Início » Internet » Twitter briga por consistência em todos os aplicativos

Twitter briga por consistência em todos os aplicativos

Por
8 anos e meio atrás

Quando o Twitter comprou a Atebits no ano passado, tornando o Tweetie o cliente oficial do site, desenvolvedores de outras apps se assustaram com a possibilidade de perderem público. Muitos deles também condenaram a decisão do Twitter de competir nesse tão disputado espaço. Mas se eles consideraram a compra do Tweetie um golpe baixo, a nova decisão da empresa em relação ao uso da sua API pode ser comparada com um direto de esquerda.

No final da sexta-feira passada, o líder de plataforma no Twitter, Ryan Sarver, publicou uma mensagem polêmica na lista de discussão usada para anúncios oficiais sobre a API. A empresa vai, a partir de agora, reforçar uma consistência da experiência do usuário em todos os aplicativos, obrigando os desenvolvedores a seguirem regras ainda mais restritas se quiserem manter suas apps funcionando.

Sarver no palco durante o Chirp, evento oficial do Twitter

Em outras palavras, o Twitter não quer que desenvolvedores criem aplicativos que confundam o membro do site com Trending Topics próprios ou recomendações próprias, diferentes das oficiais. Sarver diz que o ideal seria que todos os aplicativos seguissem as diretrizes de design e usassem as mesmas funções principais, embora ao mesmo tempo as regras proibam os desenvolvedores de imitarem o layout do site ou de aplicativos oficiais. Como aponta um dos desenvolvedores, esse comentário é particularmente irônico por que até entre os clientes oficiais existe uma inconsistência de interface e design.

Sarver diz que as empresas deviam focar seus esforços em construir aplicativos que façam uso da API do Twitter de maneiras mais avançadas, incluindo ferramentas de análise e CRM, por exemplo. Ele ainda lista sites e apps como o SocialFlow, HootSuite e Klout, que oferecem um diferencial e são exemplos a serem seguidos.

Pouco depois da mensagem ter sido publicada no grupo e sua consequente divulgação por todos os cantos da internet, ela foi deletada. Mas graças à mágica do cache do Google, ainda é possível lê-la inteiramente nesse link.

Com informações: DownloadSquad. Foto sob licença CC do usuário jolieodell no Flickr.