Início » Aplicativos e Software » Shopee é confiável? 6 dicas para comprar com segurança

Shopee é confiável? 6 dicas para comprar com segurança

É necessário ficar atento na hora da compra; saiba se o Shopee é confiável e veja 6 dicas para comprar com segurança

Por

Os marketplaces estão cada vez mais em alta, as regras entre o consumidor e as empresas estão sofrendo mudanças. O Shopee é confiável? Veja abaixo, 6 dicas para comprar com segurança na plataforma de vendas situada em Cingapura. As dicas não se restringem somente ao marketplace específico, mas são boas práticas para evitar dores de cabeça futuras.

Ilustração de compra e venda na Shopee (Imagem: Shopee/Divulgação)
Shopee é confiável? (Imagem: Shopee/Divulgação)

1. Desconfie de valores exagerados

Todos sabemos que as plataformas de vendas trouxeram muitas oportunidades de negócios, mas é bom ficar atento aos preços que beiram o “surreal” quanto a sua atratividade. E-commerces que atuam com vendas de produtos de terceiros, como a Shopee, seguem as diretrizes do Marco Civil da Internet, que prevê a isenção de responsabilidade de varejistas por anúncios de produtos ilegais ou piratas.

Para evitar problemas e decepções, faça uma busca por produtos semelhantes em outras plataformas, dessa forma ficará mais difícil ser tentado por um produto com valor excessivamente “agressivo” de venda.

Mesmo pagando pouco, quando fazemos a aquisição de um produto que está sendo vendido como “legítimo”, esperamos ter um produto de qualidade, mas torna-se praticamente inviável alguns valores oferecidos.

2. Está inseguro? Procure vendedores locais

Ao escolher um produto, é normal este ser um contato direto com fornecedores estrangeiros, mas o Shopee abriu espaço para diversos revendedores brasileiros. Quando levamos em conta possíveis desvios, tempo para entrega e valor do frete, vendedores nacionais ou que possuem estoque de produtos no país são consideravelmente mais rápidos na entrega.

Outro fator a levar em conta é uma maior “facilidade” de contato com o revendedor nos casos nacionais, a possível existência de um CNPJ vinculado e maior “materialidade” para acionar judicialmente, caso necessário, por qualquer problema envolvendo a transação.

Produtos de vendedores locais (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)
Produtos de vendedores locais (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)

3. Grandes marcas são mais seguras

A plataforma Shopee reforçou o seu leque de ofertas com produtos de marcas famosas e conhecidas no mercado: Philips, Huawei, por exemplo. Pela consolidação das marcas, a chance de comprar produtos falsificados ou de procedência duvidosa é menor, e junto com as características citadas acima, aumentam a materialidade no caso de ação judicial contra produtos defeituosos.

Aparador de pelos Philips no Shopee (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)
Aparador de pelos Philips no Shopee (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)

4. Verifique o valor final da venda

O Shopee é famoso por seus preços “agressivos”, completamente abaixo dos valores reais de mercado. Pode ser uma estratégia legítima, mas em alguns casos pode ser algo que irá atrair o consumidor para um golpe.

Em alguns casos, é possível verificar a diferença entre o preço com desconto anunciado e o valor final da venda. A plataforma já deixou de considerar valores como o frete, por exemplo, na contagem total do valor, sem deixar muito explícito. Não necessariamente é fácil dizer se o Shopee é confiável, pode ser apenas um erro no sistema.

Uma breve conferência no valor antes de confirmar a transação, principalmente envolvendo cartão de crédito, reduz bastante esse tipo de situação incômoda.

5. Calcule o risco de cada compra

Uma dica final é deixar a plataforma de Cingapura para adquirir itens que não existem no mercado brasileiro, para fins de teste ou com preços baixos.

É uma estratégia de proteção do consumidor, se tivermos problemas em 6 de 10 compras com valor de 30 reais, o prejuízo será muito menor do que se fizermos uma única compra de 500 reais e essa apresentar problemas.

É uma simples análise de risco e retorno. Agir assim, pelo menos até que as regras brasileiras para todos os marketplaces sofram alterações é uma forma de, pelo menos, minimizar possíveis prejuízos.

Elásticos para cabelo baratos no Shopee (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)
Elásticos para cabelo baratos no Shopee (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)

6. Avaliações positivas

Não é mais uma grande receita de sucesso focar nas avaliações — principalmente, após serem identificadas “fazendas” criando avaliações falsas por dinheiro —, mas ignorá-las certamente é um erro.

Por isso essa dica está por último, ela não pode ser a sua base de análise para decidir onde comprar seus produtos. Por outro lado, um produto que está sendo vendido e ainda não tem nenhuma avaliação, deixa o consumidor atirando no escuro.

Avaliações positivas de um produto da Shopee (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)
Avaliações positivas de um produto da Shopee (Imagem: Leandro Kovacs/Reprodução)

Se realmente está decidido a comprar o produto, mesmo não tendo avaliações, procure pelo vendedor e veja se outros itens comercializados por ele tem uma boa avaliação, até se costumam responder rápido aos consumidores.

Ao se perguntar se o Shopee é confiável, não tem uma resposta final, a melhor forma de proteger nosso dinheiro em compras digitais é agir como detetives, investigando tudo que pudermos antes de fechar a compra.

Página Oficial: Shopee.