Início » Celular » Xiaomi explica por que celulares com MediaTek demoram mais para receber updates

Xiaomi explica por que celulares com MediaTek demoram mais para receber updates

Celulares com processador MediaTek podem levar mais tempo para receber atualizações; executivo da Xiaomi explica o motivo para a demora

Por

A Xiaomi deu explicações sobre a demora para disponibilizar atualizações a celulares com processadores MediaTek. Nesta quinta-feira (11), um executivo da marca chinesa, Li Ming, afirmou que a fabricante de chips taiwanesa leva mais tempo para se preparar para as novas versões do Android em relação à Qualcomm, sua rival. Os detalhes foram revelados em uma publicação feita na rede social chinesa Weibo.

Xiaomi explica por que celulares com processador MediaTek demoram para ser atualizados (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Xiaomi explica por que celulares com processador MediaTek demoram para ser atualizados (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O comentário parte de um questionamento que surge no lançamento de novas versões do Android. Isto porque os smartphones com processadores Snapdradgon geralmente são os primeiros a receberem as novas gerações do sistema operacional. Enquanto isso, os modelos com chips MediaTek levam mais tempo para serem atualizados.

O motivo dessa demora foi esclarecido por Li Ming. Pelo Weibo, o executivo explicou que, antes da liberação da versão final do Android, o Google disponibiliza o código antecipadamente à MediaTek e à Qualcomm. Este procedimento facilita o processo de atualização, já que as duas companhias poderão se preparar com antecedência.

Mas é a partir daí que começa o problema.

Processador da MediaTek para celulares (Imagem: Reprodução)
Processador da MediaTek para celulares (Imagem: Reprodução)

Xiaomi revela motivo para demora em atualizações

Ainda que o Google disponibilize o código com antecedência, há diferenças no tratamento. Ming disse que a Qualcomm tem várias equipes trabalhando em paralelo para disponibilizar todos os pacotes de uma vez só. A MediaTek, por outro lado, faz a liberação lotes. Por isso existe uma certa demora para que os celulares com o chip da fabricante taiwanesa sejam atualizados.

O executivo também explicou que as atualizações em fases também são uma “escolha inevitável” às fabricantes de celulares. Aqui, ele aponta como motivo a falta de mão de obra suficiente para preparar tudo ao mesmo tempo. Além disso, este método ainda ajuda a evitar que os celulares sejam atingidos por bugs, já que a liberação em etapas oferece mais tempo para as companhias acompanharem o feedback dos usuários.

Poco M4 Pro 5G vem com processador MediaTek em sua ficha técnica intermediária (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Poco M4 Pro 5G vem com processador MediaTek em sua ficha técnica intermediária (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

MediaTek é uma das maiores fabricantes do mundo

As duas companhias estão entre os principais nomes da atualidade. Mas, segundo o CEO da MediaTek, Rick Tsai, a companhia taiwanesa já é a maior fabricantes de processadores para smartphones do mundo. “Continuamos a ganhar participação em todas as regiões do mundo”, disse o executivo em uma conferência com investidores.

A declaração vem um bom momento. A fabricante vem ganhando cada vez mais presença pelo mundo nos últimos meses. Nesta semana, por exemplo, a Xiaomi lançou o Poco M4 Pro 5G com Dimensity 810. Segundo o CEO da MediaTek, a expectativa é de que a participação na América do Norte ultrapasse a margem de 25% em 2021.

Nos últimos meses, novos celulares com chips da MediaTek foram lançados no Brasil. É o caso do Samsung Galaxy M22, que desembarcou no comércio nacional em setembro com MediaTek Helio G80. A Motorola e a Xiaomi também lançaram o Moto G50 5G e Poco M3 Pro 5G, respectivamente, com Dimensity 700 no país.

Com informações: Gizmochina (1 e 2) e Weibo