Na humilde opinião de Peter Vesterbacka, finlandês que tem em seu currículo a fundação da empresa Rovio e a criação do game Angry Birds, os videogames, no formato que os conhecemos, estão “morrendo”.

Durante sua fala na conferência SXSW, Verterbacka defendeu sua tese afirmando que “a inovação se moveu em direção aos dispositivos móveis”, lembrando que as companhias que desenvolvem games para Androids, iPads e iPhones “são mais ágeis”. Além disso, criticou o atual modelo das empresas de games, “que cobram US$ 40 ou US$ 50 por um jogo que é praticamente impossível de atualizar”.

Black Ops: sucesso de público

Como exemplo, o executivo citou o jogo de maior sucesso da temporada, o Call of Duty: Black Ops, que vendeu 13,7 milhões de unidades desde seu lançamento enquanto a épica aventura de seus pássaros zangados foi baixada nada menos do que 100 milhões de vezes, obtendo seus lucros apenas com anúncios exibidos na tela.

De acordo com sua análise, “ninguém ainda sabe exatamente” como explorar o novo formato dos jogos para dispositivos móveis, mas diz que sua empresa “continuará fazendo experimentos sem se ligar a nenhum modelo”.

Com informações: VentureBeat.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tiago Coimbra de Araújo
HEhehehehehe, acho que esse cara é doido, coitado, inventou um joguinho de celular e ja sai dizendo que os videos games estão morrendo.... O Kinect da Microsoft acaba de bater todos os recordes de vendas de um aparelho tecnologico e vem esse camara dizer que os videos games estão morrendo, kkkkkkkkkkkkkkk....
Jairo
Jogo horrível essa moda vai passar em menos de 6 meses !
Jairo
Uma palavra sobre... DUVIDO !
Felipe Silva
Falaram isso dos Deskopts quando os consoles estavam em alta, e ambos estão firmes e fortes, a plataforma movel só é mais um nicho da aréa de game não vai substituir os consoles. Mesmo que o dispositivo movel chegue a acompanhar um deskopt em termos de processamento, graficos e etc e uma bateria "infinita" ainda sim os consoles não vão perder o seu espaço são publicos alvos diferentes.
@brunogdb
Onde isso? Até onde eu sei, todos que eu conheço na vida real ou na virtual, eu sempre notei que preferem um XBOX para jogar. Outras coisas, que irá ficar horas numa tela de 4 polegadas para jogar também? As pessoas falam: Ah! Quero um iPod touch para jogar, mas sempre há a preferência do XBOX, PS3 e relacionados. Falo isso de acordo com o que vejo, e também, sempre falei isso na minha opinião...
Rafael Punk
kkkkkkkk iPod touch não tem nada a ver com XBOX 360, objetos diferentes, propósitos diferentes. sobre a matéria, são mercados diferentes, e o futuro dos games está no realismo... na imersão... na jogabilidade (Kinect por exemplo ) e repito isso nunca vai morrer... Nunca! não creio nem um pouco que jogos com estilo AB vão subistituir todo o mercado de jogos.... não tem o menor cabimento isso. total FAIL
Jean Carlos
É por isso que escolhi o iPod touch,ao invés do XBOX 360. ;)
Cesar
Eu já vinha falando isso! Alguns jogos, como o GTA, poderiam se vender pelos anúncios reais na fictícia cidade, como estamos acostumados a ver no dia-a-dia em outdoors e não cobrar os preços exorbitantes que as empresas praticam. Eu daria valor a uma empresa que financia jogos que divertem seu público.
@mosblenarufa
A bateria voa e não cosegui passar da fase 1 de smw por causa dos controles(para quem me co.teve por defender avidamente o los:sim comprei um android...)
@Valter_Henrique
Acho que ele foi infeliz na sua declaração, são mercados diferentes e focos diferentes, vai tentar desenvolver um Black Ops para o Android ou iPhone, não tem sentido comparar algo que é muito mais forte (em questão de hardware) para gráficos com um dispositivos multi-tarefas como os smartphones.
@farraeu
Seria muito bom os produtores de jogos pra consolas sentirem medo e mudar os esquemas de atulizaçoes de sagas tao bem sucedidas. ajudando assim seus fieis consumidores, ja que desembolsar em media U$60 ou 60€ em um jogo todo ano nao rola... sem comentar os preços que chega no Brasil.
Ramon Melo
O clock do processador, sozinho, não determina sua potência. A arquitetura, por outro lado, tem um peso muito maior neste comparativo. Só para exemplificar: um Apple A4 ou Samsung A8 Cortex (são o mesmo chip), de arquitetura ARM, estão anos-luz atrás dos i3/i5/i7, de arquitetura x86. Isso porque os processadores ARM foram projetados para integrarem dispositivos móveis, que dependem de baixíssimos consumo de energia e dissipação de calor, limitação que é bastante menor em PCs. Mas não se preocupe com o post longo, o objetivo dos comentários é se aprofundar na discussão mesmo.
Ramon Melo
Bom, isso é muito relativo. 75% dos meus jogos no PSP são em mídia física, que eu preciso comprar de lojas em países como EUA, Canadá, China e Reino Unido e esperar algumas semanas até chegar na minha casa, enquanto só 25% estão na versão digital, que eu só preciso pagar com cartão de crédito e baixar. A mídia física importa para mim, como objeto de coleção, e eu jamais pagaria a mesma coisa por um jogo sem encarte, sem manual e sem caixinha. O que eu acho que as empresas precisam fazer é ampliar o ciclo de vida dos consoles, para tornar os custos de produção e distribuição progressivamente mais baratos.
Ramon Melo
Até dá para colocar jogos com longas histórias e profundidade em portáteis (pelo menos nos consoles portáteis da Nintendo e da Sony), não creio que seja esse o caso. A questão é que os portáteis são uma distração, e os consoles são o "real deal". Claro que Dead Space ficou lindo no smartphone, Uncharted ficará sensacional no NGP e jogos como Starfox e Star Wars ficarão incríveis no 3DS, mas os portáteis não serão capazes de fazer o queixo cair como Mass Effect 2 fez no X360 e God of War III, no PS3.
Ramon Melo
Até porque, convenhamos, não existe comparação. Mesmo com o 3DS e o NGP (se for tudo o que a Sony promete), jogar no portátil é mais uma distração que um hobby em si.
Exibir mais comentários