Início » Brasil » Ministro das Comunicações quer tablet por preço mais em conta

Ministro das Comunicações quer tablet por preço mais em conta

Avatar Por

Tablets e banda larga popular. Esses foram alguns dos tópicos respondidos pelo ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, durante entrevista concedida a jornalistas. Tendo em vista uma Campus Party abarrotada de geeks querendo comprar novos gadgets, o ministro disse que gostaria de aplicar a mesma política fiscal dos notebooks aos tablets. Ou seja, os impostos podem cair.

Não é novidade para ninguém que o Governo Federal fez ajustes fiscais para que os computadores de mesa e notebooks barateassem. O resultado disso foi um aquecimento da indústria nacional de tecnologia. Os tempos são outros, e Paulo Bernardo mostrou posicionamento similar ao da presidente Dilma Rousseff. De acordo com ele, uma redução nos impostos para esse tipo de produto estaria em estudo.

Os produtores nacionais de tablets estão preparados para rapidamente iniciar a montagem de aparelhos que custem mais em conta. Para tanto, seria necessário abrir mão de diversos impostos que atualmente o governo recolhe das peças importadas que compõem os tablets - como processadores e memórias RAM.

Ministro das Comunicações quer banda larga por R$ 30 mensais | Clique para ampliar

Sobre a banda larga popular, Paulo Bernardo afirma que há um esforço muito grande para que o PNBL vá para frente. O Ministério das Comunicações, em parceria com a Anatel, está disposto a diminuir o ICMS recolhido pelas empresas de telecomunicações. De acordo com o ministro, até mesmo zerar o imposto é uma opção, desde que as operadoras repassem essa diminuição de custo para os consumidores finais (será que isso acontece?).

O desejo de Paulo Bernardo é, no longo prazo, que os brasileiros possam pagar R$ 30 mensais por uma conexão de 512 kbps. Ele admite que essa velocidade não é a ideal para quem quer baixar um filme em três dimensões (palavras do ministro, acredite se quiser), mas que é suficiente para uma pessoa que nunca teve acesso à internet, mas que comprou um computador recentemente (fazendo proveito dos programas de inclusão digital do governo) e quer acessar a internet de forma modesta.

Quando o assunto é a suposta tentativa da Anatel de obter acesso a dados sigilosos de assinantes de telefonia, o ministro não toma uma posição oficial. Ele só pede cuidado na hora de repercutir a opinião de advogados (o que a Folha de São Paulo fez) porque normalmente esses advogados são os mesmos que atendem as empresas de telefonia (que certamente não querem uma fiscalização ainda maior de suas atividades).

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Lucas
Ela quis NET não é algo disponível em todo o Brasil. Tem muito lugar que ainda não possui nem cobertura, diferentemente da Sky (que é só TV) que, acho eu, qualquer lugar pode ter. Se não me engane NET é para lugares mais metropolitanos, acho que eles não atendem zonas afastadas, como a Sky faz.
Icaro94
Pensei que o preço da NET fosse o mesmo para todos :/ No caso a banda larga de 512kbps já custa R$30,00 mensais.
Bel Salles
Tem gente que paga alto por isso ainda... tem gente que paga mais do que isso por uma discadona que mal chega nos 52kbps prometidos. Vc paga um preço melhor por uma velocidade maior, mas tem gente que ainda nem tiveram a oportunidade de comprar um computador.
Bel Salles
Perfeito, Gabriel. O pessoal só quer achar motivos de meter o malho mas não percebem que tudo é questão de organização e planejamento.
Bel Salles
Como escrevi lá em cima, a utilidade de um tablet não é jogar Angry Birds, e sim leitura de ebooks. O que foi implementado depois nos modelos mais rechonchudos são para vender do que pra outra coisa. É óbvio que a melhoria na educação em massa é fundamental, mas eu como uma "ex-professora" posso afirmar que a falta da educação decente são culpas dos maus profissionais da área(pelo menos nos centros urbanos) e dos pais que não acompanham mais o rendimento escolar dos seus filhos. Acham que os professores são responsáveis pela educação psico-social dos seus filhos e tudo dá no que vemos por aí. Vejo escolas por aqui super bonitas, muito melhores do que na época em que eu estudava e nós tínhamos educação boa. Atualmente, os recursos são melhores e o saldo de aproveitamento é negativo por causa de quem? Sempre culpam os governos por tudo, mas esquecem que para muita coisa funcionar precisa de profissional qualificado e ciente de suas responsabilidades.
Bel Salles
A utilidade principal dos videogames é a diversão, já nos tablets é a educação. ( Falei a utilidade PRINCIPAL). Comparando um com o outro, vejo que o Brasil precisa de educação, pq de diversão já temos em várias formas possíveis.
Caio Furtado
Não fale assim, a Positivo é responsável por tanta coisa boa nesse país...
Caio Furtado
Somos dois, espero que o Brasil dê um de India e faça um tablet com um preço bem camaradinha...
@GabaaFreitas
Na moral mesmo? Prevejo tablet da positivo vindo por aí e isso não é uma boa previsão, hahah
Matheus Wichman
Ele falou "pirataria"
@AntonioVeras
Me digam uma coisa. Desde quando baixar imposto é sinônimo de produto mais barato? Se os impostos baixarem, os preços podem até diminuir, mas será pouco devido à ganância dos empresários. Vamos tomar por exemplo o nosso pãozinho francês de cada dia. Toda vez que tem uma queda na safra de trigo, eles aumentam o valor do pãozinho. Alguém já viu o valor do pãozinho voltar ao valor anterior quando a safra de trigo volta aos eixos?
Icaro94
"O desejo de Paulo Bernardo é, no longo prazo, que os brasileiros possam pagar R$ 30 mensais por uma conexão de 512 kbps." http://www.netcombo.com.br/netPortalWEB/appmanager/portal/desktop?_nfpb=true&_pageLabel=internet_popular_mega_atual_site_atual_page
Turdin
Gostei da parte do baixar filmes 3d!
Gabriel Bemfica
Não tem muito a ver com a questão, mas achei interessante ressaltar: vi, há algum tempo, numa matéria sobre contrabando, um empresário brasileiro importando "bíblias eletrônicas" (sim, realmente existe isso, olhem no Google Images) como se fossem livros, para se isentar do imposto. Até aí, nada de muito grave, se as tais bíblias eletrônicas não fossem capazes também de rodar jogos (tipo aqueles MP714 que vendem em camelôs: só os que já vêm instalados, mas, ainda assim, jogos) e, alguns modelos, reproduzir CDs. Fora o imposto que o país deixa de arrecadar em componentes eletrônicos e etc. Isso só para mostrar a diferença: enquanto a Positivo tenta fazer tudo dentro da lei, especificando do que se trata o Alfa (que para nada mais serve, até onde eu sei, além de ler livros e resolver sudokus, palavras cruzadas e etc), o ministério da fazenda negou a isenção. Porém, um importador obscuro, vendedor do mercado cinza, pode passar uma papelada por um fiscal da alfândega, para isentar de impostos um produto com utilidades mais fúteis do que o Alfa, cujo único uso é alimentar a cultura do usuário.
Gabriel Bemfica
Concordo com quem diz que precisa investir em educação, melhorar a infra-estrutura e etc, mas, sinceramente, há dois pontos aí: 1 - O cara é ministro das comunicações. Melhorar o abastecimento da rede elétrica, é com o ministério das minas e energia. Melhorar a educação da população, tem a ver com outros ministérios (educação, obviamente, cultura, planejamento, cidades, casa civil, etc). É um erro considerar o governo como sendo um só, cada parte cuida do que lhe é devido. Se for assim, vamos parar os incentivos à venda de eletrônicos e investir tudo em saúde, educação e combate à miséria. Aí, pra ter um positivo com Pentium Dual Core, você vai voltar a pagar R$3000. Pra poder acessar o Tecnoblog através de uma internet de 128kbps, vai pagar R$150 por mês. 2 - Há SIM como pegar esses incentivos tecnológicos e aplicar em outras áreas. Se os alunos das escolas públicas tiverem condições de ter um computador (graças aos incentivos fiscais do governo) com uma internet mesmo que de 512kbps (com o PNBL) e, nas salas de aula, tablets para esses mesmos alunos usarem (considerando iniciativas como o OLPC e esses incentivos que o governo está planejando para os tablets), imaginem a revolução: o aluno não precisará mais de material escolar físico (diminuindo o preço pago pelo governo por esse material e o esforço do aluno em levar todo dia vários livros para a escola), e, de quebra, passa a aprender a inclusão digital também na escola, o que faria uma educação em duas frentes: o aluno aprenderia o conteúdo escolar e, ao mesmo tempo, estaria mais apto a lidar com a informática, tornando-se um profissional muito melhor capacitado antes mesmo de concluir o ensino médio (e, convenhamos, a enorme maioria dos empregos hoje exige - e não precisa ser especificado na proposta de emprego, já é lugar comum - conhecimentos intermediários em informática). Obviamente, não é algo para curto prazo. Porém, há 15 anos, computador era um artigo de alto luxo, a maioria das pessoas que tinham a oportunidade de usar um para trabalho sequer sonhavam em ter um em casa. 5 anos atrás, eu comprei um CCE com Celeron e 256KB de RAM e 40 GB de HD por R$1000. Hoje em dia, se consegue um notebook com especificações extremamente superiores (fora a portabilidade infinitamente superior à de um desktop) por esse mesmo preço (Menos de R$1100 aqui: http://migre.me/3Iqhz e já vi modelos por R$998, em promoção), ou um netbook por ainda menos (R$798 aqui: http://migre.me/3IqjW e só não peguei o anúncio mais barato por ser de uma marca que já tive um produto, Megatron, e sei o quão horrível é o pós-venda deles). Se começarmos a ter tablets por R$300 rodando Linux (sem querer puxar a sardinha pro Android, mas sabem como é), imaginem daqui a 5, 10 anos, como esses aparelhos vão ser onipresentes. Se não criarmos cidadãos aptos a usar essas tecnologias agora, de nada vai adiantar dar comida, educação e saúde, se a sua secretária tiver diploma universitário, mas não souber usar o Word.
Caio Furtado
Do que adianta baixar o preço dos jogos, se o dos consoles para jogá-los (PC, PS3, etc) são altíssimos devido aos impostos. Uma coisa de cada vez...
@mosblenarufa
ministro das comunicacoes quer tablet por preco mais em conta. Eu tambem quero... nem precisa anular o icms,basta só não deixar ele fucionar em cascata... Ps: para quem não sabe Icms(Imposto sobre circulação de mercadorias e bens de serviço) é cobrado quando a mercadoria sai de uma empresa para outra, sendo combrado em cima do valor de venda do produto(que já recebeu impostos anteriores nesse produto) fazendo que você pague imposto sobre imposto(tipo juros compostos) formando o efeito em cascata... Exemplo: um produto é produzido por 50R$,a empresa tira 30 reais de lucro e outros vinte paga de impostos,tornando o valor final do produto 100R$. Ao ser vendido ele é taxado pelo Icms(valor abritario 20%) sendo que o produto é repassado a 120R$. Caso não existisse o efeito cascata os 20% seria sobre 80R$ mais os 20R$ dos outros impostos, assim ao invés de pagar 120R$ pagaria 116R$. - Ooo tio,mas tu é pão duro né? esse problema todo por causa de 4 reais? R: nesse exemplo sim,mas em um Ps3(+- 1200R$) seria 40 reais e em uma L200(120.000 aprox)seria 4k de diferença... Desculpe pelo texto gigante mas precisava explicar para entenderem o problema...
@brunogdb
Eu estou meio otimista em termo de tecnologia neste governo, por causa dessas histórias, mas espero que isto seja verdadeiro, mas abaixa logo o imposto de tudo!
Criativo de Galochas
Governo quer tablet mais barato?!?! Ahan, Cláudia. Senta lá! Não seria melhor ANTES investir mais em educação de massa? =/
Felipe Silva
tablets mais baratas :> fulano que mora no meio da mata agradece oh espere onde ele vai carregar não tem energia lá. ¬_¬ o Brasil é meio hipocrita as vezes. ps: não sou contra a inclusão e nem ao bareteamento temos que fazer isso sim. Mas só de saber que existe muitos lugares com pessoas com condição de vida precaria em vez de prioriza-las pensam em tablets >: tem gente que nem sabe ler pra que vai querer um tablet?
@kaio_augusto
Olha, se realmente era ele e não o ete bilu disfarçado, nossa geeks e nerds agraxdecemos, pois é isso que o brasil precisa para crescer economicamente, redução dos impostos. Fiquei muito feliz, quando sou dessa redução para a area da informática, ainda mais agora sabendo que um "politico" disso isso, agora eu posso dormir um paz (ou não)
@rtini
Essas isenções são legais, mas acho que sem um plano urgente pra controle desse tipo de resíduo pode acabar dando problema ambiental grave. Não sou ecochato. Apenas estou percebendo um bum de vendas de componentes eletrônicos sem a capacidade de reciclar os mesmos.
Sr. Sem Papo
Espero! Esses impostos, "travam" o Brasil, por isso o brasil é "pobre" mentalmente, como fazer as coisas se nao temos como fazer?
Dan
Deveriam abaixar também os impostos dos video-games e os jogos deles, como proposto no Jogo Justo.
Omar
Falei uma vez e falarei de novo: É bom que esse governo seja diferente do anterior, pq quando a Positivo fez o pedido de isenção/redução de impostos pro Alfa ( e-reader, pra quem nunca ouviu falar) levou um belo 'Não'.
Gabriel Silva
Cruzando os dedos para tablets mais baratos!!! :D