Início » Finanças » Nova lei para bitcoin tem brecha que pode derrubar mercado cripto nos EUA

Nova lei para bitcoin tem brecha que pode derrubar mercado cripto nos EUA

Senado americano aprova lei que vai taxar corretoras de criptomoedas, mas possui brecha que pode prejudicar mineradores e desenvolvedores de carteiras digitais

Por

Na semana passada, o Congresso americano aprovou o famoso pacote trilionário de infraestrutura, que traz consigo novas leis sobre criptomoedas nos Estados Unidos. Agora, o texto está sendo encaminhado para o presidente Joe Biden, que, se assinar, vai implementar polêmicas regras sobre a declaração de impostos e taxação de ativos digitais, podendo prejudicar mineradores de bitcoin (BTC) e ether (ETH) no país.

Criptomoedas (Imagem: WorldSpectrum/Pixabay)
Criptomoedas (Imagem: WorldSpectrum/Pixabay)

A chamada Lei de Investimento em Infraestrutura e Empregos da administração Biden pretende injetar US$ 1,2 trilhão na economia americana através de uma série de medidas e projetos. Um deles envolve as criptomoedas, exigindo que corretoras declarem transações superiores a US$ 10 mil à Receita Federal dos EUA (IRS), ampliando os impostos sobre esse mercado e visando arrecadar cerca de US$ 28 bilhões, que seriam direcionados à infraestrutura do país ao longo dos próximos dez anos.

Comunidade cripto aponta brechas na lei

No entanto, o texto atual tem seus problemas e preocupa grupos e organizações de criptomoedas. A Câmara de Comércio Digital e o Coin Center, por exemplo, são duas entidades que já argumentaram contra a nova lei, dizendo que a definição de “corretora” é muito vaga, podendo englobar incorretamente mineradores de criptoativos e desenvolvedores de carteiras digitais.

A ideia inicial seria obrigar exchanges e corretoras de criptomoedas, como a Binance U.S e Coinbase, a declararem grandes movimentações de ativos digitais. A brecha regulatória chegou ao conhecimento de senadores americanos, que até mesmo propuseram uma emenda para tentar consertar o problema. No entanto, a mudança foi derrubada em agosto.

Pouco depois da aprovação do projeto de lei pelo Senado, o grupo político bipartidário Blockchain, composto por congressistas americanos e dedicado a promover a tecnologia blockchain, enviou uma carta a todos os legisladores pedindo ajuda para a consertar a situação.

“A declaração de impostos sobre criptomoedas é importante, mas deve ser feita corretamente… Quando a Lei de Investimento em Infraestrutura e Empregos chegar à Câmara, devemos priorizar a alteração desse texto para isentar claramente os intermediários de blockchain não detentores de ativos e garantir que as liberdades civis sejam protegidas.”

Carta do grupo político bipartidário Blockchain enviada ao Congresso americano.

No entanto, o problema não foi resolvido e o texto problemático segue na versão final do projeto de lei, agora nas mãos de Joe Biden para assinar ou devolvê-lo ao Senado. Se aprovado, o Departamento do Tesouro dos EUA terá a autoridade exclusiva para decidir quais entidades serão consideradas corretoras.

Mas, afinal, por que isso é um problema?

Uma brecha legislativa dessas é perigosa e extremamente preocupante para o mercado de criptomoedas local americano, mas com potencial para trazer consequências globais. Ainda no campo da hipotético, se mineradores e desenvolvedores de blockchain forem alvos do Tesouro americano, não apenas eles sairiam com um prejuízo injusto, como também poderiam encerrar suas operações no país.

Mineração de bitcoin (Marco Verch/Flickr)
Mineração de bitcoin (Marco Verch/Flickr)

O blockchain do bitcoin sofreu um grande “apagão” no meio de 2021, quando a China apertou as proibições sobre atividades com criptomoedas no país. Como resultado, a rede do ativo digital perdeu temporariamente metade de seu poder de processamento e apresentou instabilidade enquanto os mineradores chineses migravam (principalmente para os EUA).

Agora, o governo americano está com a faca e o queijo na mão para incentivar um mercado em ascensão, ou prejudicá-lo antes mesmo de ter consolidado seu crescimento nos Estados Unidos. Se uma nova migração em massa de mineradores ocorrer, todo o blockchain do bitcoin, por exemplo, poderia ser afetado.

Com informações: The Verge