Se você vive dentro de uma caverna, provavelmente não sabe que os egípcios estão nesse exato momento lutando pela sua liberdade contra um ditador que está há 30 anos no poder. Sim, isso é um resumo bem porco, mas não quero transformar os comentários desse post em um debate político. O que importa é que, para tentar evitar que as manifestações e outros tipos de rebelião sejam divulgados na web e no resto do mundo, o governo do Egito decidiu cortar quase que completamente o acesso à internet do país. E isso é assustador.

O que o governo egípcio fez foi desativar mais de 3,5 mil rotas BGP, que ligavam os backbones de dez grandes provedores do país ao resto do mundo. O BGP, ou Border Gateway Protocol, é um dos principais protocolos da internet. É ele que faz a ligação entre os backbones, os principais servidores da rede mundial de computadores. Por estarem espalhados em diversos países, esses backbones precisam estar em constante comunicação para saber qual a melhor rota para um determinado pacote.

Queda nas conexões do Egito (gráfico: Renesys)

Sem as rotas BGP, os provedores de internet locais não sabem para onde mandar os navegadores que pedem por endereços como o google.com ou twitter.com, pois as rotas que levavam para os servidores desses endereços estão inacessíveis. O contrário também é verdadeiro: qualquer pessoa fora do Egito que tentar acessar um servidor localizado no país vai dar de cara com uma página de erro (como na página oficial do governo egípcio; pode tentar acessar, mas não vai abrir). É como se na internet o Egito tivesse deixado de existir.

Ou quase. De acordo com a empresa de rede Renesys, único grande provedor que continua com suas rotas BGP inalteradas é o Noor Data Group, que se conecta à rede por meio de um cabo de fibra óptica submarino pertencente à Telecom Italia (a dona da TIM aqui no Brasil). Mas essa pode ter sido uma estratégia do próprio governo, já que eles sabem que esse provedor é usado pela bolsa de valores local e por isso não pode sair do ar.

Reflita sobre essa confusão toda por um momento. Um governo tirou o acesso à internet de pouco mais de 79 milhões de pessoas, além de impedir outros milhões que estão fora do país de manterem contato com seus parentes e amigos lá dentro. Se o fato de um governo conseguir retirar o acesso a um meio de comunicação tão usado quanto a internet não é nem um pouco assustador para você, talvez seja melhor voltar para a caverna.

Com informações: Telegraph, Renesys.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Hernani
Puxaram o cabo.
Raph4
Thanks for the info e BELO texto Rafa :)
Diego Rocha
Ele está hospedado num servidor fora do egito. Cupertino, Califórnia para ser mais exato.
Lauro Faria
No Brasil esse tipo de bloqueio é bem mais difícil de dar certo, porém é justamente por causa de alguns "metralhas" é que a sociedade, fora do governo, deve dificultar ainda mais.
Lex Aleksandre
Conheço alguns metralhas lá no Congresso que têm o maior desejo de fazer isso!
@andreontherocks
Como foi citado em um outro blog, caso a rede telefônica (fixa) ainda esteja intacta, existem as conexões discadas! Apesar de lentas, uma conexão de 56k pode te ajudar a mandar notícias para o mundo!
@elettronbr
Tem que dar QTA nesse comando...
@fedias
Mas a internet é uma forma de mostrar ao mundo a sujeira que esta acontecendo!
Lauro Faria
O motivo do bloqueio da Internet foi a intenção do governo egípcio de evitar a comunicação da população para organizar protestos, inclusive envolveu a telefonia celular, e talvez, a fixa. Não conheço a estrutura de backbone do Egito, mas não deve ter tantas rotas principais, facilitando esse tipo de bloqueio. Facilita ainda mais se poucas empresas ou só o governo tenha essa atribuição. Sobre essa ótica, é muito provável que seja um tiro no pé, pois na medida que essa informação, de bloqueio pelo governo das comunicações, circule entre a população pelos meios tradicionais (rádio, boca a boca, e outros) a revolta espontânea tende a se agravar. Se a nossa sociedade civil, não o nosso governo, quiser uma internet livre desse tipo de ingerência, deve conhecer mais sobre o nosso próprio backbone e montar contingências para evitar que isso ocorra um dia em nossas terras. Lembrando, a internet usa circuitos via cabo submarino, satelite, telefone,rádio, tambor...
Guilherme Carlos
isso nos faz faz pensar em como um governo pode ser autoritário e excluir qualquer contato com o mundo. Isso dá muito medo!
@brunogdb
Demais! Sempre quis saber como isto funcionava! Muito legal cara, isto é pura novidade para mim ^^.
Jr. Hames
Não necessariamente, porque na internet via satélite, é comum a necessidade de se usar um canal de retorno já que as antenas e equipamentos presentes nas casas das pessoas não possuem potencia suficiente para enviar um sinal de volta. Neste caso, se o canal de retorno (que pode ser telefone, um cabo dedicado, etc) continuar intacto, ai sim a internet continua funcionando.
Jairo
Ops !! Ultima forma !! QSL !!
Marcos
Correção, o povo brasileiro foi as ruas na primeira metade dos anos 80, 1984, mais precisamente, com a bandeira das Diretas Já, que aliás, não foi aprovada no Congresso Nacional. O povo foi obrigado pelo ultimo ditador militar, João Batista Figueiredo, a engolir mais uma "eleição indireta" que acabou levando José Sarney ao poder ( Tancredo morrera antes de tomar posse ). Foram mais seis anos até que finalmente, o cidadão brasileiro pudesse, finalmente escolher seu presidendte, em 1990, através do voto, desde 1960! E a quem o cidadão brasileiro deu essa honra? Fernando Collor de Melo!
Mamoru
Err... já aconteceu, anos 70, ditadura militar, supostamente para conter o crescimento do fascismo aqui. O povo foi nas ruas e conseguiu a democracia que está em regime agora. No ensino fundamental, matéria de história, você verá mais detalhadamente :) E sobre o Egito.. é triste que não consigam o apoio das forças armadas lá, parece que estes esquecem que são cidadãos também e deveriam estar contra um ditador FDP desse. Muita lavagem cerebral, só pode.
Exibir mais comentários