Início » Jogos » Videogames causam violência no mundo real?

Videogames causam violência no mundo real?

Avatar Por

A fumaça resultante de um violento atentado terrorista no aeroporto Domodedovo, em Moscou, nem havia se dissipado ainda quando nós gamers começamos a pressentir que se tratava de mais uma catástrofe cuja culpa recairia sobre o nosso hobby favorito.

Ontem o Kotaku reportou o inevitável: um programa de notícias russo traçou comparações entre o trágico evento da última segunda-feira e a fase "No Russian", de Modern Warfare 2. Eu tenho certeza que os gamers com melhor memória sabiam muito bem que era uma questão de tempo até que a redação de alguma agência noticiosa fosse alertada sobre existência do jogo e da polêmica fase. Já vimos esse filme antes.

Em "No Russian" (a quarta missão de Modern Warfare 2) você interpreta Joseph Allen, um soldado americano afiliado à CIA que infiltrou-se na gangue do terrorista internacional Makarov. O plano do vilão consiste em atacar o fictício aeroporto Zakhaev, de maneira que o atentado pareça ter sido arquitetado pelos Estados Unidos. O título "No Russian" faz referência ao comando do líder, instruindo seus agentes a não falar russo enquanto estiverem no aeroporto.

Se você nunca viu a sequência que gerou tanta controvérsia nas semanas seguintes ao lançamento do jogo, aí está:


(YouTube)

As imagens são viscerais. Você não é tecnicamente obrigado a participar da chacina; muitos jogadores reportaram que a sensação de conflito psicológico em relação à situação do jogo era tão intensa que eles não apenas disparavam tiros a esmo, sem mirar nas vítimas (para manter a aparência de coesão com o grupo infiltrado), mas se encontravam torcendo para que as vítimas caídas conseguissem se arrastar para um local seguro antes de serem fatalmente alvejadas pelos terroristas.

Justamente pelo conteúdo psicologicamente perturbador da fase, fica a critério do jogador participar dela ou simplesmente pulá-la.

Opiniões divididas sobre "No Russian" tomaram conta do mundo especializado. Houve quem aplaudiu a Infinity Ward, dizendo que a narrativa é eficaz em sua proposta de chocar e causar conflito interior (portanto, comparável à arte). E houve também quem condenou a empresa, por achar que a mensagem pode ser mal interpretada e que os videogames como uma mídia sofrerão novamente com a aviltação em virtude do que a mentalidade mainstream compreenderá apenas como, na melhor das hipóteses, "violência banal".

Na pior, "material de treinamento para futuros assassinos". Diz-se que a brutalidade digital rouba a sensibilidade humana natural comum em eventos violentos do mundo real. Se a polêmica do "No Russian" provou alguma coisa, é que mesmo aqueles entre nós que cresceram disparando tiros pixelizados sentem-se desconfortáveis com a ideia de violência realista (e gratuita) contra inocentes.

"No Russian": massacre em aeroporto russo

Certamente não é a primeira vez que videogames são culpados por tragédias no mundo real. Um dos casos mais célebres foi o massacre de Columbine, nos Estados Unidos, no qual dois garotos armados com submetralhadoras e bombas caseiras mataram doze companheiros de escola antes de se suicidar.

Sendo os dois garotos aficcionados por jogos de tiro em primeira pessoa como Doom e Wolfenstein 3D (as fases criadas por Eric Harris ainda podem ser achadas na web sob o nome "Harris Levels"), a mídia - sempre sedenta por furo" que descubram os possíveis reais culpados por trás de uma tragédia - rapidamente estabeleceu a conexão entre o hobby dos meninos e o massacre na escola.

Este é apenas o caso mais conhecido (o filme "Tiros em Columbine", do cineasta americano Michael Moore, certamente ajudou a iconizar a tragédia). A lista de incidentes relacionando violência e videogames é muito longa pra citar aqui.

O problema desse tipo de raciocínio tem um nome em latin: cum hoc, ergo propter hoc. Em bom português, o termo diz "com X, portanto por causa de X".

Em outras palavras: correlação não significa causa. O fato de que alguém condenado por assassinato tinha videogames como hobby não é diretamente (ou sequer indiretamente) relevante ao crime perpetrado.

Num estudo intitulado "The School Shooter: A Threat Assessment Perspective", o FBI concluiu que a causa do incidente em Columbine foi a explosiva combinação de gênios dos responsáveis pela matança - um deles, um psicopata com desejos de se vingar da sociedade escolar por causa de sentimentos de exclusão, e o outro, um maníaco-depressivo disposto a ajudá-lo. A correlação com o interesse por jogos eletrônicos não é uma causa.

E o mesmo pode ser dito sobre o atentado na Rússia. De 1995 para cá houve 23 ataques terroristas em solo russo, cinco deles só no ano passado. Quase todos (senão todos eles) podem ser atribuídos à tênue relação entre a Rússia e a Chechênia.

Veja que curiosa coincidência: em 1994, a Rússia enviou milhares de soldados para território checheno para exercer oposição à independência daquele país. Imediatamente no ano seguinte, um hospital russo foi tomado por dúzias de terroristas da Chechênia com intenção de forçar o governo russo a remover tropas de sua pátria mãe (o que acabou sendo o início de uma série de campanhas de terrorismo separatista em solo russo).

A causa para os atentados terroristas na Rússia é claríssima. Não poderia ser diferente (lemos sobre as tragédias e os grupos que as provocaram há mais de uma década nos jornais). Por um acaso do destino, o último ataque tinha alguma breve similaridade com um jogo de videogame lançado no ano anterior.

E aí? Vão me dizer então que aquele atentado na Rússia em 1995 foi culpa de Sonic 3...?

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marcelo Marques
claro, pq fazer eles pararem de jogar algo virtual e ficticio pra coloca eles se socarem de vdd faz muito sentido pra evitar comportamento violento.
Lucas Oliveira
Olá, adoraria ler sua tese de mestrado. Existe essa possibilidade?
Kkauh Kruger
uao
tião
mas q viajem
tu parece q veve em otro planeta
Murdock
O que acho que acontece com jogos e filmes é apenas a banalização da morte. Parece que matar alguém na via real não é nada já que aquelas mortes não são reais numa mente acostumada com tiros falsos.
Lucas
No caso de crianças até uns 13/14 anos com certeza influencia a pratica da violencia pois tem costume de fazer tudo o que ve em filmes, jogos etc...

E alguns com problemas de cabeça influencia sim a pratica.
Até gente normal depois que assisti um DVD do Luan Santana quer cantar igual ele, ou que ver uma foto do Restart ainda axa bonito. (HORROR)

E mais.....quem ja jogou por exemplo CS o dia inteiro, e depois sai na rua, ficou pensando nas cenas do jogo na sua propria rua?!

Quem nunca jogou Rally no videogame e dpois quis fazer com seu proprio carro??? É Impossivel!!
@gboaventura
Já existem diversos estudos científicos (inclusive minha dissertação de mestrado) que provam que o videogame não influencia comportamento violento, muito pelo contrário. Ele serve de válvula de escape e funciona inclusive em um processo de catarse (ALVES, Lynn [não lembro o ano]) que visa expurgar uma série de frustrações vivenciadas diariamento pelos indivíduos (brigas de trânsito, problemas no trabalho, em casa etc.).
Se o mundo está violento com os videogames, pode ter certeza que estaria beeeeeeeeem mais violento sem eles.
@mrleandrofreire
O problema é: sempre é mais fácil jogar a culpa de atentados e ataques a algo que você já detesta. Ninguém culpa a péssima educação que damos a nossas crianças, a falta de acompanhamento da família, a ausência de uma confiança entre pais e filhos, etc. Assim, é muito mais fácil culpar o RPG, o videogame, as cartas de Yugi-oh, etc.
dan
me incomoda muito esses jogos violentos em casa meus filhos jogam um em cada computador o jogo c.s 1.6 eles ficam gritando um pro outro estourei sua cabeça HAHAHAHA não querem fazer nem um esporte nem dever de casa é muito ruim quando eles começaram ajogar achei ate normal agora me incomoda muito.
Preferia q eles fizessem artes marciais ou algum outro esporte...
@barichy
Essa discussão é tão antiga quantos os FPS em si. Curiosamente, aqui no Brasil que eu me recorde, a VEJA deu a primeira matéria em questão nacional ainda em meados do final da década de 90 - 98 ou 99, não me recordo bem - onde mostrava estudos de universidades americanas sobre o comportamento pós-experimentação de jogos violentos em crianças. Os resultados foram os esperados - aumento na agressividade e continuidade das tendências e ações que o jogo determinava - pelos pesquisadores.
Devemos lembrar que os sujeitos do teste eram crianças entre 8 e 12 anos, muito mais influenciáveis que a grande maioria que joga MW2 ou qualquer FPS sério.
Pessoalmente, acredito que existam indivíduos que possam vir a ser influenciados pelos jogos, assim como toda outra sorte de coisas e vícios, mas não é a maioria ou sequer uma parcela considerável.
Apesar de uma coincidência desastrosa entre a "No Russian" e o atentado, devemos concordar que a Russia não é um país livre de qualquer ameaça, muito pelo contrário, era uma questão de tempo até alguém explodir algo em um aeroporto por lá.

Abs.
ronaldo
cara gostei da sua conclusao , sua ultima frase defende os video games violentos muito bem ? e os outros atentados , foram culpa do sonic ?

kk muito bom
@Mefna
Matou a charada. O 2¤ e 3¤ parágrafos resumem tudo q precisava ser dito sobre o assunto desde o começo.
Claro que encaro o 1¤ parágrafo como ironia, os inventores de armas não as inventam com o objetivo de dizimar PESSOAS (se bem q alguns realmente ñ se importam com a aplicação de suas intenções), mas Nobel por exemplo, inventou algo de grande utilidade em vários campos, mas lamentou sua utilização na guerra.
RenatoHMC
Droga de corretor! huahahaha Não é inacabados é "o navegador"! como trocou por isso?? huahahahahaa
RenatoHMC
Será que é porque eu usei inacabados de dentro do app do Twitter?
RenatoHMC
Porque aparece "Mozilla compatible" como meu navegador quando uso o iPhone?
RenatoHMC
Se a pessoa for facilmente influenciável, sim, será influenciada. Mas se a pessoa for madura o suficiente para poder distinguir entre o real e o virtual, não acho que haja influência..
@vinicius_pb
Bom, já ouvi um professor de psicologia explanar sobre este assunto.
Segundo ele, o jogo pode tanto causar essa reação violenta como ameniza-la através de um efeito catártico, ou seja, o jogo satisfaz sua vontade e/ou necessidade de liberar essa brutalidade. Isso depende da personalidade e das influências de cada um. Sendo assim, não se pode culpar o jogo.
@mosblenarufa
A historia do videogame ser violento é verdade, o jovem que pega uma pistola e dá 12 tiros contra os colegas é inocente, como o pai que deixava a arma em um local de facil acesso, errada mesmo é a rockstar... #NOT
Silver472
Escrevi sim. Não demora muito não, depois que se acostuma com o teclado, a digitação fica muito fácil. O teclado é quase full size. Claro, eu ainda erro muito às vezes, mas mesmo assim a digitação é muito fácil e a produtividade é alta.

Se a pessoa utilizar o dock com teclado para o iPad, a produtividade será maior ainda, mas eu pelo menos não preciso disso, o teclado do iPad já está ótimo para mim. É só se acostumar e a digitação é fácil, não tem mistério.
Hernani
hauahuahaauha, leave the games alone
Hernani
Cade a o Leonard com a plaquinha de sarcasmo ein?
Hernani
Velha discussão, e como sempre sem fundamento, alguns jogos retratam realidades, coisas que já aconteceram, e muitos passam a conhecer isso, filmes podem ser muito masi pertubadores que jogos, e nem por isso são culpados, filmes que trazem cultos satanistas, ou imagens da época que Hitler matava grandes quantidades de pessoas.
Dizer que alguém que gosta de FPS vai se tornar um psicopata, é uma atitude desesperada por respostas.

Existem pessoas que tem sua saúde mental comprometida por outros fatores, mas o video game não é o unico vilão, pode ser um livro, pessoa, filme, cena, etc
Hernani
Aff, não consigo acreditar que as pessoas podem ser tão cegas a ponto de culpar um objeto, ou texto, ou uma arte como são os jogos
Hernani
Tem pessoas que somente precisam de informação, não tem tempo para aplicar dissertações sobre textos
Hernani
Muito boa perspectiva Eddy, colocada em palavras claras, tumbs up
@rafasalva
Para enriquecer o debate, eu sugiro o livro do jornalista norteamericano Gerard Jones: "Brincando de Matar Monstros: Por que as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de-conta".
O livro é leitura obrigatória para pais, educadores, ativistas anti e pró videogames, gamers e jornalistas.
alexandre
Nao vejo o habito de jogar videogames como um hobby no sentido de ser uma atividade fútil, rasa ou simplória. Games são uma potente forma de se contar historias, de se construir narrativas.

Se é arte ou não, acho que essa é uma discussão boba, com muito pouco potencial para esclarecimento de questões ou mudanças de paradigmas.

Acredito que o debate sobre como explorar e maturar a linguagem das narrativas digitais seria mais produtivo e válido.

é isso, gostaria muito que alguém se dispusesse ao diálogo.

abraço, muito bom o seu post!
Charles
Indabem que meus pais nunca foram nessas lorotas da imprensa :D
Eduardo
Ah obrigado Ramon, mas acho que o erro foi meu. Esqueci de colocar a tag no início e no termino da frase. :)
Hugo Bessa
Já quebraram todos os meus CDs de jogos com essa história de que video game influencia no comportamento. Talvez um pouco mas nada que faça uma pessoa matar. Normalmente quem faz isso é quem sempre foi alvo de zoação na escola.
Gustavo Rodrigues
A TV Record esses dias notíciou que um mod de GTA: San Andreas é um dos causadores da violência nos estádios de futebol: http://rockgame.com.br/blog/2011/01/25/gta-incentiva-violencia-em-estadios-para-tv-record-sim/

Tá, blz, não concordo com o mod, achei ele super desnecessário e muito besta (qual a graça de sair por ai matando torcedores rivais por pura diversão), sei lá, acho que isso é opinião e não se descute. Mas sobre videogamer causar ou não violência no mundo real, acho que eles não causam. Tudo depende dá pessoa, se você tem uma opinião já formada, e sabe que tudo que tem ali é virtual, algo que é somente inspirado na vida real (em alguns jogos), não vai sair por ai fazendo o que você faz em um jogo.
Fábio
Record perde vice liderança para a "TV paga, DVD e jogos": http://www.portaladtv.com.br/?p=87955

Infelizmente eles não estam nem ai. Enquanto a TV continuar perdendo audiência para internet, dvds e jogos vão continuar atacando qualquer coisa sem nenhum comentário relevante.

(Record)Jogos de computador simulam briga entre torcidas organizadas em GO: http://www.youtube.com/watch?v=CUGCw5tYKsI

E espero que percam espaço mesmo, pois o nível está cada vez pior(inclusive das por assinatura).
Rodrigo Fante
É de comer? :P
Rodrigo Fante
E quando ganhei um atari, minha mãe vivia reclamando que ia estragar a televisão.
Daniel Luiz
PUUUUTZZZ....

Quanta criancinha le o tecnoblog no periodo de ferias!!!!!
O que voces ganharam de Natal???
aff
Ramon Melo
E sarcasmo, já ouviu falar?
Ramon Melo
Pois é, mas como só acharam o Wii, não deu para botar a culpa nos games.

A não ser que Wii Sports aumente a violência, OMG, corram para as colinas!
Eddy
Acrescentando uma informação... Existem umas doenças mentais, cujo nome me escapa agora, (se eu não me engano uma delas é a Síndrome dos Franceses Pulantes (Jumping Frenchmen Syndrome - sim, isso exíste)) que faz com que a pessoa tenha um impulso incontrolável assim que mandam eles fazerem algo.

Por exemplo, digamos que eu tenha uma destas doenças e você me mande socar o José seriamente, eu vou lá dar um soco nele automaticamente, por mais que ele seja meu melhor amigo, eu simplesmente não posso controlar.
Só para constar, eu não sofro disso, graças a deus, estava só exemplificando uma situação onde os jogos realmente podem influenciar, dependendo de como foram desenvolvidos.
Sandro N. Pinto
O comportamento violento não é consequência dos games.

O comportamento violento é um problema que acomete certos indivíduos, ou que pode ser gerado por traumas e/ou situações de extremo constrangimento, perseguições, disciminação ou agressões.

Sou jogador de games violentos desde o nosso saudoso DOOM e nunca fui violento, muito pelo contrário, um dia desses não tive coragem para matar um rato que entrou dentro de casa, e fiz o que pude para ele ir embora... pela porta... rs rs rs rs...

Se fosse meu pai, um bico ou uma vassourada... na hora!

Remember... No Russian!!!

Paz e Bem!
Denis
Minha mãe fala isso pra mim todo santo dia :(
Denis
"Triplicou"
Denis
Não devemos culpar os vídeo games, e hoje a população "triplico", ou seja, é claro q vai aumentar o número de violência, e antes como não tinha internet era difícil saber o que estava acontecendo fora do brasil. e quem imita o que os caras fazem nos jogos tem probleminha, até porque se os jogadores ficam afetados imagina os desenvolvedores.
Turdin
[5] (E minha mãe me fez vender os livros do Harry potter quando eu tinha uns 13 anos, aos 14 quebrou uns cds de jogos demo (sim, achou que era demonio, só depois que expliquei ) , e aos 15 queimou meu livro Deuses americanos =/ )
Gabriela.Black
Sempre achei um absurdo culparem os jogos por qualquer coisa. Não costumo jogar jogos violentos, não tenho muito estômago para isso, mas eu, desde criança, jogo The Sims. E eu já matei sims dentro da piscina ou num quarto sem portas. Nem por isso eu vou prender alguém num cômodo, ou jogar numa piscina, só para ter uma lápide no quintal (até porque, eu NÃO vou ganhar uma lápide no quintal...).
Milhares de pessoas jogam um jogo. Um par de sem-noção comete um crime relacionado ao tal jogo. A culpa não pode ser do jogo, é matematicamente impossível. Só que, claro, é incrivelmente mais fácil condenar os pobres jogos, RPGs, do que analisar o verdadeiro problema...
Quando não são os jogos, são os desenhos animados, os filmes... Mas eu nunca vi ninguém culpando a novela, o BBB, qualquer coisa que dê mais audiência...
Humberto Mendes
Por que culpar os videogames já que a psique da pessoa não influencia em nada? Vamos culpar os ilmos Horace Smith, Daniel B. Wesson, Eugene Stoner e tantos outros inventores ou aperfeiçoadores de armas.

Se não fosse videogame seria televisão, senão seria livros e quando se esgotasse todas as possibilidades eles iriam definir como "vontade divina".

O ser humano é muito propenso a justificar erros com desculpas infundadas.
Eddy
Não estou dizendo que esportes são sempre violentos e sempre trazem problemas. Se a pessoa pratica de forma saudável, é bom sim, mas sempre querer socar algo quando está estressado VAI trazer problemas no fim, a não ser que a pessoa saiba se controlar muito bem.
Alguém que soca um saco de pancadas do boxe sempre que está estressado não é necessariamente um praticante da arte marcial. Aquele que pratica as artes marciais também precisa saber das regras e precisa se concentrar para não ficar nervoso e estressado numa luta, já que isso pode acabar trazendo uma derrota para ele.

Estou completamente a favor de alguém que realmente pratique a arte marcial e a entenda, não apenas o ato de socar algo.
Emmanuel Fotógrafo
[4] (minha mãe queimou meus livros de RPG quando teve aquela menina assassinada em MG, em 2001. =D )
Anny
Also, dei reply na pessoa errada.
Eu concordo com o Mefna, discordo é do Eddy.
Anny
É óbvio que não podemos acusar um jogo ou um esporte.
Quem já tem problemas psicologicos ou de natureza violenta, vai se sentir estimulado por qualquer coisa: filmes de ação, jogo de tiro, adolescente na rua chutando um cachorro, _qualquer_ coisa.
Se o cara usou uma cena de um filme ou um trecho de um jogo como inspiração para fazer algo, é porque ele já procurava alguma situação dessas que pudesse concretizar e, obviamente, já possuía problemas o suficiente a ponto de efetuá-la.
O real problema não é a existência dos jogos, do boxe, das artes marciais, do que for - e sim a existência de pessoas capazes de fazer este tipo de coisa na realidade.
A culpa não é de um filme por ter uma cena violenta, a culpa é da mera existência de uma pessoa com a mente fraca e com raiva do mundo que achou legal o que viu e resolveu reproduzir.
É mais do que óbvio que uma pessoa saudável jamais pensaria em fazer isso. Ou ao menos nunca teria coragem, frieza ou raiva o suficiente para concretizar. Sem falar da falta de razão e da presença de um motivo EXTREMAMENTE forte para alguém fazer isso.

Isso é tão óbvio que chega a ser fácil de verificar: Você, pessoa saudável, teria vontade de reproduzir na vida real aquela parte SUPER legal DAQUELE jogo em que você chega numa sala e atira em todo mundo só porque você é um espião badass e pode fazer isso?
Mesmo que você tenha vontade, você não faria.
Agora, se você tem certeza de que faria se tivesse a oportunidade, sugiro que procure um psicólogo e_e
Aposto que as pessoas que acusam os jogos disso também deveriam. E se manter longe desses jogos, também. E dos filmes. E das novelas da Globo. Aliás, até do BBB, já que agressão física agora tá valendo lá também. Sugiro que se tranque numa bolha o quanto antes e que seu acesso à TV se restrinja a assistir Ursinhos Carinhosos.
Also, uma última coisa: Acho ridículo quem pensa que todos praticantes de artes marciais são seres violentos que vão sair batendo nos outros na rua. Argumentos do tipo "socar um objeto sempre que você fica com raiva se torna algo tão comum para você que a sua primeira reação quando houver um problema grave vai ser socar a pessoa que gerou o problema" são ridículos, uma vez que, ninguém em condições normais NECESSITA socar o saco de porradas para descarregar a raiva. É a mesma coisa que você chegar em casa de noite e jogar um jogo de tiro casualmente. Você não PRECISA atirar em pessoas para relaxar. Você poderia estar vendo novela ou até teletubbies. Ninguém vai negar o quão relaxante é jogar algo que goste, assim como praticar algo que goste. Quem faz artes marciais sabe disso. É a mesma coisa que praticar tênis, futebol, vôlei. Você se sente relaxado e disposto pelo exercício e pelo prazer de fazer algo que você gosta ou que te diverte. Simples assim.
Te garanto que pessoas que fazem o que gostam, nem que isso seja socar um saco de pancadas, são bem mais calmas e estáveis psicológicamente do que você que simplesmente condena tais atos.
Sry pelo tl;dr, apenas tive que comentar ;/
Caio Furtado
Realmente, afinal, todo mundo sempre quer achar um bode expiatório...
Caio Furtado
[3]
Caio Furtado
Pô, que legal cara... '-'
Caio Furtado
A culpa não é do videogame, o único problema está entre o sofá/came e o televisor conectado ao console. (:
Eduardo
Errado, foi utilizado o Flight Simulator para TREINAR o uso de aeronaves.
Daniel Luiz
9/11??
Dia nove de Novembro???? Acho que estamos no Brasil...
Eduardo
Eu concordo que a causa da violência seja o video-game. Tanto é verdade que até a invenção do Atari o mundo era de uma paz que chegava a ser chato. Depois o mundo ficou um pouco mais agitado.
Rafael The Mist
OK, todos já sabemos que jogos não estimulam violência etc...
Mas que esse jogo é totalmente fora dos limites do bom senso, isso ele é!
Rafael Avelino
Sempre vão tentar tirar leite de pedra,só falam isso por causa que os jogos evoluíram a tal ponto de se tornarem cada vez mais reais.
Não dizem que jogos de estrategias,rpgs,aventura,ação,etc ajudam as pessoas a desenvolverem melhor suas habilidades intelectuais...
Bom post!! abraço!
@rogerioljr
A causa de uma pessoa se tornar violenta nunca pode ser atribuída a jogos, isso é um fato. Mas um jogo violento pode "contribuir" para uma ascensão de um distúrbio que uma pessoa tenha com relação á violência.
Uma comparação comum: eu já joguei uma série de jogos violentos na atualidade, como Call of Duty MW2 (o citado neste post), Fallout, Command & Conquer, Medal of Honor, Crysis, Assassins Creed, Age of Empires, e dezenas de outros de guerra/esteatégia. Porém, minha ficha é limpa, ainda mais, sou quase um pacifista diplomata que gosta (AMA!) de jogos de guerra. Enquanto outro tem um distúrbio que incita a violência (e que devido á exposição de um jogo violento OU NÃO) o faz cometer atos grotescos de matança e violência.

Incluído a isso, vem a educação, os precedentes da pessoa anormal como também os conflitos que vemos nos noticiários (que, cá entre nós, se tornaram banais ao ponto de se tornarem "comuns"), com todas as suas variantes (a exemplo, amigos briguentos, exclusão de certos grupos, pai que espanca a mãe, uso de drogas dentro da família e etc.) que influenciam MUITO E MUITO MAIS do que um jogo com cenas violentas.

Por isso digo e afirmo que os jogos nunca serão a "causa" de um ato hediondo, mas podem ser uma "influência", de forma que ajudam a explicitar nas pessoas anormais certos atos. Se jogo fosse a causa de vários atos, o número de mortes no mundo inteiro seriam 100, ou talvez 1000x maior, pois é muita gente q joga jogos de violência, mas (graças a Deus) pouquíssimos são os que são influenciados (notem, influenciados, não levados) a cometerem atos errados.

Concluo, vamos jogar jogos de guerra SIM. Desenvolvedores vão continuar produzindo jogos de guerra SIM! O que deve mudar é a nossa educação quanto a esses fatos e omitir a máximo nosso instinto de resolver as coisas através do corte de cabeças e assassinatos a sangue frio.
Fredson Sousa
O filme 1º Matrix, também levou a culpa pelo massacre de Columbine, mais especifico a cena em que Neo e Trinity vão resgatar Morpheus.
Nesse atentado não teve reféns, mais se tivesse com certeza seriam extremistas chechenos. Em 2004 em Beslan foram mais de 300 mortos (http://noticias.terra.com.br/retrospectiva2004/interna/0,,OI435301-EI4427,00.html).
O problema é que os governos investem milhões até bilhões em segurança nacional(espionagem antiterror, contra-espionagem...) e ainda assim acontece essas tragedias e para não disse que são incompetentes e estão gastando o dinheiro do povo atoa eles culpa os games os filmes e o que vier.
Eles iniciam uma guerra real e culpa a ficção pelos seus erros.

Matrix por outro ângulo: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20100821165214AAnRMNm
@brunogdb
Você tem toda razão! O pior de tudo é os pais, minha mãe nem fala mais nada pois não adianta, e eu sou fascinado por história, então jogos de guerra me agradam. Mas logo após isto, os pais devem estar, "nossa, meu filho joga coisa assim, vamos parar de deixa-lo com esta libertadade", mas este é o problema melhor, e nós, jogadores viciados, sofremos "preconceito"¹ por isto
1: O preconceito que eu falo, é aquelas falações dos mais velhos: Como você aguenta jogar esta porcaria?
@brunogdb
[2]
@ti_paiva
Pena que mesmo viciado no Fifa11 o meu futebol não melhora :P
@Mefna
Games violentos não tornam uma pessoa violenta, uma pessoa violenta pode gostar de games violentos, mas conheço muita gente violenta por aí q é contra games de qualquer tipo, quem nunca ouviu falar de pais q arrebentam um filho na porrada por causa de vídeogames? Na verdade esses pais agridem pq são doentes e se ñ fosse os games ia ser por qualquer outro motivo.
Mas estou respondendo a esse post em particular pq assim como é ridículo e preconceituoso taxar gamers de violentos, também o é faze-lo com esportistas e/ou praticantes de artes marciais. Sei q é um super-clichê, mas eu me tornei uma pessoa mais calma com as artes marciais, mas também é preconceito achar q todos os praticantes vão virar monges, já ví um antigo colega da mesma academia nas pgs políciais por agressão, mas a maioria hj são médicos, advogados ou mesmo trabalhadores sem formação acadêmica q nunca se meteram em confusão.
E antes q alguém conteste, não sou praticante, mas boxe É SIM uma arte marcial.
Tux
A mesma historia de sempre, a raca humana, muitas vezes ineficiente em admitir os proprios erros, atribui a fatores externos suas grandes desgracas. Bast aver estudo y ou x provando A o do porque B acontece, chega a ser ridiculo.

Voce ja viu estudo dando enfase que o problema mesmo e que pais nao sabem criar filhos, nao sabem educar, e por isso muitos acabam sendo ignorantes e bagunceiros na escola?

E bem mais facil colocar a culpa no outro, enquanto isso a raca humana afunda na propria desgraca e melhorar que e bom nada.
@josemarbj
Os casos de crimes "influenciados" pelos games e RPGs são tão poucos em relação à quantidade de pessoas que praticam esses hobbys que nem devia ser cogitado uma relação de causa x efeito entre eles. Pode existir no máximo uma correlação, como foi muito bem mostrado no texto.

Ou seja, o jornalista que publica uma notícia sugerindo tal relação é um grande picareta e, em um mundo ideal, deveria ser demitido imediatamente. Mas como essas mentiras levantam audiência, "profissionais" deste tipo só faltam ganhar medalhas para cada polêmica infundada que criam.
Caio Furtado
O Tecnoblog é um blog de tecnologia, tudo que envolve ou está relacionado ao mesmo é postado aqui, desde a atualização do Navegador até lançamentos como iPad, etc. É um dos poucos blog que eu conheço que possui quantidade (vasto número de posts diários - nos dias úteis, obvio) e qualidade (textos como esse)...
Mas claro, sempre há a opção de - se você não gostar - clicar naquele X lá em cima. (:
Caio Furtado
Realmente, acho que até ri da relação entre ambos.
Rodrigo Soncin
Esta questão de sempre culpar o video-game violento pela violência é uma certa hipocrisia e um medo de que uma verdade, que, no fundo, todos nós conhecemos, mas poucos querem admitir, venha a tona, que é a verdadeira relação do jogo violento com o comportamento humano.

Uma verdade muito mais sombria.

O problema não é que o jogo influencia o comportamento humano, mas é o comportamento humano que influencia o jogo. Afinal de contas, foi o Age of Empires que influenciou Alexandre, o Grande a iniciar a campanha que guerra que matou um monte de gente para anexar território, ou foi Alexandre, o Grande que influenciou a Microsoft a produzir o Age of Empires?

Os jogos violentos existem porque nós, como espécie, somos violentos.
Mas é muito mais agradável por-mos a culpa nos jogos do que assumirmos a nossa própria. Pura hipocrisia. Olha como chamamos o cara do exemplo que dei acima: o Grande! O cara matou muita gente por causa da ganância de um império e o chamamos de grande! Absurdo! Ele seria um vilão em boa parte dos jogos mas é tido como herói.
Icaro
Nossa,

Lembrei daquela esquete do Melhores do Mundo com esse comentário! Hahahaha
Turdin
Eu acho que muitas vezes o pessoa muda a ordem da causa e consequência, pra mim seria o seguinte:

A pessoa que faz uma coisa dessa gostava de de jogos de tiros porque já tinha um instinto violento.
E não passou a ter um instinto violento porque gostava de jogos de tiro.
@MaximiliumM
Amigo, você ficaria pasmo se visse a velocidade que eu escrevo tanto no iPhone quanto no iPad ;P

É possível escrever muito rápido depois que você pega o jeito. Se bem que tem gente que não acostuma a escrever rápido nem em teclado normal de computador, hehe.

Quanto ao post, parabéns Izzy pelo texto.

E mais uma coisa, tem um episódio de Penn And Teller que fala exatamente sobre isso. Vale MUITO a pena assistir.

Abs.
Izzy Nobre
Haha, pode crer! Devia ter mencionado isso no texto também.
Sr. Sem Papo
Eu sou...CONTRA.. :D o Tb ta otimo assim
Gabriel Simonetti
Amigo, o 9/11 foi causado pelo Flight Simulator. Você não se lembra disso?
@foggaca
Inclusive, no início da missão, o outro carinha (não lembro o nome...) enfatiza que aquilo que o agente fará, apesar de foda, não se compara com quantas vidas ele salvará.

Como bem explicitado, era uma missão secreta com o intuito de salvar MUITO MAIS vidas. É foda? É, mas é para um bem maior...

mas afora isso... eu mato todo mundo que eu vejo na fase, qualquer um rastejando na minha linha de visão leva tiro :x hauehuaehuaehuaehuae
William Kennedy
A violência mostrada nos jornais é muito mais abundante do que em games.
Não só nos jornais, mas em filmes também. E não me venha falar que "filmes tem suas censuras", pois os games também tem. Só que ninguém tem o hábito de verificar.

Antes dos pais proibirem games violentos, por que então não proibem a televisão?

Mais um excelente artigo Izzy \o/
Bestknighter
Com toda a razão!


Vc escreveu tudo isso no iPad? Deve ter demorado não?
Daniel Luiz
Cara, vendo esse video tive a incontrolavel vontade de ir a um aeroporto, nao sei porque... Parece uma vozinha que fica na minha cabeça toda vez que jogo vg
@webes
Tem também o Mateus da Costa Meira, mais conhecido como O Atirador do Morumbi Shopping. Que é de 1999, lembro que foi mostrado de forma sensacionalista que ele simulou o evento jogando Doom. Se na invasão do complexo do alemão eles achassem PS2 com GTA, e CS com a fase do Rio ia ser culpa dos video-games.
Denis
Se jogo deixasse + violento eu era pra ser o cara mais violento :P
Li
Olha, a única violência que eu vi este jogo, em específico, causar é lá em casa. Meu marido o joga, on line, por horas e, como é típico dos homens - sem ofensas - não consegue fazer duas coisas ao mesmo tempo: jogar e ouvir que o jantar está pronto, por exemplo, portanto sou obrigada a pular em frente ou sobre ele para me fazer ouvir.
Irio
Não necessariamente. Informativos não precisam ser apenas "Atualização no Firefox, baixem somente quem souber o que está fazendo".
Marcos
Já vi vários estudos que comprovam que jogos causam quase ou nenhuma mudança de temperamento. O problema desses estudos é que se pesquisadores testarem 1000 pessoas e apenas 4 apresentarem mudança de temperamento depois de um jogo, apenas esses 4 apareceram no estudo, o outros seram descartados, por serem inúteis para os pesquisados.

Acho que os jogos podem ser até positivos, por serem um válvula de escape, possibilitando sociopatas controlar seus instintos.

O mundo hoje é assim, os políticos/sociedade usam os jogos como culpados pela violência para se livrar da própria culpa...

O mais interessante que é uma parte da violência no mundo é causada por RELIGIÃO, que supostamente deveriam trazer paz de espiritual, 72 virgens e toda aquela falsidade que te prometem.
Acho que se a população começasse a combater essas pseudo-religiões, os resultados seriam melhores do que sempre botar a culpa nos jogos...
@silvioskin
Joguei o modern e joguei a fase, atirei nas pessoas, mas na minha cabeça são "personagens" de um jogo, vida digital não é vida, vida é carne osso e alma, seres pensantes ou não que estão ao nosso lado e podem ser tocados, sentidos. Atirei nas pessoas, a sensação? Ruim, péssima, mas cumpri a missão, imagina o remorso dos caras q estavam no Enola Gay (Enola Gay foi o nome dado ao bombardeiro B-29 que lançou a bomba atômica sobre a cidade japonesa de Hiroshima no dia 6 de agosto de 1945 fonte Wikipedia) matando uma kinkalhada de japoneses. Misturar as estações não vira, quem não consegue se libertar do jogo após largar o joystick ou mouse tem q procurar ajuda porque está com problemas, e culpar um jogo por causa de um possível massacre religioso é um absurdo mais sem fim ainda.
Silver472
Eu tenho o MW2, joguei essa fase várias vezes, atiro em todo mundo, e eu não fiquei mais violento que isso.

É só um jogo, não tem porque ele influenciar no meu comportamento. Eu não quero matar qualquer pessoa que eu vejo por causa dessa fase ou porque eu vi um filme muito violento.

Acho que se a pessoa ficar mais violenta, ela deve procurar um médico, porque jogos e filmes não representam a vida real e a pessoa tem que entender isso.

Claro, a personalidade de uma pessoa é construída com as influências que ela recebe, mas mesmo assim eu não acho que um jogo (ou vários) deixarão uma pessoa violenta se ela souber que não representa a realidade.

Um jogo é um mero jogo, não entendo porque há essa discussão sobre a influência deles no comportamento de uma pessoa. Se a pessoa for facilmente influenciável, como uma criança, aí esse tipo de jogo é meio perigoso, mas se a pessoa não for influenciável e souber que é um mero jogo, não vejo problema nesse tipo de jogo.
Omar
Eu sempre acho que essas acusações contra os videogames são sempre 'programadas' por alguem (ou algum grupo) que não vai com a cara dos mesmos.

Quando aparece uma chance, os games viram logo o alvo. Acho que é um bode espiatório, fácil de ser usado.
Oimpracavel
Muito bom o Post! Parabéns ao Izzy Nobre.
Adriano
Isso se trata de uma coluna, por isto é dissertativo, os demais post são informativos, portanto são mais diretos.
Bestknighter
Eu sempre pensei dessa forma. Mas gostaria de acrescentar uma coisa. Em alguns casos, quem tem "mente (muito) fraca", ou seja, que tem problemas mentais específicos, tem a tendência a serem influenciados. MAS, não só pelos jogos, e sim pela mídia,jornais , filmes e até vendo a olho nu.
Pedro Moisés
Vou mostrar esse post pra minha mãe.
Lucas Rudiero
Texto foda pra caralho, Kid.
@AntonioVeras
Vídeo Game é sempre culpado. Lembro do tempo do Atari, em que minha mãe e minha tia "enchiam a paciência" da gente falando que Vídeo Game estragava televisão.
@irio
Campanha para um Tecnoblog com menos posts, mas dissertativos como esse.
@decomush
Foda a conclusão
Eddy
Já dizia o sábio: se video-games influenciassem minha personalidade, eu estaria por aí comendo cogumelos alucinógenos enquanto esmago tartarugas com meus pés.


A meu ver, descarregar a raiva através de esportes como o Boxe causa MUITO mais violência que os jogos.
Primeiro porque os jogos são algo completamente fictício e o jogador sabe disso. Segundo que socar um objeto sempre que você fica com raiva se torna algo tão comum para você que a sua primeira reação quando houver um problema grave vai ser socar a pessoa que gerou o problema, mas sobre isso ninguém fala por aí, só dos jogos, né?