclusive, Far Cry: Blood Dragon é um must play!).

Sobre Far Cry 3, você é Jason Brody, que foi passar as férias numa ilha paradisíaca com os amigos, mas é claro que deu tudo errado e, dentre amigos mortos e sequestrados, ele precisará tentar sair vivo dessa. Vale destacar o protagonismo de um dos vilões: Vaas e sua icônica definição sobre a insanidade.

8. Mad Max

Mad Max costuma agradar quem curte jogos de mundo aberto, mesmo se a pessoa não for lá uma grande fã do universo Mad Max popularizado no cinema. Você jogará com Max e, além de ter todo um mundo desértico para explorar, poderá também fazer upgrades no seu carro e transformá-lo numa máquina mortífera.

Além disso, outros perigos aguardam o protagonista também, como emboscadas de War Boys e tempestades de areia.

9. Minecraft

Minecraft entra naquela categoria de mundo aberto eterno, pois há sempre o que fazer. O game também está em constante expansão e sempre recebendo conteúdo novo. Esse é um tipo de jogo que tem um apelo muito grande com os mais novos também, especialmente pela violência visual minimizada.

O jogo é um canivete suíço de possibilidades de gameplay, que vão desde coisas simples como minerar recursos para construir armas e explorar o mundo a sua maneira, a erguer verdadeiros monumentos (às vezes feito com a contribuição de várias pessoas).

10. Horizon Zero Dawn

Horizon: Zero Dawn é um dos melhores jogos que saíram para o PS4 e conseguiu criar uma protagonista forte (no sentido de relevância) para o gênero de ação e aventura em mundo aberto. A odisseia de Aloy num mundo pós pós-apocalíptico agradou a maioria e é fácil se perder nos cenários e ruínas da civilização, antes da queda da humanidade.

Enfrente máquinas corrompidas, faça aliados, saia em busca de equipamentos lendários… Enfim, há muito o que fazer e uma história muito interessante a descobrir. Antes exclusivo do PlayStation, agora também é possível jogar Horizon: Zero Dawn no PC.

11. Red Dead Redemption 2

A Rockstar é aquele estúdio que demora para lançar algo novo, mas quando o faz, costuma canalizar toda a atenção. Depois do sucesso do primeiro título, lançado no PS3 e Xbox 360, muitos esperavam por uma continuação de Red Dead Redemption (mesmo que com outro protagonista). E a sequência realmente veio e olha… Capricharam.

Desde a história à variedade de atividades espalhadas pelo mapa, como caçar (inclusive animais lendários), fazer missões secundárias e até ir ao teatro, Red Dead Redemption 2 chama muita atenção pelo seu belo visual, tiroteios e a vida de fora da lei – já clássica dos jogos da Rockstar. A liberdade de fazer o que quiser, com consequências para seus atos, está presente também. Ah, cuide bem do seu cavalo. Especialmente se ele te custou muito para conseguir.

12. The Legend Of Zelda: Breath Of The Wild

Breath of the Wild inseriu um mundo aberto na franquia The Legend of Zelda de forma espetacular. Está vendo uma montanha distante no horizonte? Então, você pode ir até lá e escalar. Além da liberdade em explorar cada cantinho do mapa, há shrines (santuários) para descobrir, vilas e cidades para explorar, NPCs para conhecer e, claro, ajudar Zelda a salvar o mundo.

Para quem já gosta da série, The Legend of Zelda: Breath of the Wild é um título obrigatório. Para quem está se aventurando com Link só agora, certamente será uma boa e longa jornada!

Hit Kill 24 – Jogos que amamos, mas demoram muito

E para continuar esse papo de jogos de mundo aberto, eu gostaria de te convidar para ouvir o Hit Kill 24. Nesse episódio, falamos de jogos que a gente gosta, mas que talvez não precisasse demorar tanto. É só dar o play.

Assine o Hit Kill